PUBLICIDADE
Notícias

Ataque a secretaria é segunda tentativa de atentado em dois dias em Fortaleza

10:06 | 24/03/2018
Calçada dos Correios com chão com marcas de fogo
Calçada dos Correios com chão com marcas de fogo
[VIDEO1]O ataque desta madrugada à sede da Secretaria da Justiça e Cidadania (Sejus) do Ceará é a segunda tentativa de atentado em pouco mais de 24 horas em Fortaleza. No fim da noite de quinta-feira, 22, houve tentativa de invadir e incendiar prédio dos Correios no bairro Antônio Bezerra. Os dois crimes podem estar conectados.

O ataque à Sejus ocorreu por volta das 1h30min da madrugada deste sábado, 24. Homens dispararam contra a sede da secretaria, na Aldeota, trocaram tiros com a Polícia e três morreram. Foram apreendidas com eles armas e uma granada.
[FOTO1]
No fim da noite da quinta-feira anterior, 22, os criminosos que atacaram o prédio dos Correios tentaram invadir o local, sem sucesso. Então, derramaram gasolina na tentativa de incendiar a agência, mas também não conseguiram.
[SAIBAMAIS]
Eles foram embora e deixaram no local cartas com ameaças ao governador Camilo Santana (PT), ao presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB), à Assembleia Legislativa, além da sede do Governo do Estado, bancos e lotéricas, postos de combustíveis, refinarias, antenas de telefonia, rádios e televisão, portos, aeroportos e redes de transmissão de energia elétrica.
[FOTO2]
Conforme a mensagem, a série de ataques a ser desencadeada teria como motivo o projeto de instalar bloqueadores de celulares em presídios. "Se o senhor colocar bloqueador nos presídios, simplesmente iremos fazer o caos completo aqui no Estado. Você não conseguirá se reeleger, não terá mais credibilidade do povo", dizem as ameaças direcionadas ao governador. A Sejus é justamente a secretaria que trata do sistema prisional.
[FOTO3]
Camilo Santana (PT) tem reafirmado intenção de instalar os bloqueadores. No início do mês, a Justiça determinou que a medida seja tomada.
 [FOTO4]

Para entender o caso:
 
 
 
 

 

Editorial. Bloqueadores de celular: é preciso urgência

   
 
Redação O POVO Online
TAGS