14 mil anúncios irregulares foram removidos das ruas de Fortaleza em 2017Notícias de Fortaleza
PUBLICIDADE
Notícias


14 mil anúncios irregulares foram removidos das ruas de Fortaleza em 2017

Em 2018, a ação continua. A Prefeitura de Fortaleza irá promover dias de limpeza em todos os bairros da cidade nas próximas semanas

15:44 | 27/02/2018
NULL
NULL

[FOTO1] 

Anúncios em placas e faixas colocados em locais proibidos serão retirados em ação da Prefeitura para combater a poluição visual. Nas ruas, é comum ver esse tipo de publicidade anunciando a venda de imóveis, datas de shows e descontos em lojas. O problema é considerado pela legislação como um crime contra o meio ambiente. Portanto, a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) irá promover dias de limpeza em todos os bairros da cidade nas próximas semanas.

“Além de ser crime ambiental, essas publicidades acabam prejudicando a segurança viária. Temos registros de faixas que caíram de viadutos e ocasionaram acidentes de trânsito”, relata o superintendente do órgão de fiscalização, Marcelo Pinheiro. Ele afirmou que ano passado, no mesmo tipo de ação, a Agefis retirou 14 mil engenhos de publicidade das ruas da Capital. Neste mês de março, a estimativa é de remover 5 mil.


Na manhã esta terça-feira, 27,, os servidores percorreram os bairros da Regional II em busca de placas, faixas e balões irregulares. De acordo com o articulador Geremias Queiroz, em três horas de campanha, a equipe removeu 62 placas. “Os tipos de publicidade variam. Aqui na Aldeota, é comum placas de imobiliárias anunciando vendas ou aluguéis de apartamento. Já na Regional VI, a gente vê muitas faixas de shows, clubes e lojas”, conta Geremias.

Locais proibidos ou passíveis de licenciamento

Para a legislação, existem dois tipos de locais que as publicidades são colocadas nas ruas. Os locais proibidos são geralmente postes de eletricidade ou de sinalização, viadutos, canteiros centrais de avenidas, árvores, entre outros. Nesses locais, a fiscalização somente faz a remoção do engenho publicitário.

Já alguns locais podem conter publicidades, entretanto é necessário um licenciamento. De acordo com Marcelo Pinheiro, se a fiscalização flagrar um anúncio sem licença, o responsável será notificado e orientado a regularizar a situação na Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente. Após o prazo estipulado, se o anunciante continuar não licenciado, ele receberá uma multa de R$ 160. Na terceira visita sem a solução do problema, a multa sobe para R$ 3.280.

 

Redação O POVO Online

TAGS