PUBLICIDADE
Fortaleza
roubo a bancos

R$ 200 mil apreendidos com facção seriam para compra de explosivos

12 pessoas presas na manhã dessa quarta-feira, 10, compunham o "setor de levantamento de recursos" da facção

22:38 | 11/01/2018
Os 12 homens presos na manhã dessa quarta-feira, 10, em Pindoretama, município distante 50 km de Fortaleza, fazem parte de uma facção criminosa com atuação na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), segundo a Polícia. Seis armas, vasta munição e R$ 200 mil em espécie seriam usados pelo grupo para roubos a bancos.
Os doze homens vão responder por tráfico e associação ao tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo e posse irregular de armas (Foto: O POVO)
O grupo seria parte de “setor de levantamento de recursos” da facção preliminarmente identificada como “Guardiões do Estado” (GDE). O POVO cita o nome da facção por entender que esse dado tem relevância jornalística.
 
As Polícias Civil e Militar não confirmam o nome, entretanto. O resultado parcial das apurações policiais foi divulgado em coletiva de imprensa realizada na sede da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), no Complexo de Delegacias Especializadas, em Fortaleza, na tarde desta quinta-feira, 11. 
 
Ricardo Romagnoli, titular da DRF, detalha que o dinheiro seria destinado à compra de armas e explosivos a serem usados em roubos a bancos. “A gente vai tomar medidas necessárias para que as outras pessoas parte da organização sejam presas. Há alguns meses, suspeitos de envolvimento em crimes contra instituições financeiras já tinham sido presos. Desde então as investigações são feitas”, explicou.
 
Suspeitos
A quantia em dinheiro foi encontrada na casa e no comércio de uma mulher. Parte dos R$ 200 mil estava escondida no lixo. Ela foi ouvida como testemunha e liberada em seguida por falta de comprovação do flagrante. Um adolescente também prestou depoimento e foi liberado.
 
Os chefes da quadrilha seriam Manoel Pedro dos Santos Silva (Smith) e Francisco Bruno da Silva Matias (Dentinho), identificado pela Polícia como um dos matadores do grupo e responsável por três assassinatos em Cascavel. 
 
Além deles, foram presos Isaías William Bezerra, Edilson Rocha de Sousa Neto, Francisco José Medeiros Lima Filho, Francisco Jarbas Teixeira de Oliveira, Nauricélio Fernandes da Silva, Herbet Macedo Ferreira, Francisco José Costa Araújo, Erik Nascimento Silva, Evaldo Carneiro de Oliveira e Francisco das Chagas Bezerra Celestino.
 
Os doze homens vão responder por tráfico e associação ao tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo e posse irregular de armas.
Redação O POVO Online