PUBLICIDADE
Fortaleza
INVESTIGAÇÃO

Criminosos rendem casal para assaltar restaurante no Parque Manibura, diz Polícia

SSPDS confirmou que o estabelecimento era alvo de criminosos, mas não deu detalhes sobre como se deu essa tentativa. Imagens captadas por câmeras de segurança do restaurante foram solicitadas

14:49 | 14/11/2017

A Polícia investiga uma ação criminosa, na noite do último domingo, 12, nas proximidades do restaurante Coco Bambu Sul, no Parque Manibura. Informações sobre um assalto contra o estabelecimento foram veiculadas em áudios nesta terça-feira, 14, mas a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) diz que foi registrada apenas a tentativa. A secretaria não respondeu o que configurou a tentativa de assalto.

De acordo com a SSPDS, três pessoas abordaram um casal próximo ao restaurante e obrigaram o motorista a dirigir até o restaurante, que seria o alvo. Em nota, a secretaria diz que "após não ter êxito na ação criminosa, os homens seguiram com as duas vítimas, até um bairro próximo, onde as liberaram sem levar nenhum bem".

O POVO Online pediu detalhes da ocorrência para saber como se deu a tentativa e se houve invasão do estabelecimento ou abordagem de clientes, mas a secretaria disse apenas que o caso ainda está sendo investigado.

Depois que o casal foi liberado, os criminosos entraram em outro carro que estaria lhes dando apoio, de acordo com a SSPDS. Um revólver calibre 38 foi deixado pelo trio dentro do veículo das vítimas, ainda conforme a secretaria, e encaminhado ao 13° Distrito Policial.

"Uma equipe de policiais civis está, neste momento, realizando as apurações necessárias sobre o caso, bem como solicitando as imagens captadas por câmeras de segurança do estabelecimento, que tenham flagrado a ação tentada dos individuos. Até o momento, não foram identificados Boletins de Ocorrência de supostas vítimas, que tenham sido assaltadas no local", informa a SSPDS.

Procurado pelo O POVO Online, o gerente do restaurante Coco Bambu Sul disse apenas que não comentaria o caso,  “até porque não aconteceu nada”.

Redação O POVO Online