PUBLICIDADE
Fortaleza
latrocínio

Bancário morre após ser baleado em assalto no Centro

Jorge Costa Ferreira, o Jorginho, era sindicalista da categoria e teria sido confundido com um policial

11:45 | 20/07/2017
Atualizada às 12h30
 
Morreu na manhã desta quinta-feira, 20, o bancário e sindicalista Jorge Costa Ferreira, o Jorginho, aos 57 anos. Ele foi baleado durante assalto, no Centro de Fortaleza, e levado ao Instituto Doutor José Frota (IJF). Internado, não resistiu aos ferimentos.
 
O Sindicato dos Bancários, onde Jorginho trabalhava, suspendeu as atividades desta semana (Foto: Reprodução/Facebook)
 
Jorge estava acompanhado de dois irmãos em um carro, quando foi abordado no cruzamento da rua Padre Mororó com a avenida Duque de Caxias, nesta quarta-feira, 19. Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado (SSPDS), os suspeitos anunciaram assalto, mandaram os ocupantes descer do veículo onde estavam (modelo Siena e cor prata) e, enquanto as vítimas corriam, efetuaram tiros que acertaram Jorge na cabeça. Os assaltantes então levaram o veículo e pertences dos passageiros. A vítima teria sido confundida com um policial.
  
A Polícia Civil informou, em nota, que realiza investigações para elucidar a morte de Jorge. O caso é apurado pelo 34º Distrito Policial em parceria com a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). "Equipes de policiais civis estão em campo e realizam diligências", completou a nota.

O Sindicato dos Bancários do Ceará divulgou nota de pesar e suspendeu as atividades desta semana. "(Estamos) ainda completamente perplexos e abalados por tamanha violência que chega à nossa porta", disse trecho da nota. Confira:

“Lamentamos informar o falecimento do nosso companheiro Jorge Costa Ferreira, carinhosamente chamado de Jorginho, às 6h30 desta quinta-feira (20), vítima de um assalto ao sair do trabalho junto com seus irmãos, nesta quarta-feira, 19/7, sendo baleado na cabeça e levado imediatamente ao Instituto Dr. José Frota, onde lutou bravamente pela vida.

O Sindicato está dando total apoio à família de Jorginho. Diretores e outros funcionários da entidade, bem como seus familiares e amigos estiveram durante toda a noite numa vigília de oração na porta do IJF, acompanhando seu quadro clínico, muito grave. Jorginho sempre foi um companheiro que vibrava no trabalho e contagiava a todos com sua alegria e carisma.
 
O momento é de pesar, de dor, de união e de indignação por tamanha violência a que estamos expostos. Jorginho, Presente!”
 
Redação O POVO Online