PUBLICIDADE
Notícias

Filho de oficial de Justiça é baleado durante cumprimento de mandado pelo pai

Vítima estava dentro de carro, aguardando o pai, quando o veículo foi alvejado por tiros

21:08 | 30/05/2017

O filho do oficial de Justiça, Francisco Pinheiro Alves, foi baleado dentro de um veículo, enquanto aguardava o pai cumprir mandado de intimação em um condomínio no bairro José Walter, na noite de segunda-feira, 29. Sindicato dos Oficiais de Justiça do Ceará (Sindojus) classifica caso como atentado e denuncia insegurança da categoria.

[SAIBAMAIS]
O oficial de Justiça conta que, por se tratar de uma região perigosa, o filho dele, Alisson Araújo Alves, 24, se ofereceu para acompanhá-lo. Francisco Pinheiro subiu até o apartamento do intimado, enquanto Alisson ficou dentro do carro estacionado em frente ao imóvel.


"Eu estava no apartamento do intimado, conversando com a esposa dele, quando ouvi os tiros. Saí correndo e quando cheguei ao carro vi meu filho baleado no braço", afirma o oficial de Justiça.


De acordo com informações do Sindojus, Alisson não chegou a ser abordado. Ele estava no carro, quando o veículo foi alvejado por tiros.


Alisson foi socorrido a um hospital, onde recebeu atendimento e foi liberado. O rapaz já havia acompanhado o pai outras duas vezes no mesmo local.


Insegurança

Em texto enviado à imprensa, o Sindojus afirma que oficiais de Justiça estão mais expostos à ação de assaltantes. "Além disso, estão em contato direto com pessoas em conflito com a lei, tendo de percorrer todos os cantos da cidade, inclusive as favelas, para dar efetividade às decisões judiciais. O Oficial de Justiça é único agente público que coloca um bem à serviço do estado. É em seu veículo particular que ele cumpre os mandados, sem ter o devido ressarcimento para tal", informa o Sindicato.

Para o oficial de Justiça envolvido na ocorrência no José Walter, a Polícia poderia estar mais presente em pontos críticos, onde os profissionais precisam cumprir mandado de intimação. Francisco Pinheiro também defende o direito ao porte de arma de fogo.

Conforme o Sindojus, o caso de violência desta segunda-feira é o segundo que envolve um oficial de Justiça neste mês. O Sindicato conta que uma oficial sofreu tentativa de assalto em frente à Defensoria Pública, quando chegava para fazer uma diligência.

Em um ano, já foram sete casos de assaltos, tentativa de assalto, intimidação e agressões sofridas por Oficiais de Justiça durante o cumprimento de mandados, segundo o Sindojus.

O Sindicato cobra ao Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) a disponibilidade de equipamentos de proteção individual, como colete à prova de balas durante diligência mais críticas, a exemplo de uma reintegração de posse.

"O Sindojus está tentando agendar uma reunião com o secretário de Segurança Pública para pensar em quais mecanismos podem ser criados com intuito de oferecer maior segurança à categoria. A ideia é, a partir de uma parceria com o órgão, possibilitar um atendimento mais eficaz em casos de violência contra a classe", comunicou o Sindicato.

TAGS