PUBLICIDADE
Notícias

Caseiro e a esposa são presos suspeitos de matar e ocultar corpo de advogado em cacimba

O empresário e advogado Aldrin Helanio Coelho Fonteles, de 47 anos, estava desaparecido desde quarta-feira, 15

19:26 | 17/02/2017
NULL
NULL

[FOTO2]O caseiro de um sítio e a esposa foram presos suspeitos de matar e ocultar o corpo do advogado e empresário Aldrin Helanio Coelho Fonteles, de 47 anos. O casal apontou que o corpo estava na cacimba em frente ao sítio da vítima, nas proximidades da Estrada do Iguape, em Aquiraz (Região Metropolitana de Fortaleza). Os dois funcionários do advogado foram detidos nesta sexta-feira, 17, pelo Departamento de Inteligência da Polícia Civil (Dip) e o inquérito ficará a cargo da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

 

Segundo o titular do DIP, delegado Renê Andrade, o Dip foi acionado por um advogado que era amigo de Aldrin e que informava o desaparecimento do colega, que é proprietário de um depósito de construção e um pet shop em Aquiraz.

 

"Havia a informação de que ele tinha saído na companhia de amigos, de quarta-feira (15) para quinta. Viemos ao local e nossa equipe conversou com o caseiro, que confessou o crime e indicou onde havia ocultado o cadáver", relatou o delegado Renê.

[FOTO3]

O delegado diz que a versão do caseiro é de que houve um desentendimento entre ele e a vítima, seguida de troca de ofensas e uma luta corporal. Em determinado momento, com a ajuda da esposa do caseiro, o advogado foi estrangulado e ficou desacordado. Então, com uma corda, ele terminou por enforcar a vítima. No entanto, o titular do Dip ressalta que essa é a versão do suspeito e que a Divisão de Homicídios deve aprofundar para confirmar a motivação do crime.

O casal teria tentado colocar o advogado na caminhonete de propriedade da vítima, mas o carro colidiu com uma mureta e com a ajuda da esposa o corpo foi arrastado até a cacimba. Em seguida foi colocado cimento na cacimba.

Conforme Renê Andrade, o caseiro chegou a ir até o depósito do advogado e pediu um saco de cimento e um detergente. O último produto foi usado para limpar os vestígios da luta corporal que houve na residência. Ainda na noite desta sexta-feira, 17, o corpo ainda não havia sido retirado.

O Corpo de Bombeiros estava no local e uma retroescavadeira foi levada para ajudar na ação.

DHPP 

[FOTO1]Segundo o diretor da DHPP, delegado Leonardo Barreto, a perícia recolheu vestigios no interior da residência e estão sendo entrevistadas testemunhas para reunir indicídios para a lavratura do auto de flagrante, que são relacionados a homicídio doloso, ocultação de cadáver e fraude processual.

TAGS