Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Saiba onde achar atendimento psicológico gratuito e a preços populares em Fortaleza

Os atendimentos gratuitos podem ser encontrados nos Caps das seis regionais ou em clínicas particulares e vinculadas a universidades
17:24 | Jan. 10, 2017
Autor -
Foto do autor
- Autor
Tipo Notícia

Atendimento psicológico gratuito ou a preços populares pode ser encontrado em diversos pontos de Fortaleza. O serviço é oferecido pelo município por meio dos postos de saúde e dos Centros de Atenção Psicossocial (Caps), voltados aos pacientes com sofrimentos psíquicos e transtornos mentais severos, bem como dependentes químicos. A capital também dispõe de unidades particulares que fazem o atendimento acessível para a população de baixa renda.

A rede de atenção psicossocial conta com 14 Centros, sendo seis Caps Geral, seis Caps AD – Álcool e Drogas e dois Caps Infantis. A média é de 80 atendimentos individuais por Caps, além das outras atividades ofertadas pelos psicólogos, como matriciamento em saúde mental e grupos psicoterapêuticos. “É um trabalho bem amplo, com uma equipe multiprofissional de médicos, psicólogos, assistentes sociais e terapeutas”, define a gerente da célula de saúde mental do município, Ytanna Queiroz.

Ela explica que a demanda pode ser espontânea, quando a população procura os serviços, ou referenciada. "Os pacientes referenciados são aqueles que já foram encaminhados de outras unidades da rede. Por exemplo, um paciente que tenta suicídio e é atendido no IJF já será levado para o acompanhamento no Caps", afirma.

Os pacientes com quadros mais leves podem receber atendimento em todas as unidades básicas de atenção, conforme Ytanna. "São os pacientes que passam por um luto ou sofrem com ansiedade”, diz. A demanda ainda é insuficiente para atender toda a população e, por isso, os pacientes também podem ser encaminhados para unidades clínicas universidades e populares com valor mais acessível.

Na Clínica Escola de Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC), o atendimento gratuito é ofertado de 8h às 20 horas. As inscrições para novos  pacientes são abertas a cada semestre, e a média é de 650 atendimentos mensais.

"As consultas também ocorrem à noite justamente para oportunizar esse atendimento a população. Cada estagiário fica um ano com um caso, mas também fazemos atendimentos em grupo com foco nos idosos, pais e filhos", completa a coordenadora administrativa da clínica, Geana de Alencar.

Atendimento a preço popular
A Inneco é uma das clínicas da cidade que oferece atendimento social. A primeira consulta de avaliação tem preço médio de R$ 30, e as taxas das demais sessões são avaliadas de acordo com a condição sócio-econômica. Os interessados podem levar cartão de bolsa família e outros comprovantes para tentar essa assistência diferenciada.

O espaço foi criado há três anos por psicólogos que atendiam em outra clínica e possuíam pacientes com menor poder aquisitivo. "Diziam que a gente estava misturando pacientes de outra classe e isso incomodava [na outra clínica]. Então, a proposta foi inaugurar um local nosso para fazer essa piscologia para todos. Cada psicólogo reserva dois ou três horários aqui para o atendimento social de quem precisa", conta a psicóloga e sócia da Inneco, Roberta Reis.

O Instituo Raízes é outra clínica particular que faz atendimento social voltado para a população de baixa renda. Os pacientes em condição social vulnerável pagam consultas de R$ 10 a R$ 60, enquanto os pacientes com maior renda pagam sessões a partir de R$ 80.

No Instituto Sherpa, o atendimento social é realizado com alguns pacientes indicados por terceiros. "Temos parcerias informais com alguns hospitais e escolas. É muito simples, a pessoa fala que quer o atendimento a preço popular e passa por uma triagem", informa o coordenador pedagógico do local, Valdir Lima.

Serviço

CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
- Regional I
Caps Álcool e Drogas
Avenida Presidente Castelo branco, 6283 – Barra do Ceará
Caps Geral
Rua Antônio Drumond, 808 – Monte Castelo

- Regional II
Caps Geral Dr. Nilson de Moura Fé
Rua Pinto Madeira, 1550 – Aldeota
Caps Álcool e Drogas
Avenida Duque de Caxias, 1880 A – Centro

- Regional III
Caps Geral Professor Frota Pinto
Rua Francisco Pedro, 1269 – Rodolfo Teófilo
Caps Álcool e Drogas
Rua Frei Marcelino, 1191 – Rodolfo Teófilo
Caps Infantil Estudante Nogueira Jucá
Rua Cruz Saldanha, 485 – Parquelândia

- Regional IV
Caps Álcool e Drogas Alto da Coruja
Rua Betel, 1826 – Itaperi
Caps Geral
Avenida Borges de Melo, 201 – Jardim América
Caps Infantil Maria Ileuda Verçosa
Rua Jaime Benévolo, 1644 – Bairro de Fátima

- Regional V
Caps Geral Bom Jardim
Rua Bom Jesus, 940 – Bom jardim
Caps Álcool e Drogas
Rua Antônio Nery, s/n – Granja Portugal

- Regional VI
Caps Álcool e drogas Casa da Liberdade
Rua Salvador Correia de Sá, 1296 – Sapiranga
Caps Geral
Rua Manoel Castelo Branco, 200 – Messejana

Clínica Arcádia
Endereço: Rua Martinho Rodrigues, 191, bairro de Fátima
Telefone: 30345508

Instituto Raízes

Endereço: Rua Adolfo Moreira de carvalho, 86, Edson Queiroz.
Telefone: 34592477

Instituto Sherpa
Endereços: Av. Viena Weyne, 1167 - Lago Jacarey; Av. Antônio Sales, 1885, sala 203, Joaquim Távora.
Telefone: 3271-0564

Clínica Escola de Psicologia da UFC
Endereço: Rua Waldery Uchôa, 3, no bairro Benfica
Telefone: (85) 3366-7690

Clínica Escola de Psicologia da Unifor – Nami
Endereço:Av. Dr. Valmir Ponte
Telefone: 3477-3611

Clínica Escola Maurício de Nassau
Telefone: 3101-7720

Clínica Escola Fanor
Endereço: Av. Santos Dumont, 7800
Telefone: 3052-4865

Clínica Escola de Psicologia do Centro Universitário Estácio do Ceará
Telefone 3271-1992

Clínica Escola da Uece
Endereço : Av. Dr. Silas Munguba, 1700 – Campus Itapery (ao lado do bloco P)
Telefone: 3101-9981

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Lira diz que Miranda terá que responder por acusações no Conselho de Ética

POLÍTICA
22:26 | Ago. 03, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse que o deputado Luís Miranda (DEM-DF) terá que responder no Conselho de Ética da Casa sobre as acusações que fez em depoimento à Polícia Federal. Miranda disse que Lira teria ameaçado pedir a demissão do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello caso ele não liberasse verbas provenientes de emendas a parlamentares - o "pixulé". A PF abriu inquérito para investigar se o presidente Jair Bolsonaro prevaricou ao não pedir uma investigação sobre o suposto esquema de corrupção envolvendo a compra da vacina Covaxin, revelado por Miranda e seu irmão, o servidor Luis Ricardo Miranda.
"A respeito das declarações dadas pelo deputado Luís Miranda , as mesmas devem ser respondidas pelo ex-ministro Eduardo Pazuello. Sobre as demais informações propagadas, o deputado deverá responder no foro adequado, que é o Conselho de Ética da Câmara dos Deputados", disse Lira, em nota divulgada à imprensa.
Em julho, o Conselho de Ética abriu processo contra Miranda a pedido do PTB, partido aliado a Bolsonaro. "O Excelentíssimo deputado Federal Luis Miranda aliou-se a pessoas e utilizou-se da periclitante circunstância da pandemia mundial da covid-19 a fim de criar uma narrativa com o único objetivo de prejudicar o presidente da República", informou o partido na representação.
O deputado e seu irmão, o servidor público Luís Ricardo Fernandes Miranda, disseram à CPI da Covid que relataram a Bolsonaro, na reunião ocorrida no Palácio da Alvorada, em 20 de março, cobrança de propina e outras irregularidades na compra da Covaxin, produzida pelo laboratório indiano Bharat Biotech. Há fotos publicadas nas redes sociais que comprovam que eles estiveram juntos nesse dia.
No depoimento, o deputado afirmou que Bolsonaro atribuiu os problemas a "mais um rolo" de Ricardo Barros (PP-PR), líder do seu governo na Câmara.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Olimpianos

22:26 | Ago. 03, 2021
Autor Henrique Araújo
Foto do autor
Henrique Araújo Autor
Ver perfil do autor
Tipo Crônica

Confesso que vi pouco dos Jogos Olímpicos, mas, desse pouco que vi, algo chamou a atenção: nossa tara por essas histórias sofridas, de quase fracasso que, na reta final, se convertem miraculosamente em vitórias, algo que parece confirmar um destino mágico que contraria o script de insucesso típico do ser-se brasileiro ontem e hoje.

Um pensamento transcendente guia o torcedor nacional: o de que, na hora H, a despeito de todas as dificuldades e barreiras, algo nos fará chegar ali por esforço próprio, mas também porque a gente já apanhou tanto que seria mais do que justo ganhar uma medalha.

Como se as vitórias por si não fossem tão interessantes. Sabe como é: treinar em piscina e não em açude, ganhar uma prancha de verdade e ter um patrocinador e não precisar pegar as primeiras ondas empoleirado numa tampa improvisada, ter alimentação adequada no período da preparação e todas essas coisas que pavimentam uma carreira olímpica.

Afinal, foi assim que começou a vida do nosso medalhista Italo Ferreira, uma história que dá um filme. Porque as coisas para o esportista brasileiro têm que ser sempre desse jeito, dar um filme. O atleta não pode simplesmente ter condições de treinar, como talvez façam os maiores atletas vencedores dos jogos, nascidos em qualquer lugar.

É como se, pra nós, por trás de cada medalha tem de haver também um subenredo cheio de reviravoltas, uma trajetória pronta para virar o novo "Dois filhos de Francisco". A gente não se pergunta por que temos que torcer para que um talento bruto se imponha por sua força de vontade, contrariando as dezenas e dezenas de enredos que ficaram pelo caminho.

Imagina se a maior parte desses meninos e meninas esmorecesse ante essa dificuldade material que leva qualquer um a pensar duas vezes se embarca realmente nessa aventura, sem qualquer garantia de que sequer vai conseguir competir em igualdade.

Acho que, no fundo, a gente não gosta de vencedores, daquilo que deve formar uma cultura esportiva sólida, independentemente do quadro de medalhas: investimento, valorização da infância e da educação, da segurança alimentar etc.

A gente não gosta da regra. A gente gosta da exceção.

A gente gosta de histórias de superação. Queremos uma novela todo dia. Atletas com obstáculos quase intransponíveis que, desvencilhando-se de tudo, conseguem triunfar. Vale para os esportes, mas vale também para os estudos.

As histórias que comovem a audiência não são as da precariedade estrutural de tantos desses atletas, mas as de quem, não tendo nada, deles não se esperando qualquer coisa, foram lá e fizeram o que ninguém jamais imaginou que conseguiriam.

Caramba, é uma menina nordestina, um cara do Maranhão, uma atleta do Ceará, uma garota do interior de São Paulo ou de Minas criada pelos avós. É o espanto que vale, não a previsibilidade do projeto e uma expectativa calcada no planejamento.

A gente curte a surpresa e o gozo da vitória fora de série. E se as chances são parcas e os oponentes superiores e mais capacitados, melhor ainda. É um Davi contra Golias, mas que importa: se há uma possibilidade, vamos torcer. A desigualdade é apenas mais um elemento.

Passada a Olimpíada, a gente deixa pra lá, e cada atleta volta a ter que se virar sozinho pra treinar, bancar a rotina, pagar as contas. Daqui a quatro anos a gente se encontra em Paris.

Leia também | Confira mais crônicas de Henrique Araújo, exclusivas para leitores do Vida&Arte

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Fluminense vence Cerro Porteño e está nas quartas da Libertadores

Esportes
22:16 | Ago. 03, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Fluminense garantiu a classificação para as quartas de final da Copa Libertadores após derrotar o Cerro Porteño (Paraguai) por 1 a 0, na noite desta terça-feira (3) no estádio do Maracanã, na partida de volta das oitavas de final da competição.

Criança de 4 anos é resgatada em Camocim e devolvida para sua família

Camocim
22:11 | Ago. 03, 2021
Autor Leonardo Maia
Foto do autor
Leonardo Maia Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

Uma criança de quatro anos, que estava perdida, foi encontrada na praia de Camocim, no Litoral Oeste do Ceará, e devolvida para sua família. Conforme a Polícia Militar (PMCE), a menina estava com a mãe em um passeio turístico em caravana pelo litoral e se desprendeu do grupo. O caso aconteceu na manhã do último domingo, 1º.

Os agentes foram chamados para atender à ocorrência por volta das 10 horas e se dirigiram ao local para encontrar a criança. Ela disse aos profissionais o nome da sua mãe e que vinham em passeio em grupo de Ipu, localizado a cerca de 200 km de Camocim. Com a informação, os policiais tiraram uma foto da criança e iniciaram as buscas para achar sua mãe.

Na ocasião, algumas pessoas reconheceram a menina e falaram que sua mãe estava a procurando. “Os militares localizaram a genitora, que já estava bastante nervosa, e promoveram o reencontro da mãe com a filha, que retomaram felizes e aliviadas ao passeio”, narrou o órgão por meio de nota.

A PMCE orienta que os pais e responsáveis redobre a atenção em locais de fácil dispersão, em especial as praias. Em caso de emergências, é possível buscar a corporação, a qualquer momento, pelo telefone 190 ou pedir auxílio a um policial em patrulhamento na área.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Ceará soma 23.566 mortes e mais de 920 mil casos por Covid=19

Números da pandemia
22:04 | Ago. 03, 2021
Autor Redação O POVO
Foto do autor
Redação O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Ceará registrou 752 novos casos de Covid-19 e 38 mortes nas últimas 24 horas. A quantidade de casos foi de 919.544, nessa segunda-feira, 2, para 920.296 nesta terça-feira, 3. O acumulado de óbitos no sistema foi de 23.528 para 23.566 no mesmo período. Os dados são do IntegraSUS, plataforma de transparência atualizada pela Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa), consolidados às 17h40min desta terça-feira.

Ainda de acordo com a plataforma, nenhuma morte confirmada por Covid-19 aconteceu nas últimas 24 horas. Devido ao atraso que ocorre para que mortes mais recentes entrem no sistema, vítimas da Covid-19 que faleceram no mesmo período podem ser registradas posteriormente.

No Estado, há atualmente, 644.283 pessoas recuperadas da doença e 45.485 com suspeita de infecção. A taxa de letalidade — proporção de mortes entre os casos confirmados — é de 2,6%. Foram realizados 2.516.688 exames para detecção do coronavírus no Ceará até o momento.

Covid-19: números do Ceará

920.296 casos confirmados
23.566 óbitos
2,6% de taxa de letalidade
2.516.688 exames
644.283 pessoas recuperadas
Nenhum óbito confirmados nas últimas 24 horas

Taxa de letalidade

Há uma diferença entre taxa de mortalidade e de letalidade de uma doença. A taxa de mortalidade se refere à quantidade de pessoas que morreram por uma doença em relação à população total de um lugar — seja uma cidade, estado, país, ou até mesmo o mundo inteiro. Já a taxa de letalidade se refere à quantidade de pessoas que morreram por uma doença em relação à quantidade de infectados por ela.

Campanha de vacinação

Na campanha de vacinação contra a Covid-19 no Estado, todos os municípios cearenses já começaram a vacinar a população em geral. A nova etapa da campanha acontece de forma escalonada por ordem decrescente de idade, a partir dos 59 anos. Para receber a vacina, as pessoas devem estar devidamente cadastradas na plataforma Saúde Digital, da Sesa.

Além do público em geral, as pessoas incluídas nos grupos prioritários das fases 1, 2, 3 e 4, do PNI, estão recebendo os imunizantes contra o coronavírus em paralelo. Dentre as categorias, estão: trabalhadores da saúde, idosos, indígenas, quilombolas, pessoas com comorbidades, grávidas, puérperas, pessoas portadoras de deficiência, moradores de rua, trabalhadores da educação, profissionais do transporte coletivo rodoviário, metroviário, aéreo, aquaviário, portuários entre outros.

Evolução do coronavírus no Ceará

Casos de coronavírus no Ceará em 2 de julho (02/8)

Casos de coronavírus no Ceará em 31 de julho (31/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 30 de julho (30/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 29 de julho (29/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 28 de julho (28/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 27 de julho (27/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 26 de julho (26/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 24 de julho (24/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 23 de julho (23/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 22 de julho (22/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 21 de julho (21/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 20 de julho (20/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 18 de julho (18/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 17 de julho (17/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 16 de julho (16/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 15 de julho (15/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 14 de julho (14/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 11 de julho (11/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 10 de julho (10/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 9 de julho (9/7)

Casos de coronavírus no Ceará em 8 de julho (8/07)

Casos de coronavírus no Ceará em 7 de julho (7/07)

Casos de coronavírus no Ceará em 6 de julho (6/07)

Casos de coronavírus no Ceará em 5 de julho (5/07)

Casos de coronavírus no Ceará em 4 de julho (4/07)

Casos de coronavírus no Ceará em 3 de julho (3/07)

Casos de coronavírus no Ceará em 2 de julho (2/07)

Casos de coronavírus no Ceará em 1 de julho (1º/07)

Casos de coronavírus no Ceará em 30 de junho (30/06)

Casos de coronavírus no Ceará em 28 de junho (28/06)

Casos de coronavírus no Ceará em 27 de junho (27/06)

Casos de coronavírus no Ceará em 26 de junho (26/06)

Casos de coronavírus no Ceará em 25 de junho (25/06)

Casos de coronavírus no Ceará em 24 de junho (24/06)

Casos de coronavírus no Ceará em 23 de junho (23/06)

Casos de coronavírus no Ceará em 22 de junho (22/06)

Casos de coronavírus no Ceará em 21 de junho (21/06)

Casos de coronavírus no Ceará em 20 de junho (20/06)

Casos de coronavírus no Ceará em 19 de junho (19/06)

Casos de coronavírus no Ceará em 18 de junho (18/06)

<

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags