PUBLICIDADE
Notícias

"Close": documentário apresenta histórias de transexuais femininas no sistema prisional cearense

Filme traz relatos dos desafios e conquistas das transexuais agora recolhidas em unidade voltada para presos GBT. A ideia é chamar atenção para a vulnerabilidade dessas pessoas dentro do sistema penitenciário

15:24 | 20/01/2017
NULL
NULL

[FOTO1] 

A jornalista e cineasta Rosane Gurgel lança, no próximo dia 30, o documentário "Close", no Cinema do Dragão do Mar- Fundação Joaquim Nabuco. O filme traz histórias de quatro transexuais femininas reclusas no sistema prisional cearense. A ideia é dialogar sobre a vulnerabilidade dos presos GBT (gays, bissexuais e transexuais).

O curta foi gravado quando as personagens, Jéssica, Suyanne, Bruna e Nathália, já haviam sido transferidas para a Unidade Prisional Irmã Imelda Lima Pontes, localizada em Aquiraz. A ideia para o projeto surgiu antes, quando Rosane conheceu as detentas na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor José Jucá Neto (CPPL III), em Itaitinga.

"Fui fazer um artigo da minha pós-graduação sobre fanzine, e na CPPL III tinha uma assistente com um projeto desse. Nessas histórias, elas falavam sobre os preconceitos que haviam sofrido dentro e fora da prisão, era um desabafo", conta a jornalista. Entre as agressões vividas, está o relato de uma transexual que teve o cabelo raspado.

"Aquilo fez com que ela não se sentisse mais feminina. O novo acolhimento [voltados a presos GBT] foi uma conquista, pois elas puderam usar as roupas que queriam e deixar os cabelos longos", avalia Rosane.

A exibição de "Close" terá um debate com a diretora do filme, o advogado e ex-secretário da Justiça e Cidadania do Ceará (Sejus), Hélio Leitão, o presidente da Associação Cearense de Críticos de Cinema (Aceccine), Diego Benevides, e a coordenadora política do Grupo de Resistência Asa Branca (GRAB) e graduanda em Comunicação Social, Dediane Souza.

“A gente precisa falar sobre isso, da militância LGBT dentro das unidades prisionais, por essas pessoas serem as mais vulneráveis. Acho que precisa ter uma atenção a mais, com uma unidade específica”, continua Rosane.

Além dos relatos de homofobia, o filme traz momentos agradáveis do cotidiano das personagens dentro do cárcere. "Essas pessoas são as mais vulneráveis quando há rebeliões, por exemplo", completa a jornalista.

SERVIÇO
Lançamento do documentário “Close”
Data: 30 de janeiro de 2017
Horário: 18 horas
Local: Cinema do Dragão do Mar - sala 01
Entrada franca

TAGS