PUBLICIDADE
Notícias

Waldonys, Lorena Nunes e mais seis artistas cearenses fazem show contra aids

Com ingressos a R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia), mais um quilo de alimento, bilheteria será revertida para a Casa de Retaguarda Clínica, que cuida de pessoas que vivem ou convivem com o HIV

15:50 | 06/12/2016
Montagem de fotos dos cantores Waldonys, Filipe Cazaux e Lorena Nunes
Montagem de fotos dos cantores Waldonys, Filipe Cazaux e Lorena Nunes
[FOTO1]Oito artistas cearense se reúnem no próximo dia 15, no Anfiteatro do Dragão do Mar, para o Show Massa & Positivo. Evento beneficente terá Waldonys, Chico Pessoa, Davi Ávila, Di Ferreira, Filipe Cazaux, Lorena Nunes, Camila Marieta e Nayra Costa se apresentando a partir das 20 horas. Com bilheteria totalmente revertida para a Casa de Retaguarda Clínica (CRC), show marca mês de ações de combate à Aids. Ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia) %2b 1kg de alimento.
 
O cantor, compositor e arcodeonista Waldonys defende que a importância de realizar eventos como o Show Massa & Positivo é a maior possível. "Tem uma frase, do meu saudoso avô, que ficou tatuada no meu cérebro. Ele dizia: 'meu filho, quem não vive para servir, não serve para viver'", lembra. "Para quê estamos aqui se não para ajudar uns aos outros?" O artista reitera que outras entidades precisam de ajuda durante o ano, a exemplo da Associação Peter Pan e da Casa do Menino Jesus, que assistem a crianças com câncer. "Poder colaborar por meio da arte é fantástico".
 
No repertório, sucessos que fazem parte da história do artista, além de algumas novidades. "O grande lance é que eu tenho um pé muito forte fincado no trabalho de Luiz Gonzaga, Dominguinhos. Eles foram a minha grande cartilha e meus padrinhos", diz. "Eu tenho a minha maneira de preparar, mas não perco a minha referência". 
 
[VIDEO2] 
Dona do álbum 'Ouvi dizer que lá faz sol', lançado em 2014, Lorena Nunes afirma que o show, além de um momento de confraternização, evidencia o trabalho "forte e bonito" realizado pela Associação de Voluntários do Hospital São José. "É um trabalho que acontece durante todo o ano, não só em dezembro. E é importante que mais pessoas se interessem em ajudar", diz. A CRC trabalha a divulgação dos cuidados em todas as etapas, desde a prevenção até o auxílio no dia a dia de quem vive e convive com o HIV. 
 
[VIDEO1] 
Parte da Associação de Voluntários do Hospital São José, a Casa de Retaguarda Clínica localizada no bairro Parquelândia, acolhe, por mês, cerca de 35 pessoas que fazem o tratamento contra a doença e estão em situação de vulnerabilidade socioeconômica. Em atividade há 23 anos, a Associação trabalha na CRC desde 2004, quando o projeto foi contemplado internacionalmente pela Fundação Bill & Melinda Gates. 
 
A Casa funciona com ajuda de doações, mas vem enfrentando dificuldades para se manter. Neste ano, foi encerrada ajuda de custa que a instituição recebia da Prefeitura de Fortaleza. A direção da CRC aguarda a liberação de um novo projeto de ajuda pelo Município. No início deste ano, a Casa parou de funcionar durante a noite e aos fins de semana. Os funcionários precisaram ser demitidos e hoje a instituição conta com voluntários. Há dois meses, o funcionamento durante a noite foi reaberto.
 
Coordenadora do abrigo, Regina Célis diz que muitas das pessoas que estão nessa situação se encontram sozinhas, sem familiares ou amigos para dividir seu estado emocional. "Ajudamos com cuidados como banho, medicação e conversas. Não interferimos na parte operacional do hospital, somos como alguém da família", comenta a coordenadora. 
 
Além do abrigo, a Associação de Voluntários realiza dois outros trabalhos intitulados Girassol e Vagalume. No primeiro, os voluntários são capacitados para fazer plantão em hospitais uma vez por semana ou a cada 15 dias, dependendo do horário. Nas unidades hospitalares, os cuidados não se limitam aos portadores do vírus HIV, mas a todos os pacientes do local. A ideia, conta Regina, é evitar o pré-conceito. O projeto Vagalume, por outro lado, é apenas educativo. Consiste em palestras de prevenção à doença, realizadas em escolas e repartições.

"Queremos levar à sociedade que o vírus não é adquirido só por pessoas que estejam à margem da sociedade. São nossos filhos, nossos netos, parentes próximos", explica. "As pessoas ainda estão com esse pensamento antigo e, por isso, não preparam seus filhos para essa situação". 
 
Como ajudar 
  
A Casa de Retaguarda Clínica recebe doações de alimentos, materiais de higiene e limpeza. Interessados em ajudar podem entrar em contato pelo telefone (85) 9-9623-0642. Quem preferir pode ir até à CRC, localizada na rua Padre Guerra, nº 2010, no bairro Parquelândia.
 
O prédio conta com cinco quartos, 12 leitos, quatro banheiros e uma minibiblioteca. Muitos pacientes passam o período de 10 dias no local, enquanto outros vão para se alimentar, tomar banho ou pernoitar.
 
Calendário de combate à Aids 
 
Seguindo critérios da Organizaçao das Nações Unidas (ONU), o Dia Mundial de Luta Contra a Aids é lembrado no dia 1º de dezembro. A data foi definida pela Assembléia Mundial de Saúde em outubro 1987. O calendário brasileiro adotou a data apenas no ano seguinte por meio de uma portaria assinada pelo Ministério da Saúde.
 
Serviço
 
Show Massa & Positivo 
Dia 15 de dezembro, quinta-feira, a partir das 20 horas
Local: Anfiteatro do Dragão do Mar
Ingresso: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia) 1kg de alimento
TAGS