PUBLICIDADE
Notícias

Preso em Brasília advogado condenado pela morte de bailarina cearense

Ele teve a sua prisão decretada no último dia 2 de agosto, condenado em segunda instância a nove anos e dois meses de reclusão, e desde então estava foragido

09:55 | 08/09/2016
NULL
NULL

[FOTO2]
Foi preso na manhã desta quinta-feira, 7, em Brasília, o advogado Wladmir Lopes de Magalhães Porto, acusado de matar a bailarina e atriz cearense Renata Maria Braga de Carvalho, conforme o Blog do Eliomar adiantou. Ele teve a sua prisão decretada no último dia 2 de agosto, condenado em segunda instância a nove anos e dois meses de reclusão, e desde então estava foragido. O crime ocorreu em 28 de dezembro de 1993, quando a vítima tinha 20 anos de idade.


A prisão foi realizada pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), por meio da Divisão de Inteligência (DIPO/PCDF), em parceria com a Polícia Civil do Ceará. Wladmir foi preso em casa, onde reside com a família, segundo a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

[FOTO1]
O advogado se encontra preso na carceragem da Polícia Civil do DF, no Departamento de Polícia Especializada, onde aguarda a transferência para o Ceará. Conforme a SSPDS, a Polícia Civil do Ceará já está em tratativas para realizar o deslocamento do acusado para o Estado, tento solicitado vaga, junto à Secretaria de Justiça do Ceará (Sejus), para concluir a transferência dele.


A Polícia Civil do Ceará informa ainda que já está em tratativas para realizar o deslocamento do acusado para o Ceará, tendo solicitado vaga, junto à Secretaria de Justiça do Ceará (Sejus), para concluir a transferência dele.


A pena de Wladmir Lopes deve ser cumprida, inicialmente, em regime fechado, conforme julgou a 1ª Câmara Criminal, no início de agosto deste ano. Em primeira instância, o advogado havia sido condenado a 12 anos e seis meses em sentença da 5ª Vara do Júri de Fortaleza, em junho de 2015.

O caso bailarina
Na madrugada de 28 de dezembro de 1993, na Beira Mar de Fortaleza, Wladmir Lopes de Magalhães Porto, na época com 24 anos, dirigia uma caminhoneta Mitsubishi Pajero e disparou contra o jipe em que estava Renata, então com 20 anos de idade. O tiro atingiu a jovem no olho, que não resistiu aos ferimentos e morreu.


O motivo foi uma discussão entre Wladmir e os ocupantes do carro em que estava a vítima. Ele estava acompanhado de irmãos e amigos, que ainda efetuaram disparos para o ar, depois do tiro que atingiu a bailarina.

[FOTO3]
Cronologia do julgamento do acusado
10/01/94
Wladmir é transferido da carceragem do 2º DP para o Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira (IPPO).


27/01/94
Por decisão judicial, é feita a reconstituição do crime sem a presença do acusado.


30/08/94
Wladmir foi solto por decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará.


18/02/97
1º Julgamento
Wladmir foi condenado a sete anos de prisão por homicídio simples (pena de 6 a 20 anos). Após a decisão do juiz, a defesa entrou com recurso para anular o julgamento e ele permaneceu solto.


14/03/97
O Tribunal de Justiça decidiu anular o julgamento de Wladmir. O julgamento foi anulado pelo STF por entender que o juiz Jucid do Peixoto Amaral, que presidiu o julgamento de fevereiro, deixou de aplicar um quesito obrigatório da defesa.


À época, a família e advogados de Renata comemoraram a anulação, pois acreditavam, que com o novo julgamento, Wladmir fosse condenado por homicídio qualificado no qual a pena era de até 30 anos- pena superior ao julgamento passado, ao qual foi a maior pena seria de até 20 anos.


06/02/2001
A acusação entra com pedido de mandado de segurança e pede a condenação por homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e surpresa. Porém, o pedido foi rejeitado por unanimidade pelos desembargadores da 1º Câmara do Tribunal de Justiça.


20/6/2008
No 2º julgamento, Wladmir é absolvido. Decisão é contestada pela família da vítima.


02/6/15
No 3º julgamento, Wladmir é condenado a 12 anos e seis meses de prisão. Defesa recorre e Wladmir aguarda decisão em liberdade.


02/08/16
No 4º julgamento, Wladmir é condenado a nove anos e dois meses de prisão.

TAGS