PUBLICIDADE
Notícias

Hospital Universitário realiza primeira cirurgia cardíaca por vídeo

O procedimento contou com 11 profissionais. Paciente recebeu alta em 4 dias

20:48 | 08/08/2016
NULL
NULL
Acometida por uma disfunção congênita no coração, Maria Helena Costa Braga, 21, foi a primeira paciente a realizar uma cirurgia por vídeo no Hospital Universitário Walter Cantídio, do complexo hospitalar da Universidade Federal do Ceará (HUWC). O procedimento ocorreu em julho deste ano em razão de um doença chamada comunicação interatrial (CIA), uma abertura na parede muscular que permite a passagem do sangue do átrio esquerdo (cavidade do coração) para o direito. Ela já recebeu alta e passa bem.
 
Tradicionalmente, a cirurgia cardíaca é realizada por meio de uma grande incisão, de 20 cm a 30 cm de comprimento, dividindo completamente o osso do peito, o esterno, para uma ampla visão por parte do cirurgião. No procedimento por vídeo, a cirurgia passa a ser realizada pelo lado direito, no espaço natural que existe entre as costelas, com incisão de aproximadamente 4 cm a 5 cm e auxílio de uma microcâmera de alta definição.
 
Maria Helena afirmou que teve medo em princípio, mas conta que quase não há marcas da cirurgia e considera a recuperação mais rápida. Enquanto uma cirurgia cardíaca tradicional pede um período de internação de 30 dias, no procedimento minimamente invasivo realizado em Maria Helena, a alta hospitalar veio na manhã do quarto dia após a videocirurgia. 
[SAIBAMAIS2]
Josué de Castro, cirurgião cardíaco do Hospital Universitário e responsável médico pela intervenção, explica que cirurgias minimamente invasivas como essa feita no HU são fundamentais para reduzir o impacto do procedimento na qualidade de vida do paciente.
 
Para a videocirurgia da jovem, estiveram envolvidos 11 profissionais, como cirurgiões, anestesiologistas, cardiologistas, enfermeiros e técnicos de enfermagem. De acordo com o médico há planos de realização de novos procedimentos e implantação de um centro de cirurgia cardíaca minimamente invasiva no HUWC. 
 
TAGS