PUBLICIDADE
Notícias

Cartazes fazem alerta de insegurança em delegacias de Fortaleza e RMF

Alertas foram fixados pelo Sinpol devido às fugas e superlotação das unidades. No 2º DP, pelo menos oito cartazes estão fixados nos arredores da delegacia

21:28 | 03/07/2016
NULL
NULL

O Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Ceará (Sinpol) fixou cartazes com alertas de insegurança nas paredes do 2º, 34º, 7º, 30º distritos policiais e na Delegacia de Maracanaú. Os avisos deixam algumas pessoas temerosas e dizem: “Cuidado. Área Perigosa. Fuga de Presos”.

“Queremos alertar à população que temos delegacias que são verdadeiras bombas relógios. Tem 43 presos onde não cabem nem 10”, diz a vice-presidente da entidade, Ana Paula Cavalcante.

No 2º DP, na rua Costa Barros, pelo menos oito cartazes estão fixados nos arredores da delegacia. A última fuga no distrito foi em outubro de 2015, quando 10 detentos escaparam. Apesar disso, a inscrição deixa a técnica de enfermagem Natália Girão, 45, que mora no Mucuripe, ainda mais temerosa. “A gente sempre anda com aflição. Quando vê escrito isso, o medo aumenta”, diz.

Em nota, a assessoria de imprensa da Polícia Civil afirmou que reconhece o problema gerado pelo elevado número de presos e diz que busca meios para minimizar o problema.

Na madrugada do último sábado, 2, 14 detentos conseguiram escapar do 3º Distrito Policial, na avenida Bezerra de Menezes. Na última segunda-feira, 27, 12 presos fugiram do 20º Distrito Policial, em Maracanaú.

No sábado passado, foram cinco detentos que escaparam do 8º Distrito Policial, no José Walter, após serrarem as grades da unidade.


Veja a nota da SSPDS, na íntegra:

''A Polícia Civil do Estado do Ceará informa que ações estão sendo desenvolvidas visando a diminuição da população carcerária nas delegacias. Para traçar estratégias e desenvolver um trabalho nesse sentido, reuniões são realizadas na Chefia do gabinete do governador com representantes das Secretarias de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus) e representantes do Poder Judiciário e Ministério Público.

A Polícia Civil reconhece o problema gerado pelo elevado número de presos, principalmente nas Delegacias de Polícia da capital e Região Metropolitana, buscando meios de tentar minorar o problema.

Com o advento da nova legislação de Serviço Extraordinário, recentemente sancionada, foram reforçadas as permanências afim de tentar evitar fugas e fornecer uma maior segurança''.

Redação O POVO Online com
informações da repórter Angélica Feitosa
TAGS