PUBLICIDADE
Notícias

Moradores da Sapiranga criam "lixeira ecológica" para Pré-Carnaval

A Associação dos Moradores da Sapiranga (Amores) desenvolveu a lixeira ecológica

22:05 | 02/02/2016
NULL
NULL

Após as festas de Pré-Carnaval na Cidade, é comum vermos amontoados de lixo espalhado pelas ruas. Com o objetivo de mudar essa realidade, a Associação dos Moradores da Sapiranga (Amores) desenvolveu a “lixeira ecológica”, produto feito com garrafão de água mineral, que pode reter até 20 litros de lixos.

Elas foram instaladas em uma das praças da comunidade no sábado,30, de Pré-Carnaval. A iniciativa surgiu depois que o líder comunitário Wander Alencar visitou o Canindezinho e conheceu o projeto “galão de óleo”, que a comunidade utilizava para destinação de lixo.

Com galões de água doados e sacos de plásticos, as “lixeiras ecológicas” foram construídas pelos membros da Amores. As primeiras edições do projeto foram implantadas em uma das praças da Sapiranga. “Se for uma coisa bacana, eles (os moradores) aderem fácil”, disse Wander.

O que chama atenção é o baixo custo da produção das lixeiras. “O custo de uma lixeira desta para gente é R$ 1,50. A diferença da lixeira é que seu custo é muito baixo”, contou. Inicialmente instalada em uma das praças da comunidade, a associação ainda prevê a instalação das “lixeiras ecológicas” nos campos de futebol e de locais de grande fluxo de pessoas, como parada de ônibus. As primeiras lixeiras foram “adotadas” por comerciantes que fazem a destinação dos lixos aos carros de coleta pública.

O projeto “lixeiras ecológicas”

[FOTO2] 

A lixeira deve receber a destinação de pequenas quantidades de lixo. Não é permitida a destinação de lixo caseiro no local. Hoje, a Amores não tem projeto de adequação do lixo recolhido à reciclagem, mas "pensa" em adotar a ação, assim que encontrar “alguém” que ajude a colocar o novo projeto em prática.

De início, as lixeiras foram construídas para recolher o lixo despejado nas ruas pelos foliões no Pré-Carnaval do bairro, mas servirá também para o dia-a-dia dos moradores da Sapiranga. “O objetivo é diminuir a quantidade de sujeiras na comunidade. O problema maior é a conscientização do cidadão”, opinou Wander.

O projeto, que não recebeu nenhum apoio do órgão público, é complementar aos serviços públicos de coleta de lixo. A Prefeitura de Fortaleza disponibiliza durante alguns dias da semana, o remanejo de lixos nos bairros da Capital.

TAGS