PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Padre belga é investigado por suposto abuso sexual de crianças no Ceará

Computadores e documentos foram apreendidos nesta sexta-feira, 8, em três imóveis do suspeito, em Fortaleza e Caucaia. O padre, que está solto por falta de provas, mantinha um abrigo para crianças carentes do sexo masculino

13:40 | 08/01/2016

Atualizada às 15 horas

O Ministério Público Federal no Ceará (MPF/CE) investiga, com o Tribunal de Primeira Instância de Bruxelas (Bélgica), supostos abusos sexuais cometidos por um padre belga contra crianças do Ceará e do país europeu. Computadores e documentos relativos a doações de imóveis para testemunhas do caso foram apreendidos nesta sexta-feira, 8, em três endereços do suspeito, em Fortaleza e Caucaia, onde ele reside atualmente.

A procuradora da República, Lívia Maria de Sousa, informou que o padre, de aproximadamente 77 anos, mora no Ceará desde 2003, mas antes disso, morou um tempo no Rio de Janeiro. O processo contra ele e outros membros da Igreja Católica foi instaurado na Bélgica em 2010, a partir de denúncias de vítimas - todas elas do sexo masculino.

Segundo o MPF, o material foi apreendido mediante mandados de busca e apreensão e será periciado pela Polícia Federal. Após a conclusão dos elementos, o resultado será encaminhado ao tribunal belga.

“Em Caucaia, ele mantinha uma casa de apoio e atendimento de crianças carentes do sexo masculino. Era um abrigo informal, que funcionou entre 2003 e 2013, sem autorização da Justiça e da Prefeitura”, explica Lívia. O abrigo foi fechado durante Comissão Parlamentar de Inquérito da Assembleia Legislativa, mas ele continua solto por falta de provas.

Em 2014, o MPF recebeu da Bélgica um acordo de cooperação internacional que facilitou a investigação.  Por enquanto, ainda não foram recebidas denúncias de vítimas cearenses, mas os relatos das vítimas da Europa indicam abuso sexual de meninos entre 9 e 11 anos.

"Várias crianças relataram estupro, crime que na Bélgica tem pena de até 15 anos de prisão e no Brasil de até 12 anos [em regime fechado]”, disse Lívia. Representantes do tribunal belga estiveram em Fortaleza no ano passado, nos dias 5 e 6 de novembro, e acompanharam depoimentos de testemunhas do caso.

"Ele já prestou depoimento com o MPF do Ceará e de Bruxelas, mas disse que não desejava falar sobre as informações da Bélgica. Sobre a prática aqui, ele defendeu que não há provas”, relata a procuradora.  O MPF tenta agora localizar as possíveis vítimas no Estado, além de pessoas que podem ter participado do caso.
[SAIBAMAIS 2] Acordo
As audiências, realizadas pelo MPF, tiveram a participação da procuradora Federal em Bruxelas Lieve Pellens, do juiz de Instrução do Tribunal em primeira instância de Bruxelas Patrick Gaudius; do Comissário de Polícia Federal Judiciária de Bruxelas Wernher Audenaert, do inspetor principal da Polícia Federal Judiciária de Bruxelas Peter Dewaele e do policial Kurt Boudry.

Serviço
Informações ou denúncias sobre o caso podem ser feitas no site do MPF  ou pelo telefone (85) 326-66700. O órgão garante o sigilo absoluto das fontes.

TAGS