PUBLICIDADE
Notícias

Número de atropelamentos nas rodovias federais cresce 36,7%

Os idosos são as principais vítimas. No balanço divulgado pela PRF, de 2012 até este ano, o número de pessoas com mais de 60 anos que sofreram atropelamento é superior às demais faixas etárias

10:19 | 22/10/2014
NULL
NULL

O número de mortes envolvendo pedestres está preocupando a Polícia Rodoviária Federal. Um estudo divulgado pelo órgão na última segunda-feira, 20, revela um aumento de 36,7% de atropelamentos, principalmente em trechos urbanos, nas BR’s 116 e 222.

A PRF afirma que há uma intensa fiscalização nos trechos, e que, apesar das passarelas e passagens com semáforos, a população ainda não aderiu ao hábito de atravessar as vias adequadamente.

Casos recentes, como o de uma mulher de 28 anos, vítima de três atropelamentos seguidos ao tentar atravessar embaixo da passarela, na BR-116, e de um homem de 83 anos que morreu ao tentar atravessar a rodovia, estando próximo da passarela, chamam atenção para o perigo.

Os idosos são as principais vítimas. No balanço divulgado pela PRF, de 2012 até este ano, o número de pessoas com mais de 60 anos que sofreram atropelamento é superior às demais faixas etárias.

Os trechos da BR-116 com maior concentração de acidentes estão entre os km 0 e 30. Já na BR-222, o alerta para maior número de casos de atropelamento é entre os km 0 e 20. De acordo com a Polícia, entre 18h e 22h cresce o registro de mortes nas rodovias, por influência da dificuldade de visibilidade dos condutores e pedestres nesse horário.

Outro fator chama atenção no estudo, as motocicletas são o segundo tipo de veículo que mais matam pedestres, ficando atrás somente dos carros. Em 2013, de janeiro a agosto, quatro mortes por atropelamento de moto foram registradas, já no mesmo período de 2014, ocorreram dez mortes. De acordo com a Polícia, um aumento de 150%.

A PRF alerta para o limite de velocidade nas rodovias, de 60 KM/h, e reforça a responsabilidade dos pedestres de utilizar as passarelas ou áreas com semáforos para atravessar as vias.

Redação O POVO Online

TAGS