PUBLICIDADE
Notícias

Acusados de roubar e matar Padre Elvis são condenados a regime fechado

Elvis Marcelino de Lima, 47, foi assassindo ao buscar o carro no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Ele teria reagido a tentativa de sequestro-relâmpago

19:43 | 21/10/2014
O Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) condenou Reris Silva dos Santos e Ednardo Alves dos Santos a 29 e 18 anos de prisão em regime inicialmente fechado, respectivamente, pelo crime de latrocínio (roubo seguido de morte) contra o padre Elvis Marcelino de Lima. O caso ocorreu no dia 13 de julho de 2013, quando o pároco reagiu a uma tentativa de sequestro-relâmpago no cruzamento das ruas José Avelino e Senador Almino, na Praia de Iracema.

A decisão da juíza Adriana Aguiar Magalhães, da 16ª Vara Criminal de Fortaleza, atende a denúncia do Ministério Público do Estado do Ceará, que havia solicitado que os acusados não fossem condenados à pena mínima. O órgão defendeu penas maiores devido à gravidade e à repercussão do crime.

Segundo a Justiça, Ednardo foi considerado semi-imputável após exame de sanidade mental, e, por isso, foi beneficiado com a redução de um terço da pena. Ele e Reris ainda devem pagar 14 e 35 dias-multa, respectivamente. A sentença divulgada nesta terça-feira, 21, também renova com urgência a captura de Reris Silva dos Santos, que está foragido da Casa de Privação Provisória de Liberdade (CPPL) II desde abril.

[SAIBAMAIS 1] Crime
O padre Elvis era diretor do Centro Educacional da Juventude Pe. João Piamarta. Na noite do crime, o sacerdote tinha ido ao Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura para assistir à apresentação de quadrilha junina de uma das entidades beneficentes com as quais trabalhava. Ao aproximar-se do carro estacionado, um Gol, os dois jovens o abordaram anunciando um assalto. O padre levou um tiro nas costas e morreu no local.

Os suspeitos abandonaram o veículo do padre nas proximidades do Banco Central, no cruzamento das avenidas Dom Manuel e Heráclito Graça, onde tomaram de assalto outro carro, um Celta. A Polícia Civil analisou imagens de câmeras de vigilância para ajudar na identificação dos autores do crime.

Redação O POVO Online
TAGS