PUBLICIDADE
Notícias

Polícia Federal deflagra operação que investiga desvio de quase R$ 7 milhões da UFC

Os grupos criminosos atuaram entre os anos de 2009 e 2012, praticando irregularidades nas contratações, licitações e na aplicação de recursos públicos

11:06 | 11/09/2014
NULL
NULL

Atualizada às 17h05min

A Polícia Federal (PF) deflagou, nesta quinta-feira, 11, operação que investiga um desvio de quase R$ 7 milhões da Universidade Federal do Ceará (UFC), em Fortaleza e Caucaia. A PF cumpriu treze mandados de busca e apreensão nos endereços dos supostos envolvidos nas irregularidades, onde foram apreendidos documentos e computadores. O objetivo da operação “Gourmet” é investigar fraudes em licitações que custaram cerca de R$ 7 milhões aos cofres públicos.

Os mandados, conforme a PF, foram expedidos pela 12ª Vara Federal de Fortaleza. Ao todo, 15 pessoas estão envolvidas na fraude, dentre servidores da universidade, sócios e proprietários das empresas que prestaram serviços à UFC. Os nomes não foram revelados pela PF.

Ainda segundo a PF, os grupos criminosos atuaram entre os anos de 2009 e 2012, praticando irregularidades nas contratações, licitações e na aplicação de recursos públicos da universidade. Dez empresas são investigadas.

[SAIBAMAIS 2] Os crimes cometidos são: dispensa indevida de licitação, formação de quadrilha ou bando, fraude em licitação, falsidade ideológica, superfaturamento, peculato e lavagem de dinheiro.

Em abril, um relatório da Auditoria Anual de Contas referente a 2012, publicado no ano passado, mostrou que licitações da universidade foram superfaturadas. Segundo a CGU, o montante foi pago irregularmente a empresas para fornecimento de refeições nos Restaurantes Universitários (RUs) e organização de eventos da universidade.

O material recolhido nesta quinta será anexado ao inquérito, conforme informações repassadas pela Polícia Federal, na superintendência Regional, no bairro de Fátima. Presidiram a coletiva o coordenador da operação e superintendente regional da PF, Renato Casarini, Wellington Santiago da Silva, delegado Regional de Combate ao Crime Organizado,  e José Herbert de Lavor Rolim, delegado de Crimes Financeiros e Desvio de Recursos Públicos.

Esclarecimento <br>Em nota, a UFC informou que não recebeu qualquer comunicado sobre as investigações conduzidas. Sobre a fraude, a UFC diz que já havia acatado todas as recomendações apresentadas pela CGU, "tendo afastado servidores, instaurado processos administrativos, suspenso contratos e retido valores objetivando a recomposição do erário".

Nome
O nome da operação faz referência ao desvio, em torno de R$ 2 milhões, destinado ao pagamento de refeições do restaurante universitário. Outras irregularidades foram constatadas na verba para a contratação de eventos e manutenção de instalações.

Redação O POVO Online com informações do repórter Thiago Paiva

TAGS