PUBLICIDADE
Notícias

Corpo do pe. Hemetério de Santiago é velado no Seminário da Prainha

Na missa de corpo presente, o arcebispo de Fortaleza, dom José Antônio Tosi, lembrou o trabalho do padre junto às pessoas pobres. Corpo foi sepultado no Cemitério Parque da Paz

17:37 | 28/07/2014
NULL
NULL

O corpo do padre Hemetério Alixandre de Santiago, 73, foi sepultado no fim da tarde desta segunda, 28, no cemitério Parque da Paz, no bairro Passaré, no fim da tarde desta segunda, 28. O padre morreu, na noite do último domingo, 27, em decorrência de um câncer.


Na tarde desta segunda, foi celebrada a missa de corpo presente na Igreja do Seminário da Prainha. Com o templo lotado, a celebração foi realizada pelo arcebispo de Fortaleza, dom José Antônio Tosi. Pessoas da comunidade, padres de toda a Capital e cerca de 10 marinheiros compareceram à missa. “Não rezamos com tristeza e desespero. Estamos com alegria e esperança na ressurreição. Ele deixa de legado a bondade. Era capaz de tirar de si para os outros. Ele tinha alegria de viver, era acolhedor e unia as pessoas em Cristo Jesus”, diz dom José Antônio Tosi.

 

Cerca de 15 pessoas da família do padre Hemetério também participaram da celebração. Cristina Santiago, prima do padre, relembrou, emocionada, o exemplo de humildade e fé que a presença do padre trazia. “Ele sempre fazia questão de estar presente em todos os eventos da família que ele podia estar. Ele batizou o meu filho quando já tinha descoberto o câncer”, lembra.

 

Causa da morte

O padre Hemetério de Santiago estava internado havia dois meses no Hospital Regional da Unimed, no bairro São João do Tauape. Ele era reitor do Seminário da Prainha, na Praia de Iracema, e capelão da reserva da Marinha. O câncer do padre começou no pescoço e, após uma metástase, se espalhou pelos pulmões.

 

Já bastante debilitado, Hemetério chegou a receber a unção dos enfermos e se confessou com o pároco da Catedral Metropolitana de Fortaleza, Clairton Alexandrino. “Ele ainda estava para pedir a cura, absolvição e a unção dos enfermos. Com muita confiança e resignação, porque ele era muito bondoso, partiu em paz”, afirma Alexandrino. 

TAGS