PUBLICIDADE
Notícias

Terminal da Parangaba é fechado por uma hora por motoristas e cobradores

A paralisação ocorreu em protesto contra um assalto que um cobrador teria sofrido nesta manhã. Sindicato dos trabalhadores alega que não tem conhecimento do crime

11:01 | 13/06/2014

Motoristas e cobradores de ônibus pararam por uma hora as atividades no Terminal da Parangaba, na manhã desta sexta-feira, 13. A paralisação ocorreu em protesto contra um assalto que um cobrador teria sofrido nesta manhã, qando teria sido lesionado na ação. O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Ceará (Sintro) alega que não tem conhecimento do assalto e que não teve participação no ato dos trabalhadores nesta manhã.

Segundo O POVO apurou, motoristas e cobradores fecharam o acesso do terminal entre as 9h30min e 10h30min, e depois liberaram a passagem dos coletivos. Não houve tumulto no local, apenas um bate-boca entre passageiros. Uma equipe do Ronda do Quarteirão fez a segurança dentro do terminal durante o protesto.

De acordo com os trabalhadores, o cobrador trabalha na empresa Vega e circula na linha Jardim Iracema. No entanto, outras informações dão conta de que ele é cobrador da linha Conjunto Esperança.

Motoristas e cobradores entrarão em greve na próxima segunda-feira, 16. Nesta tarde, está marcada audiência na sede do Ministério Público do Trabalho (MPT), às 14 horas. O procurador regional do trabalho, Francisco Gérson Marques de Lima, solicitou aos sindicatos as propostas de Convenção Coletiva de Trabalho e as atas das assembleias que autorizaram a pauta de reivindicação e demais deliberações.

Paralisações
A insegurança nos coletivos provocou diversas paralisações de motoristas e cobradores em Fortaleza, nas últimas semanas. A centelha que deu início às mobilizações foi o assassinato do motorista Francisco Erivaldo Matias Marinho, em um assalto em coletivo que fazia a linha Parque Santa Maria/Siqueira.

Campanha salarial
Em campanha salarial, o Sintro anunciou a greve após sete rodadas de negociação com o Sindiônibus. O sindicato das empresas de transportes ofereceu reajuste de 6,67%, mas a categoria dos trabalhadores não acatou proposta. O sindicato dos motoristas e cobradores reivindica, além do reajuste de 18%, cesta básica no valor de R$ 120,00 e vale-refeição de R$ 12,00. Na última proposta de reajuste do Sindiônibus, foram oferecidos R$ 85,00 para cesta básica e R$ 9,50 de vale-refeição.

Redação O POVO Online

TAGS