PUBLICIDADE
Notícias

Trabalhadores protestam na avenida Washington Soares

Manifestação provocou congestionamento nos dois sentidos da via. Operários querem reajuste salarial de 15% e cesta básica no valor de R$ 150,00

08:52 | 13/05/2014
NULL
NULL

Atualizada às 11:30

Trabalhadores da Construção Civil  protestam na avenida Washington Soares, na manhã desta terça-feira, 13. Os dois sentidos da via ficaram congestionados e uma equipe da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) controla o trânsito no local.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Civil da Região Metropolitana de Fortaleza (STICCRMF), a categoria está em campanha salarial pelo reajuste de 15%. Nas redes sociais, internautas reclamaram do engarrafamento no entorno da via:

‏@chelledio : “trabalhadores da constr. Civil fecharam a WS c Muguel Dias nos 2 sentidos. pic.twitter.com/TzinQT5z4D”
@RodrigoDLins: “Baderneiros da construção civil em frente ao iguatemi! Caos total @transitoopovo”
@furtadoeder: “Manifestação dos trabalhadores da construção civil nas imediações do Iguatemi. Tudo parado! @transitoopovo @transitoforce”

A leitora Ana Karen Carvalho registrou a caminhada de parte dos operários no cruzamento das  avenidas Engenheiro Santana Júnior com Antônio Sales:

[VIDEO1]

Uma nova assembleia está marcada para esta sexta-feira, 16 de maio, em frente ao Ministério do Trabalho e Emprego, no Centro. O presidente do STICCRMF, Laercio Claiton, afirma que a categoria nãoquer entrar em greve, mas espera por uma negociação com o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará (Sinduscon-CE).

Em nota, o Sinduscon-CE disse repudiar as paralisações ocorridas na manhã desta terça-feira, 13, “pois o movimento ocorre de forma ilegal, uma vez que a greve não foi decretada oficialmente”. Ainda segundo o sindicato, as empresas da construção civil apresentaram propostas, com reajuste no piso de 6%, além de outros benefícios. 

Reivindicações

Laercio Claiton informou que categoria reivindica ainda cesta básica no valor de R$ 150,00, plano de saúde para os operários, 5% de mulheres nos canteiros de obras, hora-extra de 100% no trabalho aos sábados, auxilio-creche, auxilio combustível e dia do trabalhador da construção civil.

 

Redação O POVO Online

TAGS