PUBLICIDADE
Notícias

Agricultores protestam na Praça da Imprensa

Dentre as reivindicações dos trabalhadores estão a reforma agrária, fortalecimento da agricultura familiar e salário rural. Ato ocorre em todo o País, segundo a Fetraece

11:26 | 20/05/2014
NULL
NULL

Atualizada às 13h5min

Agricultores de todo o Ceará realizam uma manifestação em Fortaleza na manhã desta terça-feira, 20. Inicialmente, eles fizeram concentração na Praça do Otávio Bonfim, na Bezerra de Menezes, e agora seguem para a Praça da Imprensa, onde encerram o ato de comemoração ao ano Internacional da Agricultura Familiar. Além de reforma agrária, eles pedem salário rural e assentamento de famílias.

O ato teve início por volta da 9 horas. Da praça, eles caminharam para a sede do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (DNOCS), na avenida Duque de Caxias, passando também pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), na rua Pedro Pereira. Um trio elétrico acompanha o grupo e não há agentes da Autarquia de Trânsito, Serviços Públicos e Cidadania (AMC), conforme O POVO apurou.

Segundo a Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura no Estado do Ceará (Fetraece), está sendo celebrado o 20º Grito da Terra Brasil, mobilizações que neste ano ocorre em todo o País, e não apenas em Brasília, como nas edições anteriores.
[FOTO2]

 

 

 

 

 

 

 

Reunião com Cid Gomens
Na última segunda-feira, 19, a categoria se reuniu com o governador Cid Gomes, que liberou R$ 6,1 milhões para programas e projetos  ligados à agricultura familiar do Ceará.   Os recursos serão aplicados na construção de 200 cisternas de irrigação, em ações de regularização fundiária, assistência técnica, assentamentos estaduais, feiras de agricultura familiar, revitalização da cajacultura e contratação de pessoal para o centro de referência em saúde do Trabalhador de Limoeiro do Norte (R$ 100 mil).

Reivindicações
Ao todo, a Fetrace afirma que são mais de 300 reivindicações, que incluem, além da reforma agrária, fortalecimento da agricultura familiar, assalariamento rural, Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Planapo), e organização e enquadramento sindical.

Eles também querem o assentamento de 150 mil famílias, montante de R$ 51,4 bilhões para o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar, sendo R$ 30 bilhões para crédito de investimento, custeio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e R$ 21,4 para as demais políticas e programas.

Redação O POVO Online com
informações da repórter Thaís Brito

TAGS