PUBLICIDADE
Notícias

Pipas na rede elétrica deixaram mais de 45.000 cearenses sem energia em 2012

16:54 | 23/01/2013
NULL
NULL

Mais de 45.000 cearenses tiveram o fornecimento de energia comprometido em 2012 por conta de incidentes envolvendo pipas na rede elétrica. O dado foi constatado pelo balanço anual da Companhia Energética do Ceará divulgado nesta quarta-feira, 23.

Ao todo, foram 2.447 ocorrências do tipo que afetaram 455.605 cearenses. De acordo com levantamento da companhia, as ocorrências envolvendo arraias aumentaram 81% entre os anos de 2011 e 2012.

Ainda segundo o balanço da Coelce, a região com maior índice de incidentes com pipas é a Grande Fortaleza, mesmo com o aumento de ocorrências nas demais áreas do Estado. A Região Norte teve 692 casos, representando um aumento de 647% em relação a 2012. O período com maior frequência do problema é o mês de junho, coincidindo com as férias escolares.

Os serviços de limpeza e manutenção envolvendo pipas, de acordo com a Coelce, chegam a custar R$ 300 mil por ano. Os danos incluem defeitos ao longo dos alimentadores, contribuindo para a saída de operação dos religadores das subestações e deixando consumidores com problemas de fornecimento. A companhia ainda alerta que choques elétricos e curto-circuito são as principais conseqüências do contato da pipa (e do cerol) com a rede elétrica.

Orientação

Para uma brincadeira saudável e segura, a principal orientação da Coelce é que seja realizada em locais abertos e longe da fiação elétrica, além de ser evitada em dias de chuva. Confira outras dicas:

- Se a arraia enrolar nos fios da rede elétrica, por exemplo, nunca se deve tentar recuperá-la. Durante o resgate de uma pipa, qualquer objeto condutor de energia pode ocasionar um acidente fatal.

- O uso do cerol – mistura cortante feita com cola, vidro e restos de materiais condutores –, além de ser um risco para motociclistas e pedestres, é um dos principais causadores dos desligamentos. Isso porque ele causa o rompimento dos cabos de energia e curto-circuito.

 

Redação O POVO Online

TAGS