PUBLICIDADE
PUBLIEDITORIAL primeirainfancia

Quais as consequências do estresse para o desenvolvimento infantil?

Segundo painel do webinar "Primeira Infância em pauta: os desafios para o desenvolvimento saudável em épocas de pandemia", realizado pelo O POVO, aborda impactos emocionais da pandemia na primeira infância

23/02/2021 07:00:09
Estresse tóxico provocado pela pandemia de coronavírus aumenta a ansiedade das crianças
Estresse tóxico provocado pela pandemia de coronavírus aumenta a ansiedade das crianças

A pandemia eleva os níveis de estresse na família, mas são as crianças as que mais precisam ser protegidas neste momento. As "Múltiplas faces do estresse causado pelo isolamento e suas consequências no desenvolvimento infantil" será tema do painel apresentado pela psicóloga e professora Maria Beatriz Martins Linhares, no webinar “Primeira Infância em pauta: os desafios para o desenvolvimento saudável em épocas de pandemia”. Seminário digital realizado pelo O POVO ocorre nesta sexta-feira, 26, das 18h às 21 horas, com transmissão pelo Facebook do O POVO Online e pela plataforma Zoom.

Segundo Maria Beatriz Linhares, são três os aspectos do desenvolvimento humano das crianças na primeira infância mais prejudicados no isolamento: competência, autonomia e relacionamento. "A pandemia é sinônimo de estresse tóxico, quando tenho um estressor que me ameaça, me desorganiza, me traz uma disfunção, e eu não sei como lidar, não tenho recursos para lidar."

O estresse tóxico provocado pela pandemia de coronavírus aumenta a ansiedade e os problemas de comportamento das crianças. "A criança está sentindo, ela tem que ficar confinada, não está indo para a escola, para os espaços coletivos. Dentro de casa os pais estão ansiosos, tem muitas vezes a questão da violência doméstica, a pobreza acentuada e a perda financeira", aponta Maria Beatriz.

Apesar disso, há uma notícia boa: o cérebro da criança tem plasticidade, e, portanto, é possível reverter os impactos negativos. "Quando eu tenho a situação estressora e eu promovo proteção, estou ajudando a neutralizar esses impactos negativos para que não tenha efeitos a médio e longo prazo. Quero falar bastante sobre isso para que as pessoas possam entender como posso ajudar a estimular a competência, a autonomia e o relacionamento das crianças", acrescenta.


Como ajudar as crianças

O estresse tóxico causado pela pandemia pode provocar uma interrupção do desenvolvimento saudável do cérebro e de outros sistemas do corpo, aumentando o risco de variados quadros de adoecimento nas crianças. “Apatia, irritabilidade, alterações de humor, agitação, dificuldade de concentração, choro excessivo são sinais clássicos de quadros de estresse infantil, que podem ser agravados exponencialmente se não cuidados no tempo certo para cada criança”, alerta a psicóloga clínica, neuropsicóloga e assessora do Programa Mais Infância Ceará, Isabele Cavalcante.

Carinho, acolhimento e escuta estruturada são fundamentais para ajudar as crianças e diminuir os efeitos da ansiedade. “Por meio da ludicidade, as crianças conseguem não se envergonhar e assim se expressarem de forma positiva. Dessa forma, é o brincar um excelente recurso estratégico para lidar com assuntos difíceis, pesados e dolorosos. Atividades que promovam o contato com a natureza, assim como a distribuição de atividades dentro de casa - associando espaço, tempo, início e fim - também são estratégias importantes para diminuir o estresse das nossas crianças”, sugere Isabele.

Quando procurar ajuda profissional?

"Experiências de estresse podem ser úteis para a criança aprender a organizar seus mecanismos de superação. No entanto, algumas situações excedem a capacidade das crianças mesmo com a ajuda inicial dos pais", explica o professor de Pediatria da Faculdade de Medicina da UFC e coordenador técnico/científico do Instituto da Primeira Infância (Iprede), Álvaro Madeiro.

Fique atento para pesadelos, foco excessivo em ansiedades, aumento da agressão, comportamentos regressivos ou danos pessoais. Se as crianças mostrarem um padrão contínuo de preocupações emocionais ou comportamentais como esses exemplificados, que não se resolvam com apoio afetivo da família, pode ser necessário buscar ajuda. "As crianças precisam se sentir seguras e confiantes em relação ao presente e ao futuro", reforça o médico Álvaro, que será moderador do painel "Múltiplas faces do estresse causado pelo isolamento e suas consequências no desenvolvimento infantil".

SERVIÇO
Webinar “Primeira Infância em pauta: os desafios para o desenvolvimento saudável em épocas de pandemia”

Quando: 26/2, das 18h às 21 horas
Onde: Na plataforma Zoom; transmissão simultânea nas redes sociais do O POVO Online
Mais informações e inscrições pelo site: especiais.opovo.com.br/primeirainfancia
Gratuito