PUBLICIDADE
PUBLIEDITORIAL otoclinica

Conheça a área de pediatria do Hospital OTOclínica Sul

O Hospital OTOclínica Sul inaugura atendimento pediátrico neste mês de maio. Especialistas explicam a importância do acompanhamento pediátrico e falam sobre quais infecções mais afetam as crianças

27/05/2019 11:06:04
A partir do dia 31, o Hospital OTOclínica Sul ofertará serviços como pronto atendimento pediátrico, ambulatorial e outras subespecialidades. (Foto: Divuldação)
A partir do dia 31, o Hospital OTOclínica Sul ofertará serviços como pronto atendimento pediátrico, ambulatorial e outras subespecialidades. (Foto: Divuldação)

Pensando no bem-estar das famílias cearenses, o Hospital OTOclínica Sul, localizado na avenida Edilson Brasil Soares, 1520, está inaugurando serviços pediátricos. A partir do dia 31 de maio, estarão disponíveis todos os serviços de pronto atendimento pediátrico, ambulatorial e outras subespecialidades, como realização de exames laboratoriais e exames de imagem.

O médico pediatra, profissional com que os pais podem contar para se sentirem acolhidos em suas dúvidas e anseios desde os primeiros momentos da vida dos filhos, é um parceiro no desenvolvimento da vida da criança e do adolescente. É o que diz François Ponte, pediatra geral com subespecialidade em cuidados hospitalares em nível terciário, preceptor da residência médica de pediatria do Hospital Infantil Albert Sabin e coordenador do Pronto Atendimento pediátrico do Hospital OTOclínica Sul.

“A orientação pediátrica é importante para cuidar da saúde em todos os seus aspectos: alimentação, comportamento, doenças e, sobretudo, prevenção. Por isso, as consultas servem para identificar quais os riscos que a criança poderá ter e tratar eventuais problemas desde cedo”, comenta.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda que as consultas sejam feitas em períodos fixos e que o primeiro atendimento aconteça antes do nascimento da criança. “As próximas consultas devem acontecer na primeira semana de vida, sendo mensal até o sexto mês e trimestralmente até os dois anos. Também é importante não deixar de manter consultas de seis em seis meses, até quatro anos de idade. Depois desse período, é interessante que as consultas sejam anuais até os 19 anos”, explica o doutor François Ponte.

Priscila Macedo, endocrinologista pediatra, explica que, para um recém-nascido, o período de até 28 dias é bastante delicado. Por ter sistema imunológico imaturo, se o bebê adquirir alguma infecção, pode ser mais grave ou mais demorado que em outras faixas etárias, principalmente em prematuros [crianças que nascem antes do período previsto]. “As principais doenças que acometem o recém-nascido são: icterícia (pele e esclera amareladas); anemia; conjuntivite; taquipneia transitória do recém-nascido; displasia pulmonar (mais frequente em prematuros) e retinopatia (em prematuros).”

A médica esclarece que para as crianças maiores que estão no período lactente, entre um mês e dois anos, as doenças infectocontagiosas são mais frequentes. É um período de formação e fortalecimento imunológicos. Por esse motivo, o calendário vacinal dessa época deve ser mais rigoroso.

“Infecções de vias aéreas superiores, resfriados comuns ou otite, e vias aéreas inferiores, pneumonia ou bronquite são mais comuns. Podem ocorrer também diarreia, constipação, infecção do trato urinário, dermatites, entre outras. Nessa faixa etária, deve-se estar atento também para acidentes, em ambientes de trabalho ou domésticos, como afogamento, quedas ou choque elétrico.”

A endocrinologista afirma que crianças que estão no período pré-escolar e escolar, entre dois a dez anos, estão sujeitas a doenças infectocontagiosas. Em alguns casos, elas podem ser prevenidas por vacinas. “Alergias, dermatite atópica, asma, rinite alérgica, alergia alimentar também são diagnosticadas nessa faixa etária. Alterações de crescimento e desenvolvimento como sobrepeso, obesidade, baixo peso, além de baixa ou alta estatura, podem, ainda, ocorrer nesse período.”

Dicas para mães e pais

Para evitar contaminações no coto umbilical, o pediatra François Ponte ensina como fazer a higienização correta em recém-nascidos:

1. A limpeza deve ser feita após os banhos e as trocas de fraldas para evitar infecções;

2. Limpe o coto com hastes flexíveis ou algodão umedecido em álcool 70%, para evitar acúmulo de bactérias;

3. Tenha certeza de que o umbigo está seco, pois a umidade proporciona proliferação de bactérias;

4. Não faça curativos que deixem o coto fechado. Isto impede a respiração da área;

5. Sempre que fechar a fralda, faça isso abaixo do umbigo.

Hospital OTOclínica Sul

Onde: avenida Edilson Brasil Soares, 1520 - Edson Queiroz

Instagram: @hospital_otoclinica

Facebook: @HospitalOtoclinica

Site: www.hospitalotoclinica.com.br/

Mais informações: 3466-1133