PUBLICIDADE
PUBLIEDITORIAL GuiaDoEmpreendedor

Saiba como transformar sua ideia em modelo de negócios

Após identificar uma oportunidade de negócios, é preciso fazer um modelo para detectar se a ideia tem viabilidade para se tornar, de fato, uma empresa

30/08/2018 08:53:00
NULL
NULL

[FOTO1]
Para começar uma nova empresa é preciso, antes de qualquer coisa, identificar uma oportunidade de negócio. Quando já existe a ideia, o passo seguinte é transformá-la em um modelo de negócio. Muitas vezes confundido com plano de negócio, o modelo é uma ferramenta utilizada para planejar, visualizar as funções do negócio e suas relações a partir da descrição dos elementos e fases que o compõem. É por meio dele que o futuro empreendedor vai descobrir se a ideia é realmente viável.
 
Bruno Leitão, professor universitário, consultor de empresas do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Ceará (Sebrae/CE) e instrutor do programa Começar Bem — iniciativa do Sebrae/CE que orienta quem está iniciando um novo negócio —, sugere ao empreendedor que ainda não encontrou uma ideia procurar atividade com a qual tenha afinidade, como um hobby, ou algo ligado à profissão que exerce. “Também vale a pena pesquisar os segmentos de mercado que mais crescem, assim como os segmentos emergentes que poderão proporcionar boa lucratividade. Frequentar feiras, eventos e convenções pode, ainda, ser muito útil para quem quer empreender.”
 
Quando a ideia já existe, afirma o especialista, que o processo de transformá-la em negócios reais costuma ser a parte mais difícil na maioria dos casos. “É comum ver empreendedores com ideias muito interessantes, porém sem saber ao certo como poderão iniciar o processo de execução prática delas, e é aí que se inicia o processo de construção desse modelo de negócios”, explica.
 
Composição do modelo de negócio
Também conhecido como Canvas, o modelo de negócios foi criado pelo suíço Alexander Osterwalder e é construído a partir de quatro frentes: o que, como, para quem e quanto. Com base nessa divisão, itens que constituem a empresa devem constar no documento. “Pode-se dizer que os principais elementos que formam um modelo de negócios são os mesmos que criam valor para o cliente, entregam esse valor e capturam valor. Ou seja, é preciso elaborar algo que o cliente perceba como importante, tornar esse negócio acessível e que, com isso, o empreendedor possa monetizar e aperfeiçoar para continuar lucrando”, afirma o consultor do Sebrae/CE.
 
No tópico “o que”, a proposta de valor deve ser apresentada, ou seja, é o campo que receberá a ideia principal do negócio. Já em “para quem”, deve ser definido o público consumidor. Portanto, nesse ponto são discriminados o segmento de clientes, os canais de distribuição e a forma de relacionamento com clientes. Em “como”, devem ser apresentadas as principais parcerias, atividades e recursos. Fontes de receitas e custos devem constar em “quanto”.
 
Conforme explica Leitão, o primeiro passo é ter uma proposta de valor do negócio para um segmento de mercado específico. “O que o negócio realmente proporciona ao cliente? Qual o valor a ser percebido? Isto vai além da comercialização de produtos e serviços. É necessário que esse novo negócio ‘cure’ a dor do cliente, de forma a resolver um problema real e ainda proporcionar algum benefício”, ressalta. A partir da proposta de valor e da definição do segmento, é possível desenvolver os demais pontos-chave do negócio.
 
Perfil do empreendedor brasileiro
De acordo com Leitão, o perfil do empreendedor brasileiro tem mudado nos últimos anos, com pessoas com maior nível de conhecimento técnico sobre o mercado em que pretendem atuar. “Já tivemos, no Começar Bem, uma arquiteta que pretendia abrir uma oficina mecânica especializada no público feminino. Ao conversar com ela, constatei que ela já havia pesquisado esse mercado de forma bem aprofundada, inclusive fora do País, ou seja, tecnicamente ela estava bem informada sobre as atividades que iria executar, antes, durante e após o atendimento a essas mulheres que procurassem a oficina”, afirma.
 
Empreendedorismo em números
O relatório Empreendedorismo no Brasil - Global Entrepreneurship Monitor (GEM) 2017, realizado pelo Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP) em parceria com o Sebrae e com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), revela informações acerca dos empreendedores Brasileiros.
 
- 36,4% dos brasileiros são empreendedores, o equivalente a mais de 49 milhões de pessoas.
 
- Entre os empreendedores iniciais, 59,4% empreenderam por oportunidade e 39,9% por necessidade.
 
- Em relação ao sexo, cerca de 25 milhões de homens brasileiros são empreendedores. O número de brasileiras empreendedoras passa de 23 milhões.
 
- Em relação à idade, a maioria dos empreendedores brasileiros é de jovens entre 25 e 34 anos (14,6 milhões), seguido pelas faixas etárias de 35 a 44 anos (12,4 milhões) e 45 a 54 anos (10,3 milhões).
 
Fonte: relatório Empreendedorismo no Brasil - Global Entrepreneurship Monitor (GEM) 2017
 

TAGS