PUBLICIDADE
PUBLIEDITORIAL GuiaDoEmpreendedor

Por onde começar a vida como empreendedor

Buscar informação e capacitação, estudar o mercado e o negócio são etapas importantes antes de começar, de fato, a empreender

24/08/2018 17:11:00
NULL
NULL

[FOTO1]

O desejo de alcançar a realização profissional ou de superar os desafios do mercado de trabalho levam mais e mais pessoas a buscarem o caminho do empreendedorismo. Este é o caso de Almino Loiola. Depois de 16 anos trabalhando como colaborador em uma empresa, um projeto que já tinha há três anos saiu do papel e virou um negócio. “Trabalhava como executivo em um grupo [empresarial] aqui do Ceará e sempre percebi que a carreira dentro da empresa tem um teto, um patamar e, ao atingi-lo, não tem pra onde ir. Sempre entendi que empreender seria um caminho natural”, conta.
 
O primeiro passo foi buscar informação e identificar como poderia se capacitar para tocar o negócio. “Eu tinha essa ideia que acreditava ser interessante e tinha potencial. Fui estudando, buscando entender o segmento, o negócio e o mercado. Como optei por uma franquia por já ter um modelo consolidado, também viajei para entender mais sobre ela. Resolvi esse ano, de fato, abrir a empresa”, explica Loiola sobre o processo de implantação da Crtl%2bPlay Escola de Programação e Robótica para crianças e adolescentes, aberta em agosto de 2018.
 
Após a fase inicial de estudos, foi a hora de buscar recursos. “Montei o projeto baseado no conceito da franquia, fiz as contas para ver se o negócio era realmente viável e se eu poderia arcar com capital próprio ou precisaria de um financiamento. Com confiança de que os números fechavam, comecei o processo de implantação”, afirma.
 
Cenário no Brasil
Dados do relatório Empreendedorismo no Brasil - Global Entrepreneurship Monitor (GEM) 2017, realizado pelo Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP) em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e com a Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostram a situação no Brasil.
 
De acordo com a pesquisa, a taxa total de empreendedorismo no País em 2017 foi de 36%, o que significa que mais de 49 milhões de brasileiros de 18 a 64 anos estiveram na condução de alguma atividade empreendedora, como a criação ou aperfeiçoamento de um novo negócio ou a manutenção de um negócio já existente. O estudo mostra ainda que, dentre os empreendedores iniciais, 59,4% empreenderam por oportunidade e 39,9%, por necessidade.
 
Primeiros passos
Identificar uma oportunidade de negócio é ponto de partida. “A decisão por empreender geralmente acontece por dois motivos: por necessidade, quando uma pessoa está desempregada, por exemplo; ou por oportunidade, quando uma pessoa enxerga uma oportunidade de negócio e investe nela. Normalmente, quem empreende por oportunidade, [o negócio] se desenvolve melhor do que os que empreendem por necessidade, principalmente pela questão do planejamento”, explica o articulador do Sebrae/CE Jonny Oliveira.
 
Após identificar uma oportunidade de negócio, o futuro empreendedor deve fazer um estudo de mercado, definir um público-alvo para seu produto — determinar seu nicho por faixa etária, gênero, localização etc. — e fazer um estudo da parte financeira. “O estudo financeiro é uma parte chata, mas necessária. Levantamento de custos, mão de obra, aluguel e demais despesas. É preciso ter tudo isso na ponta do lápis para a formação do preço de venda. É uma deficiência que a gente percebe nos empreendimentos. Não ter esse controle pode ocasionar prejuízos”, afirma Oliveira. Plano de negócios e modelo de negócio também são etapas que requerem atenção.
 
Qual é a categoria da minha empresa?
Outro ponto importante para quem está iniciando no mundo do empreendedorismo é entender em qual categoria o seu negócio se encaixa. As categorias mais simples são o microempreendedor individual (MEI), a microempresa e a empresa de pequeno porte, diferenciadas de acordo com o faturamento anual. Os três tipos de empresa podem optar pelo regime tributário Simples Nacional, que permite a unificação de tributos federais, estaduais e municipais em uma única guia. 
 
O microempreendedor individual (MEI), por exemplo, tem menor burocracia para a abertura de uma empresa e pode fazer seu registro pelo site portaldoempreendedor.gov.br. Entre as condições para a categoria, está o faturamento anual máximo de R$ 81 mil, não ser sócio ou titular de outra empresa e a possibilidade de contratação de um único funcionário. Além disso, o MEI não é obrigado a contratar contador.
 
No caso das microempresas, o teto do faturamento é de R$ 360 mil por ano. Nesta categoria, é necessário ter um contador e o microempresário pode optar pelo Simples Nacional ou por outro regime tributário. Além disso, o processo de abertura é mais complicado, sendo necessário buscar a prefeitura municipal, junta comercial e providenciar licenças e alvarás.
 
Já a empresa de pequeno porte deve ter faturamento anual máximo de R$ 4,8 milhões. A categoria também deve ter um contador e pode optar pelo regime Simples Nacional, desde que sua atividade que exerce seja elegível para tal, ou por outro regime tributário. O processo de abertura também exige registro na junta comercial, na prefeitura e a providência dos documentos necessários.
 
Capacitação
Para ter mais informações e orientações, é importante pesquisar bastante e procurar instituições e cursos especializados no assunto. Um deles é o Empretec, metodologia criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) para fortalecer as habilidades do empreendedor. No Brasil, o Sebrae é a entidade chancelada para ministrá-lo, capacitando cerca de dez mil pessoas por ano.
 
“Como executivo de um grupo grande, sempre fui exposto a diferentes experiências ao longo da carreira. Isso fez com que eu acreditasse que eu já tinha bastante experiência. O Empretec me mostrou que eu ainda tinha muita coisa a aprender, que eu ainda tinha comportamentos que não eram ideais, que eu precisava me informar mais, ter maior preocupação com aspectos que talvez eu não pensava tanto antes”, afirma Almino Loiola.
 

TAGS