Participamos do
Imagem destaque

Confira hoje o caderno especial Energia Limpa sobre o potencial de energias renováveis do Ceará

Estado se destaca na produção de energia eólica e solar e se prepara para produzir e exportar hidrogênio verde. Com isso, deve entrar no ranking dos maiores produtores de energia limpa do mundo
06:00 | Mar. 31, 2021
Autor O Povo
Foto do autor
O Povo Autor
Ver perfil do autor
Tipo Publieditorial

O Ceará tem tudo o que qualquer lugar do mundo gostaria de ter em abundância para a geração de energias limpas. Há sol, vento e posição geográfica privilegiada em relação a muitos países. Com grande oferta de energias renováveis a baixo custo, como a eólica e a solar fotovoltaica, e tecnologia para produção e exportação de hidrogênio verde, o Brasil se destaca positivamente entre países que nem sempre têm disponibilidade para atender as demandas de transição energética, como o Japão, a Coreia do Sul e parte da Europa.

O Ceará já é um estado exportador de energia elétrica, lembra o coordenador do Núcleo de Energia da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), Joaquim Rolim. Em 2019, exportou 25,6% da energia elétrica gerada no Estado. “Se acrescentarmos as usinas em construção e outorgadas pela Aneel, com construção a iniciar, o Ceará terá, em um futuro próximo, 70% da sua matriz elétrica composta pelas renováveis fontes eólica e solar”, enumera ele.

A vantagem competitiva e impulsionadora de empregos e desenvolvimento socioeconômico de maneira geral será ainda maior com a instalação da usina de hidrogênio verde no Complexo do Pecém.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

No caderno especial Energia Limpa, publicado hoje no O POVO, você lê sobre o desenvolvimento da cadeira de geração de energia limpa. De como ela pode ser utilizada na sua casa ou no seu negócio e, principalmente, como adotar a geração de energia limpa contribui para a descarbonização do planeta.

O crescimento das energias renováveis significa mais demanda de empregos. Podem ser criados cerca de nove milhões de vagas de emprego por ano globalmente, segundo a Agência Internacional para as Energias Renováveis (Irena).

Caderno especial faz parte do projeto sobre energia limpa que também reúne lives e webdocs
Caderno especial faz parte do projeto sobre energia limpa que também reúne lives e webdocs (Foto: divulgação)

Enquanto o Brasil se destaca internacionalmente, o Ceará já é um dos expoentes nacionais quando se fala em exportação de energia. Segundo Duna Uribe, diretora comercial do Complexo do Pecém (CIPP S/A), as principais vantagens competitivas do Estado
estão conectadas ao Porto do Pecém, onde a usina de hidrogênio verde deve ser instalada.

Para saber mais sobre o tema, confira também cinco lives diferentes sobre o assunto.

- A relevância da geração de energia limpa para o futuro sustentável do planeta: o papel do Ceará


Entrevistados: Jurandir Picanço e Alexandre Pinto

Assista aqui

- Energia solar, capacidade instalada e potencial de crescimento no Ceará: desafios e oportunidades


Entrevistados: Joaquim Rolim e Luis Carlos Queiroz

Assista aqui

- Energia eólica, capacidade instalada e potencial de crescimento no Ceará: desafios e oportunidades


Entrevistados: Joaquim Rolim e Jonathan Colombo

Assista aqui

- Hidrogênio verde: características, benefícios e projetos bem sucedidos no mundo


Entrevistado: Fernando Ribeiro de Melo Nunes

Assista aqui

- Hub de hidrogênio verde no Ceará: vantagens competitivas e impactos socioeconômicos


Entrevistados: Constantino Frate e Sérgio Araújo

Assista aqui

Assista também as webséries:

Energia Limpa e sua relevância para o futuro sustentável do planeta

A contribuição atual das energias renováveis na matriz energética do Ceará

Hidrogênio Verde: o Ceará na vanguarda da geração de energia limpa do planeta

+

Acesse o canal digital Energia Limpa

Conteúdo de responsabilidade do anunciante
Imagem destaque
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Imagem destaque

Com instalação de hub de hidrogênio verde, Ceará abre vantagem competitiva no setor de energias renováveis

PUBLIEDITORIAL
06:00 | Mar. 25, 2021 Tipo Publieditorial

Uma das principais formas de energia renovável, a produção de hidrogênio deve transformar a vida de milhares de cearenses nos próximos anos. Essa é a expectativa do Governo do Estado, que lançou, no mês de fevereiro, o projeto de instalação de um hub de hidrogênio verde, combustível obtido por meio do processo de eletrólise sem a emissão de gases que poluem a atmosfera. O principal objetivo do hub é fortalecer a economia e o desenvolvimento social do Estado, que já é um grande exportador de energia para outros países.

Para alavancar o debate sobre o assunto na sociedade, O POVO realiza, nos dias 25 e 26 de março, a partir das 18 horas, lives com especialistas que integram o grupo de trabalho responsável por planejar a viabilidade do hub. A transmissão gratuita ocorrerá nas redes sociais do O POVO Online e é destinada a todos os interessados em compreender as principais vantagens sociais e econômicas do hub, cuja usina será construída no Complexo do Pecém e deve gerar mais de quatro mil empregos diretos.

Na live do dia 25 sobre o tema, participam Bernardo Viana, advogado especialista na área de direito regulatório e ambiental com foco em energias renováveis, e Fernando Ribeiro, diretor presidente do Parque Tecnológico da UFC.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Já no dia 26, O POVO recebe para o debate virtual Constantino Frate, consultor de Energias Renováveis da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Ceará (Sedet/CE), e Sérgio Araújo, coordenador de Atração de Empreendimentos Industriais Estruturantes na Secretaria Executiva da Indústria. Na live que encerra o projeto “Energia Limpa - O Ceará na vanguarda da geração de energias renováveis”, os palestrantes comentarão sobre o impacto socioeconômico do hidrogênio verde no Ceará.

Hidrogênio verde como potência cearense

O ecossistema de negócios, que ainda se encontra em fase de planejamento, terá investimento inicial de US$ 5,4 bilhões, através de uma parceria com a empresa australiana Energyx Energy. De acordo com Constantino Frate, após a conclusão dos estudos de viabilidade da instalação, a previsão é que o projeto se torne realidade em até quatro anos, dando início a uma produção anual de 600 milhões de quilos de hidrogênio.

“Como o Porto do Pecém já possui uma Zona de Processamento de Exportação (ZPE) implantada e tem uma forte parceria com o Porto de Roterdã, que pretende ser o maior ponto de recebimento de hidrogênio da Europa, o nosso hidrogênio terá um diferencial competitivo imenso”, explica o consultor. Segundo Braga, a linha geral de governança do porto também confere credibilidade aos investimentos aportados no local, o que, junto à tecnologia, deve “transformar a economia do Ceará”.

Mas a instalação do hub não será baseada apenas em tecnologia industrial, garante Sérgio Araújo. O Governo também pretende investir na implantação de políticas que garantam o desenvolvimento sustentável, com o objetivo de reduzir a emissão de gases poluentes nos municípios. “Nosso principal interesse é o de promover a consolidação da cadeia produtiva para a geração de energia elétrica a partir de fontes renováveis, com produção e exportação de equipamentos utilizados no setor, mas também a implantação de políticas públicas”, ressalta.

Serviço

Projeto "Energia Limpa - O Ceará na vanguarda da geração de energias renováveis"

Live “Hidrogênio verde: características, benefícios e projetos bem sucedidos no mundo”, com Bernardo Viana e Fernando Ribeiro

Quando: 25/3, às 18 horas (ao vivo)

 

Onde: Facebook e YouTube do O POVO

Mais informações: https://especiais.opovo.com.br/energialimpa

Gratuito

Conteúdo de responsabilidade do anunciante
Imagem destaque
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Imagem destaque

Energia eólica: quais os desafios e as oportunidades no Ceará?

PUBLIEDITORIAL
06:00 | Mar. 24, 2021 Tipo Publieditorial

Quando se fala em geração de energia eólica, o Ceará é destaque, com capacidade instalada de 2.273 MW* e 92 parques eólicos. A energia dos ventos é renovável, não polui, tem um bom custo-benefício e gera empregos. Os desafios e as oportunidades da geração de energia eólica no Ceará é tema de live do O POVO, nesta quarta-feira, 24, às 18h. A discussão faz parte do projeto "Energia Limpa - O Ceará na vanguarda da geração de energias renováveis". A transmissão é gratuita nas redes socais do O POVO Online.

Joaquim Rolim, coordenador do Núcleo de Energia da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), e Jonathan Colombo, Gerente de Relações Institucionais, Marketing e Comunicação para América Latina da Vestas, participam da live "Energia Eólica, capacidade instalada e potencial de crescimento para o Ceará". A mediação será feita pela Adailma Mendes.

Segundo Rolim, há cada vez maior adesão a nível mundial de energias limpas, principalmente eólica e solar. "As energias renováveis passam a ter papel cada vez mais relevante, aliado ao fato de já serem as fontes de menor custo para geração de energia", aponta ele.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O coordenador de Energia cita os dados do novo Atlas Eólico e Solar do Ceará, desenvolvido pela Fiec, em parceria com Adece e Sebrae: "As torres eólicas passaram de uma altura de 50 metros em 2000 para 150 metros atualmente. Também surgiu a possibilidade de gerar energia eólica no mar. Os novos potenciais identificados são de 94.300 MW para geração eólica em terra, de 117.000 MW no mar e de 643.000 MW para geração solar fotovoltaica. São potenciais expressivos, que poderiam suprir mais de duas vezes toda a energia elétrica atualmente consumida pelo Brasil.”

Por enquanto, a energia eólica é a segunda fonte de geração de energia elétrica no Brasil, atrás apenas da hidrelétrica. "Em dias de recorde, já chegou a atender até 17% do País durante todo o dia. É uma trajetória virtuosa de crescimento sustentável no Brasil, compatível com o desenvolvimento de uma indústria que foi criada praticamente do zero no País", afirma a presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), Elbia Gannoum.

Empregos e desenvolvimento regional

Os empregos gerados com a energia eólica vão desde a fábrica até as regiões mais remotas onde estão os parques. "A energia eólica permite que os proprietários de terras onde estão os aerogeradores tenham outras atividades na mesma terra, gera renda por meio do pagamento de arrendamentos. E é um incentivo também ao turismo ao promover desenvolvimento regional", acrescenta Elbia Gannoum, presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica).

A Vestas, empresa dinamarquesa produtora de turbinas de energia eólica, já contribuiu para a geração de 3.200 empregos no Ceará, de acordo com Jonathan Colombo, gerente de Relações Institucionais para América Latina. Somente para a produção dos hubs e nacelles da turbina V150-4.2 MW na fábrica em Aquiraz, foram 200 contratações diretas. E, durante a pandemia, todos os colaboradores foram mantidos sem necessidade de renegociação de contratos.

"Também estamos ligados a três mil empregos indiretos, relacionados à produção de componentes como as pás eólicas que são produzidas no Complexo Industrial e Portuário do Pecém. A criação de empregos não se restringe ao Ceará, já que existe demanda nos estados onde estão localizados os projetos dos parques eólicos. Vale também lembrar que as oportunidades de emprego seguem existindo ao longo da vida útil dos aerogeradores, que superam, em média, os 20 anos. Para que eles continuem tendo o desempenho esperado, a atuação de especialistas em operação e manutenção é fundamental. Hoje, a Vestas conta com mais 300 colaboradores que trabalham exclusivamente nessa área", completa Jonathan Colombo.

*Fonte: Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), acesso em 17/3

Ranking

No Brasil, o Ceará apareceu em quarto lugar no ranking de capacidade instalada de energia eólica por estado, com 2.179,3 MW. Fica atrás do Rio Grande do Norte (5.154,2 MW), da Bahia (4.879,6 MW) e do Piauí (2.275,9 MW), de acordo com o levantamento da ABEEólica publicado no último dia 11 de fevereiro. A potência é menor do que o número acima descrito pela Aneel, cujo registro é mais atualizado.

Serviço

Projeto "Energia Limpa - O Ceará na vanguarda da geração de energias renováveis"

Live "Energia Eólica, capacidade instalada e potencial de crescimento para o Ceará"

Quando: 24/3, às 18 horas (ao vivo)

Onde: Facebook e YouTube do O POVO

Mais informações: https://especiais.opovo.com.br/energialimpa

Gratuito

 

 

Conteúdo de responsabilidade do anunciante
Imagem destaque
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Imagem destaque

Energia solar: quais os desafios e as oportunidades no Ceará?

PUBLIEDITORIAL
06:00 | Mar. 23, 2021 Tipo Publieditorial

As principais características do Ceará, sol e vento em abundância, são também potenciais de crescimento econômico através da geração de energias limpas. A aposta de governantes, empresas e consumidores finais em energia solar é devido à grande redução de custos proporcionada. Para discutir o assunto, O POVO promove, nesta terça-feira, 23, às 18h, live do projeto "Energia Limpa - O Ceará na vanguarda da geração de energias renováveis". A transmissão é gratuita nas redes socais do O POVO.

Com o tema "Energia Solar, capacidade instalada e potencial de crescimento o Ceará", a live terá a participação do coordenador do Núcleo de Energia da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Joaquim Rolim, e do presidente do Sindicato das Empresas Prestadoras de Serviços do Setor Elétrico do Estado do Ceará (Sindienergia Ceará), Luís Carlos Queiroz. A mediação será feita pela jornalista Adailma Mendes.

O Ceará é o quarto entre os estados com maior potência instalada de geração centralizada de energia solar fotovoltaica, com 2.406,7 MW. Fica atrás apenas de Minas Gerais (5.208,3 MW), Bahia (2.998,1 MW) e Pernambuco (2.554,2 MW). Em relação à geração de energia distribuída, que inclui a geração de energia própria dos consumidores, o Estado figura no 9º lugar, de acordo com levantamento da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) divulgado em 2 de março.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Dados como esses demonstram como a energia solar é competitiva, na opinião dos especialistas. "Foram divulgados, recentemente, pela EPE (Empresa de Pesquisa Energética), os projetos cadastrados para o próximo leilão de energia A-4, em junho/2021. O Ceará apresentou 15% dos projetos solares, 11% dos projetos eólicos e 14% do total de projetos eólicos e solares - 2ª posição no País. Tem ocorrido melhoria contínua nos últimos dois anos, mostrando que estamos no caminho certo", explica Joaquim Rolim, coordenador de Energia da Fiec.

Apesar de ainda não representar 1% entre as unidades consumidoras, a energia solar vem ganhando, a cada dia, mais espaço nas residências e empresas. "O sistema solar fotovoltaico tem tudo para ser a fonte que irá se expandir entre os consumidores com o passar dos anos, afinal, o sol é a fonte de energia mais democrática", acrescenta Luís Carlos Queiroz, presidente do Sindienergia.

Estímulo ao consumo consciente

Um sistema de energia solar, para ser aplicado, precisa atingir algumas condicionantes, como viabilidade técnica e viabilidade econômica. Esta última que justificará o investimento ou não. Mas o que torna a energia solar cada vez mais democrática é a quantidade de financiamentos disponíveis para projetos fotovoltaicos residenciais e comerciais, por exemplo. "Hoje, não somente as grandes empresas têm acesso à energia solar, pelo contrário, a maior característica de difusão é a capilaridade e o uso de pequenos comércios locais", diz Luís Carlos.

A principal vantagem é a redução de custos a longo prazo. "Realmente, ainda não teve outra tecnologia que ultrapassasse a energia solar neste momento, até porque ainda é nova, por mais que exista e funcione há bastante tempo, tornou-se popular há pouco tempo", completa o coordenador estadual da Absolar no Ceará, Jonas Becker.

Serviço

Projeto "Energia Limpa - O Ceará na vanguarda da geração de energias renováveis"

Live "Energia Solar, capacidade instalada e potencial de crescimento o Ceará"

Quando: 23/3, às 18 horas (ao vivo)

Onde: Facebook e YouTube do O POVO

Mais informações: https://especiais.opovo.com.br/energialimpa

Gratuito

 

Conteúdo de responsabilidade do anunciante
Imagem destaque
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Imagem destaque

O que são energias renováveis e como elas podem beneficiar o Ceará

PUBLIEDITORIAL
06:00 | Mar. 22, 2021 Tipo Publieditorial

Com a intenção de zerar a emissão de CO² até 2050, boa parte dos países ligados à Organização das Nações Unidas (ONU) tem repensado a forma como a energia elétrica é produzida em seus territórios. Isso ocorre porque a maior fatia do serviço é oriunda de fontes não renováveis, como carvão, gás natural e petróleo, que aumentam a emissão de gases poluentes na atmosfera. Dessa maneira, há um esforço conjunto para estimular a geração de energias renováveis, ou seja, energia produzida a partir de recursos não se esgotam, como a eólica, a solar e a energia à base de hidrogênio.

No Brasil, o esforço também tem integrado debates da agenda público-privada - e é no Nordeste onde os resultados têm sido mais frutíferos, sendo o Ceará um dos estados em maior evidência no setor. Pela capacidade de geração de energia, o Porto do Pecém já exporta o serviço para outros países, e aguarda a instalação de um hub de hidrogênio verde que irá potencializar as transações comerciais, gerando emprego e renda para mais de 4 mil pessoas.

O papel do Estado no esquema global de transição energética será o tema da primeira live do projeto “Energia Limpa - O Ceará na vanguarda da geração de energias renováveis”, que ocorre nesta segunda-feira, 22, nas redes sociais do O POVO. A transmissão é gratuita e começa às 18 horas, com participação de Jurandir Picanço, consultor de Energia da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec).

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Entre os assuntos abordados, Picanço comentará sobre as condições privilegiadas que ampliam potencial de produção e exportação de energias renováveis do Ceará, como a parceria entre o Porto do Pecém e o Porto de Roterdã, na Holanda, que é o maior complexo portuário da Europa e promete ser o principal local de abastecimento de hidrogênio verde no continente.

“A importância do Ceará nesse esquema de transformação da matriz energética fóssil em uma matriz renovável será imensa. Por isso, devemos aproveitar esse momento para focar na produção de energias renováveis, como o hidrogênio verde, que contribuirão para o desenvolvimento econômico e social do Estado”, explica Jurandir.

Saiba mais

Atualmente, segundo o CBIE Advisory, o Brasil ocupa o 3º lugar no ranking mundial de países que produzem energias renováveis, com 135.674 MW de capacidade instalada. A energia eólica é hoje a principal fonte renovável utilizada para consumo interno, e já é responsável por cerca de 10% da geração de energia do Brasil, ocupando o segundo lugar no ranking - atrás apenas da produzida em usinas hidrelétricas. 80% da produção dessa energia renovável ocorre no Nordeste, onde os grandes ventos aportam primeiro.

Serviço

Projeto "Energia Limpa - O Ceará na vanguarda da geração de energias renováveis"

Live "A relevância da geração de energia limpa para o futuro sustentável do planeta: o papel do Ceará"

Quando: 22/3, às 18 horas (ao vivo)
Onde: Facebook e YouTube do O POVO Online
Mais informações: https://especiais.opovo.com.br/energialimpa
Gratuito

Conteúdo de responsabilidade do anunciante
Imagem destaque
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags