PUBLICIDADE
PUBLIEDITORIAL cooped

25 anos: médicos da Cooperativa dos Pediatras do Ceará garantem atendimento de qualidade às crianças cearenses

Cooped-CE comemora 25 anos de trabalho assegurando direitos dos profissionais e bom atendimento à população

24/08/2020 07:00:04
O médico Osmiro Barreto, presidente da Cooped-CE, diz que o trabalho da cooperativa garante que hoje o pediatra esteja mais valorizado
O médico Osmiro Barreto, presidente da Cooped-CE, diz que o trabalho da cooperativa garante que hoje o pediatra esteja mais valorizado

Quem tem crianças sabe como o atendimento dos pequenos é específico para as necessidades de saúde deles. É preciso muito estudo e dedicação. Tanto que para um médico fazer parte da Cooperativa dos Pediatras do Ceará (Cooped-CE), que completa 25 anos nesta segunda, 24, faz-se necessário Residência Médica de Pediatria e/ou Título de Especialista em Pediatria após os seis anos da faculdade de medicina.
Em 1995, quando a Cooperativa foi fundada, o pediatra no Ceará ganhava quatro vezes menos em um plantão do que outros médicos, um reflexo da falta de valorização, ainda que as crianças demandem atenção e qualificação especial. Em busca de condições dignas de trabalho, 41 pediatras, sob a liderança da médica Maria Gurgel de Magalhães, reuniram-se para fundar a Cooperativa dos Pediatras.

Hoje, com quase 900 associados, a Cooped-CE é reconhecida como uma das cooperativas médicas mais sólidas do Estado. "Não só a diferença diminuiu como a gente já ganha mais do que algumas categorias. Estamos em um patamar justo, temos um pediatra mais valorizado", explica o médico Osmiro Barreto, presidente da cooperativa.

Além de garantir uma remuneração mais equilibrada, a Cooped-CE promove a constante atualização dos profissionais com cursos regulares para os médicos da área. Alguns deles são realizados em conjunto com o Centro de Apoio Ensino e Pesquisa em Pediatria (Caepp), da USP. A Cooperativa conta com sede própria localizada no bairro Dionísio Torres, um espaço moderno e funcional preparado para dar total apoio ao trabalho dos médicos cooperados.

Os pediatras da Cooped-CE atuam em nove Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) do Estado, Hospital Geral César Cals, Hospital Geral de Fortaleza, Hospital Infantil Albert Sabin, Hospital e Maternidade Zilda Arns, Gonzaguinhas da Messejana, da Barra do Ceará e do Professor José Walter, Hospital Distrital de Maracanaú e Maternidade Santa Terezinha de Caucaia.

Então, quando for a uma dessas unidades, saiba que as crianças serão atendidas por um pediatra habilitado. “Nossos cooperados são bem qualificados, temos muitos núcleos de estudos, estamos em constante atualização. Mesmo na pandemia, realizamos cursos online com pediatras, psiquiatras, neonatologistas e cirurgiões pediatras em um projeto denominado Segunda com o Cooperado. O sentimento é de orgulho dessa cooperativa forte", afirma Osmiro.

Linha de frente

Na pandemia de Covid-19, o trabalho da Cooped-CE também tem sido de apoio aos associados e familiares deles. "Nossa grande preocupação na pandemia foi proteger nossos cooperados para que, nos seus locais de trabalho, tivessem segurança para fazer o atendimento às crianças. Distribuímos EPIs, como máscaras N95 PFF2, óculos de proteção, face shields, álcool em gel. Até máscaras de tecido para o dia a dia", diz a doutora Francielze Lavor, diretora comercial da cooperativa.

Outra ação na pandemia foi a confecção e distribuição de milhares de máscaras infantis para crianças carentes, em parceria com a Cooperativa dos Médicos Anestesiologistas do Ceará (Coopanest).

Projetos Sociais

Comprometida com o princípio cooperativista de interesse pela comunidade, a Cooped-CE desenvolve uma série de projetos sociais voltados para o bem-estar da sociedade onde está inserida.

Entre eles está o primeiro ambulatório criado no Estado para desenvolvimento da primeira infância. Realizado em parceria com o IPREDE e a Universidade Federal do Ceará, este projeto transforma a vida de centenas de crianças ao identificar precocemente possíveis distúrbios em seu desenvolvimento psíquico e motor.

Já o projeto Viva a Vida leva informação, arte, cultura e entretenimento para escolas de Ensino Fundamental, alertando as crianças sobre os riscos que a exposição demasiada aos dispositivos eletrônicos pode causar à saúde. Através de uma bem-humorada apresentação teatral, os personagens - Audição, Visão, Olfato, Tato e Paladar - mostram às crianças que viver a vida é muito mais divertido.
Outras ações são direcionadas à doação de roupas e gêneros alimentícios para comunidades em situação de vulnerabilidade social, além de ações que visam melhorias nos locais de trabalho dos plantonistas.

Ir ao pediatra durante a pandemia?

Não expor as crianças neste momento ainda é essencial para evitar a infecção de coronavírus. Mas a proteção das crianças também passa pelo correto acompanhamento delas. "Não é preciso estar doente, tem que fazer a consulta de rotina da puericultura (desenvolvimento físico e psíquico das crianças)", reforça a pediatra Francielze Lavor.

Postos e consultórios retomaram os atendimentos de puericultura de acordo com os protocolos de segurança. "Devemos estimular a lavagem frequente das mãos das crianças e, para as maiores de dois anos, o uso de máscara", acrescenta Francielze.

Periodicidade das consultas infantis

Até 6 meses: mensal
De 6 meses a um ano: a cada dois meses
Acima de 1 ano: a cada três meses
Acima de 2 anos: a cada quatro meses