PUBLICIDADE
PUBLIEDITORIAL ApaixonadosPorGente

Vale a pena prevenir

Segundo ministério da saúde, um terço dos brasileiros não vai regularmente ao médico. Para além de evitar doenças, o check-up promove equilíbrio alimentar e bem-estar

11/01/2019 07:00:00
Importancia do check-up foto Cecilie Arcurs GettyImages
Importancia do check-up foto Cecilie Arcurs GettyImages

O hábito de cuidados preventivos não está entre os costumes nacionais. Esta realidade, inclusive, não é difícil de ser comprovada entre familiares e amigos. De acordo com o Ministério da Saúde (MS) em última pesquisa realizada sobre o tema, de 2016, um terço dos brasileiros não vai ao médico regularmente para a realização de exames como hemograma completo, lipidograma e insulina, três dos mais comuns quando o assunto é check-up. O dado preocupa de forma mais evidente o público masculino, uma vez que o risco de morte entre homens é 40% maior que o das mulheres.

Entusiasta do acompanhamento médico anual, Roberto Luiz de Araújo conta que há cerca de dez anos tem a cultura de realizar check-ups e que esse perfil é compartilhado entre a esposa, Janaína Mônica Bezerra, de 39 anos, e os filhos, Roberto Júnior e João Cabral, de 15 e 19 anos, respectivamente. “Tem um bom tempo que monitoro minha saúde realizando exames cardíacos e laboratoriais. Houve um período em que negligenciei. Minha diabetes e meu colesterol ficaram muito altos. Desde então, realizo acompanhamento com nutricionista e atividades físicas”, explica o comerciante, que integra o projeto Hapvida Viver Bem, formado por ações voltadas para pacientes com diabetes tipo 2.

Segundo Gregório Márcio, clínico geral do Hapvida, na avaliação médica de rotina são elencados pontos que estruturam “planos de vida saudável”, compostos por alimentação correta e rotina de exercícios, entre outros aspectos. “Nos planos de vida saudável são retirados os excessos provenientes de obesidade, tabagismo. Utilizamos a história clínica e familiar do paciente e exames médicos e laboratoriais. Busca-se também conhecer processos patológicos precocemente”, explica o médico.

De acordo com o especialista, o tipo de check-up a ser realizado depende de critérios como sexo, idade e histórico de doenças. “Existem diversas situações que devem ser tratadas pontualmente entre médico e paciente. Importante conversar com o médico para definir os objetivos das avaliações”, argumenta Márcio.

CUIDADOS E EXERCÍCIOS

Educador físico do Hapvida e coordenador do %2b1K, projeto de assessoria esportiva idealizado e realizado pelo plano de saúde, Vilson Borges pontua que, por meio de um check-up, é possível detectar deficiências e, consequentemente, escolher ações de correção. “Sempre peço aos alunos um atestado. Dentro desse atestado, o médico vai dizer qual tipo de atividade a que o aluno vai estar sujeito. Dependendo da situação desse paciente, o trabalho como educador físico traça exercícios para combater o sedentarismo.”

Borges defende que é necessário também haver um processo constante de acompanhamento a fim de checar possíveis “patologias estruturais”, a exemplo de desgastes no joelho e quadril, os quais podem ser limitantes. “Meu papel de prevenção é também ver o que foi passado para o médico e, em cima daquilo, reverter. Nessa equação, entram outros fatores, que não são somente exercícios”, complementa. Melhoria da autoestima e sensação de maior bem-estar, defende o profissional, são pontos positivos quando se realiza check-up e se pratica exercícios simultaneamente.

“O exercício físico faz com que você retenha os níveis de substâncias para o corpo, principalmente nas mulheres pelo nível da menopausa, bem como fortaleça o músculo. Essa ‘manutenção’ vai dar uma qualidade de vida, sobretudo, na fase idosa. Têm alunos de 65 anos que dizem que quando tinham 45 anos não conseguiam correr. Há uma melhoria da condição física mesmo quando a pessoa se torna idosa.”

PREVENÇÃO ALIMENTAR

De acordo com a Agência Brasil, levantamento divulgado em 2018 pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) aponta que oito de cada dez brasileiros dizem preocupar-se em ter uma alimentação saudável – o estudo ouviu três mil pessoas com mais de 16 anos, residentes em 12 regiões metropolitanas brasileiras. A prevenção nutricional, embora ainda pouco abordada, merece também ser priorizada. “Para uma boa avaliação do estado de saúde, é preciso reconhecer que hábitos alimentares, estado nutricional e exames de rotina devem fazer parte do check-up para uma avaliação efetiva e, consequentemente, uma prevenção e tratamento adequados”, explica Igor de Oliveira.

Nutricionista do Hapvida, Oliveira pondera que o ideal é que o acompanhamento nutricional com a finalidade de prevenção de doenças seja realizado semestralmente. “A alimentação é um dos pilares mais importantes da saúde. Uma boa alimentação proporciona inúmeros benefícios e previne muitas doenças, como diabetes, hipertensão e obesidade, principalmente. Ela fortalece o sistema imunológico, mantém o bem-estar corporal e favorece um estado nutricional adequado e a qualidade de vida.”