PUBLICIDADE
PUBLIEDITORIAL ApaixonadosPorGente

Férias escolares: tempo de brincadeiras e atividades prazerosas

Profissional de educação física e psicóloga alertam para a importância das atividades físicas ao ar livre para o desenvolvimento de crianças e adolescentes

18/12/2018 07:00:00
Férias escolares: tempo de brincadeiras e atividades prazerosas
Férias escolares: tempo de brincadeiras e atividades prazerosas

Nos meses de dezembro e janeiro, época de férias letivas, é comum que muitos pais e mães não saibam como organizar a rotina da família. Para a gerente financeira Dayse Nóbrega, mãe de Matheus Nóbrega Bezerra, de oito anos, as férias são o período em que a família se planeja para ter uma maior interação: ela, que trabalha de segunda a sexta, tira alguns dias de férias e seu esposo, que é autônomo, se organiza para trabalhar em casa.

“Com a nossa rotina de trabalho e estudo — o Matheus fica no colégio em tempo integral três dias da semana, tem aulas de inglês —, é importante ter essa divisão de tempo, porque ele tem necessidade de ter os pais em casa, de ter os pais presentes. É um momento nosso, um momento de interagir com ele”, conta. Dayse afirma que, durante o período, as atividades dos três são sempre adequadas para o pequeno: idas a restaurantes que dispõem de espaço infantil, além de viagens e passeios.

Para além das programações em família, a gerente financeira teve a ideia de oferecer, em seu prédio, oficinas para o filho e seus amigos. “Tem a preocupação em oferecer coisas voltadas para a faixa etária das crianças. Temos muitas opções de colônia de férias, mas, muitas vezes, é caro e foge do nosso orçamento. Então pensei em fazer opções que fossem mais acessíveis e que proporcionassem maior interação entre eles. Quando terminava as aulas, cada criança ia pra sua casa, para sua vida, ia fazer sua viagem, ia para a casa na praia. E eu sentia muita falta da interação das crianças”, explica.

De acordo com Dayse, já foram três atividades: pintura de jarros de cerâmica, desenho livre e bingo. Para as próximas semanas, a programação inclui oficina de produção de slime — espécie de massa de modelar —, de produção de artigos a partir de argila e uma gincana de perguntas, que a mãe considera uma forma de proporcionar uma atividade mais educativa de forma leve.

Brincadeiras e movimento

Vilson Borges, Profissional de educação física do Hapvida, alerta para a importância de que os pais estimulem também a atividade física no período de férias. “Temos hoje um alto índice de crianças e adolescentes que, praticamente, passam o dia no tablet, no celular. O nível de movimentação dessas crianças é muito baixo, o que pode causar obesidade ou mesmo limitações motoras, de não ter habilidades para correr bem, por exemplo. Isso atrapalha o desenvolvimento motor, que muitas vezes vai ser sentido na fase adulta”, explica.

O profissional orienta que, mesmo que não tenham tanta disponibilidade de tempo por conta do trabalho, os pais busquem, aos fins de semana, incentivar essa prática. “Conseguimos, com nossos exemplos, modificar muito mais os nossos filhos. Temos o Parque do Cocó, a [avenida] Beira Mar, o Aterro da Praia de Iracema… Essa interação, esse empenho em estar praticando um exercício que promove lazer, promove uma aproximação muito maior, faz parte do desenvolvimento deles”, explica. De acordo com Borges, brincadeiras como jogos com bola, pique-esconde, pega-pega, competições de natação, entre outras, trazem benefícios como o desenvolvimento motor, o condicionamento físico, bem-estar e autoestima.

Raíssa Serpa, psicóloga do Hapvida, também aconselha a prática de exercícios físicos durante as férias. “No período escolar, as crianças passam bastante tempo sentadas, tentando se concentrar e sendo cobradas para terem um bom rendimento. É interessante que, nas férias, as crianças, junto com os pais, tentem praticar atividades físicas prazerosas, assim como brincadeiras ao ar livre, pois, os aspectos psicomotores e cognitivos podem ser potencializados, dentre eles a noção corporal, motricidade ampla, raciocínio lógico e localização espaço-temporal”, explica.

Para a psicóloga, os momentos livres também são importantes para a criança, uma vez que, no período letivo, elas têm seus horários preenchidos com diferentes atividades e muitas vezes deixam de fazer atividades que gostariam de fazer. “Nesse momento de férias, os filhos precisam de um tempo para eles e, por isso, devem ser os protagonistas desse planejamento. Não necessariamente as férias precisam ter uma rotina, mas o tempo livre para brincar sem hora marcada pode ser muito saudáveis para as crianças”, afirma.

TAGS