Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Anapetro diz que vai entrar na Justiça caso Paes de Andrade seja eleito presidente da Petrobras

Associação que representa petroleiros que também são acionistas da companhia diz que o indicado pelo Governo não preenche os requisitos da Lei das Estatais
17:21 | Jun. 23, 2022
Autor Irna Cavalcante
Foto do autor
Irna Cavalcante Repórter no OPOVO
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Associação Nacional dos Petroleiros Acionistas Minoritários da Petrobras (Anapetro), com apoio da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e sindicatos filiados, enviou nesta quinta-feira, 23, ofício aos conselheiros e membros do Comitê de Elegibilidade da Petrobras notificando-os sobre inconsistências para a nomeação de Caio Mário Paes de Andrade à presidência da Petrobras. A entidade alerta que caso o nome seja aprovado irá recorrer da decisão na Justiça. 

Indicação será votada nesta sexta-feira pela diretoria da Petrobras.

Por que o nome de Caio Paes de Andrade gera resistências?

O documento sugere que o nome do indicado de Bolsonaro “seja rejeitado, visto o cenário de instabilidade que pode acarretar sua nomeação”. De acordo com a entidade, Paes de Andrade não atende a requisitos técnicos necessários para o cargo, que são exigidos pela Lei das Estatais e o Estatuto Social da Petrobras.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Principalmente, em relação aos quesitos tempo exigido de experiência profissional e formação acadêmica compatível com o cargo para o qual foi indicado. “O senhor Andrade não possui notório conhecimento na área, além de ser formado em Comunicação Social, sem experiência no setor de petróleo e energia”, diz o documento.

Ele também não teria apresentado certificado de conclusão dos cursos que diz ter feito na Duke University e em Harvard University, nos Estados Unidos.

O currículo apresentado pelo indicado de Bolsonaro à Petrobras fala em pós-graduação em Administração e Gestão pela Harvard University e Mestre em Administração de Empresas pela Duke University, mas pelas regras da Lei das Estatais é exigida a comprovação por meio dos certificados.

A Anapetro reforça que caso o nome seja aprovado, buscará os meios legais, tanto nos órgãos de controle, como a Comissão de Valores Mobiliários, quanto no Poder Judiciário, para que a decisão seja revista.

“O currículo do novo indicado do presidente Jair Bolsonaro para a presidência da Petrobrás, cujo nome será avaliado nesta sexta-feira (24) pelo Comitê de Elegibilidade da estatal, esbarra em pelo menos dois possíveis impeditivos para sua nomeação: a experiência profissional e a formação acadêmica”, escreveu a representante dos trabalhadores no Conselho de Administração da Petrobrás, Rosângela Buzanelli, em seus perfis no Twitter e Facebook.

Segundo o presidente da Anapetro, Mario Dal Zot, "o governo trata a Petrobras como uma empresa de fundo de quintal em total irresponsabilidade e falta de respeito aos acionistas e à importância da empresa para a sociedade brasileira. Os impactos financeiros negativos dessas trocas constantes e a tentativa de nomeação de pessoas não capacitadas, como parece ser o caso, demonstram que o governo quer interferir na gestão da empresa para depreciar ainda mais seus ativos colocados à venda".


Mais notícias de Economia

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar