Participamos do

BCE/ATA: dirigentes acreditam que inflação alta exige medidas de normalização

09:43 | Abr. 07, 2022
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Na mais recente reunião do Conselho do Banco Central Europeu (BCE), muitos dirigentes argumentaram que o atual nível elevado de inflação na zona do euro demanda medidas imediatas para normalização da política monetária. A informação consta na ata referente ao encontro, divulgada há nesta quinta-feira, 7.

Segundo o documento, projeções indicam que as taxas inflacionárias permanecerão acima da meta de 2% em 2023. "Um período mais longo de inflação acima da meta levaria a um risco maior de desancoragem ascendente das expectativas de inflação de prazo mais longo", destaca o texto.

Ainda de acordo com o relatório, os participantes da reunião pontuaram que as previsões sugerem que a inflação em 2024 estará em linha com a meta. Os dirigentes acrescentaram, no entanto, que o Conselho do BCE não pode mais minimizar a recente inflação alta, mesmo que o movimento seja resultado de choques de oferta. A política monetária na zona do euro, acrescenta a ata, está atualmente acomodatícia.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Compra de Ativos

Na ata, alguns dirigentes do BCE defenderam que a instituição deveria se comprometer a encerrar o Programa de Compra de Ativos (APP, na sigla em inglês) no verão do hemisfério norte. "Isso pode abrir caminho para um possível aumento de juros no terceiro trimestre deste ano, à luz da deterioração das perspectivas de inflação", ressalta o documento.

Segundo o relatório, houve "ampla concordância" sobre os efeitos iniciais da guerra entre Rússia e Ucrânia na economia da zona do euro, com alta inflacionária e pressão sobre o crescimento econômico. Os dirigentes concordaram com a avaliação do economista-chefe do BCE, Philip Lane, de que o conflito começou em um período de forte recuperação da atividade.

Mesmo assim, alguns membros do Conselho acreditam que o banco deve adotar uma postura de "espera para ver" em meio às altas incertezas decorrentes da guerra.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar