Participamos do

Saque líquido da poupança em outubro soma R$ 7,430 bi, maior para o mês da série

16:10 | Nov. 05, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Os saques na poupança superaram os depósitos pelo terceiro mês consecutivo, com uma retirada líquida de R$ 7,430 bilhões em outubro, informou nesta sexta-feira o Banco Central. Esse foi o maior saque líquido para meses de outubro na série histórica, iniciada em 1995. Em setembro, a retirada líquida (R$ 7,719 bilhões) também havia sido recorde para o mês.

No mês, os aportes na caderneta somaram R$ 278,079 bilhões, enquanto os saques totalizaram R$ 285,509 bilhões. Considerando o rendimento de R$ 3,285 bilhões da caderneta, o saldo total das contas também caiu pelo terceiro mês seguido, para R$ 1,027 trilhão.

Outubro foi o sexto mês de 2021 em que os saques superaram os depósitos na poupança. No acumulado de janeiro a outubro deste ano, os saques líquidos da caderneta pela população chegam a R$ 30,779 bilhões. Em 2020, em meio à pandemia do novo coronavírus, a poupança chegou a registrar dez meses consecutivos de depósitos líquidos (de março a dezembro), terminando o ano com saldo positivo de R$ 166,310 bilhões.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

No ano passado, a caderneta havia sido favorecida pelo pagamento de auxílios à população. Além disso, ela foi impulsionada em 2020 pela maior cautela das famílias brasileiras.

Preocupadas com a renda futura e com medo do desemprego, muitas delas reduziram gastos e passaram a aplicar recursos na caderneta, o que elevou o saldo. Este movimento foi o que o próprio BC chamou de "poupança precaucional". Houve também o movimento identificado como "economia circunstancial", uma vez que, dada a pandemia, muitas famílias não conseguiram consumir serviços as quais estavam acostumadas.

No início deste ano, com a paralisação temporária do auxílio emergencial entre janeiro e março, os saques voltaram a ser preponderantes. Com o retorno do benefício, houve saldo mensal positivo de abril a julho. Mas, com a inflação galopante e a reabertura econômica, desde agosto, a população tem retirado mais recursos da caderneta do que depositado.

A poupança é remunerada atualmente pela taxa referencial (TR), que está em zero, mais 70% da Selic (a taxa básica de juros), hoje em 7,75% ao ano. Na prática, a remuneração atual da poupança é de 5,425% ao ano.

Esta regra de remuneração da poupança vale sempre que a Selic estiver abaixo dos 8,50% ao ano. Quando estiver acima disso, a poupança é atualizada pela TR mais uma taxa fixa de 0,5% ao mês (6,17% ao ano), o que pode acontecer em breve, considerando a indicação do Comitê de Política Monetária (Copom) de um novo aumento de 1,50 ponto porcentual da Selic em dezembro, para 9,25%.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags