Participamos do

Cartão de crédito: veja dicas de como pagar contas e quitar dívidas

Sair do vermelho requer comprometimento e mudanças de hábitos financeiros. Para pagar as contas e não fazer novas dívidas impagáveis é necessário autocontrole. Saiba tudo sobre cartão de crédito e evite cair em ciladas.
00:07 | Out. 26, 2021
Autor Carolina Parente
Foto do autor
Carolina Parente Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Estar endividado não significa estar inadimplente. Uma pessoa pode ter parcelas infinitas de cartão de crédito por vir e ser capaz de pagá-las todas sem atraso. No entanto, parte de sua renda será comprometida com a liquidação das prestações até a compra ser totalmente concluída.

Dependendo da quantidade de compras efetuadas, dos valores das compras e do número de parcelas, o comprometimento do salário do consumidor com a dívida a ser quitada poderá prejudicar a possibilidade de pagamento de despesas fixas importantes (água, luz, alimentação etc) e de realização de uma reserva emergencial.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Na pior das hipóteses, os ganhos mensais do consumidor não serão suficientes para pagar nem as faturas do cartão, nem as despesas essenciais. Supondo que, nessa situação, pedir um empréstimo seja a única solução para devolver ao banco o que deve, a pessoa estaria contraindo uma nova dívida para pagar outras - e esse é o cenário que deve ser evitado a qualquer custo!

Se de fato for necessário obter dinheiro emprestado, é importante ter em mente um plano factível para efetuar o pagamento da nova dívida. Esse plano deve passar pelo uso consciente do cartão de crédito, independentemente de a pessoa estar ou não inadimplente. A melhor estratégia para não se endividar é realizar compras à vista, pois não comprometem o orçamento a longo prazo.

Crédito rotativo e juros rotativo

Se o consumidor não pagar integralmente a fatura do cartão, o banco passará essa pendência para a fatura do mês seguinte e cobrará juros encima do valor atrasado. Essa operação é chamada de crédito rotativo.

O juros rotativo é o mais alto do mercado. Em agosto de 2021, segundo o Banco Central, as taxas cobradas pelas instituições credoras estavam em 336,1% ao ano. Até abril de 2017, os bancos ofereciam crédito rotativo ilimitado aos clientes, de maneira que o valor que entrava para a fatura seguinte era tão alto que dificilmente poderia ser pago integralmente e de uma só vez. A dívida virava uma bola de neve.

O governo interveio nas regras devido ao número de endividados no país. Desde então, os clientes só podem usar até 30 dias de crédito rotativo.

Se a pessoa não conseguir quitar a dívida incluída nos juros rotativo, a instituição financeira é obrigada a oferecer ao cliente uma opção mais vantajosa e a mostrar de forma clara, na fatura do cartão, informações necessárias para o entendimento do devedor sobre o que deve ser pago.

A pessoa pode aceitar as opções de financiamento sugeridas pela empresa: mas é preferível negociar a dívida. Se o cliente, impossibilitado de pagar a dívida atrelada ao juros rotativo no fechamento da fatura, não aceitar nenhuma forma de parcelamento do valor devido, ele ficará inadimplente.

Para evitar esse cenário, o cliente que não tem como pagar todo o crédito utilizado em um mês pode parcelar a fatura. Ainda que os juros do parcelamento sejam altos, são menores do que o crédito rotativo. Mas cuidado: não parcele a fatura do cartão sem antes ter um plano para pagar integralmente os boletos seguintes.

Negociando as dívidas do cartão de crédito

A função da negociação é não ter que pagar as taxas de atraso e obter um desconto no valor final da conta. As opções de juros oferecidas pela instituição financeira devem ser informadas de forma clara. Se o cliente for enganado, ele pode encaminhar uma queixa diretamente ao Banco Central (BACEN).

As formas mais comuns para quitar uma dívida são:

  • Amortização - parcelamento da dívida na própria fatura do cartão a juros menores que os do crédito rotativo. Na negociação, é estabelecido o número de parcelas, qual o pagamento mínimo mensal o quanto de juros o cliente vai pagar em todo esse tempo.
  • Empréstimo - o banco empresta ao cliente uma determinada quantia para a quitação da dívida. Para saber se um empréstimo vale a pena, veja informações sobre os juros cobrados, prazo para a quitação da dívida e condições de pagamento da conta.


Independentemente da opção negociada, antes de tomar uma decisão, o devedor deve considerar alguns pontos:

  • Taxas que incidirão sobre o valor da dívida: as taxas mais comuns são crédito do rotativo e juros proporcionais aos dias de atraso.
  • Tipo de parcelamento: para quem está endividado, parcelas fixas costuma ser uma boa opção, pois ajuda a planejar melhor as finanças.
  • Valores do IOF que incidirão sobre o tipo de pagamento: o IOF é um imposto cobrado pelo governo. A alíquota é diferente dependendo de qual opção for escolhida para quitar a dívida.

Planejamento financeiro para pagar dívidas

Para os mais de 59,4 milhões de brasileiros com CPF negativado, segundo informação do SPC divulgada em julho deste ano, quitar dívidas pode parecer impossível. Mas não é. Além da negociação com os bancos, para sair do vermelho, é importante analisar e entender o que está por trás das contas atrasadas e evitar problemas semelhantes no futuro. Veja dicas de como pagar o cartão de crédito e quitar as dívidas:

  • Faça um balanço de suas dívidas. Liste todas as contas detalhadamente. Ter em mente o tamanho da dívida é importante para criar uma hierarquia de quitação de dívidas. O ideal é pagar primeiro a conta que tem juros mais altos.
  • Organize o orçamento. Utilize um aplicativo de telefone, faça uma planilha no computador ou escreva num caderno. Anote todo o dinheiro que você recebe no mês e todos os gastos.
  • Corte gastos supérfluos. O estilo de vida de cada família indicará quais gastos podem ser cortados. Lembre-se das pequenas economias, como apagar ao sair da habitação; colocar o chuveiro elétrico na posição verão no período de calor; cozinhe em casa e evite comer fora com frequência.
  • Envolva a família na organização do orçamento. Cada membro pode ajudar com ideias para diminuir as contas ou conseguir mais dinheiro com a venda de itens que não são mais utilizados, por exemplo.
  • Estabeleça metas. Ter um plano de pagamento das contas é muito importante para não se perder no processo e não criar novas dívidas.

Use cartão de crédito com cuidado

O Dei Valor separou algumas dicas importantes para o uso consciente dessa ferramenta. Para saber mais, assista no player abaixo ou clique aqui no link para assistir.

Com informações dos sites Nubank, Serasa, Kitei e Creditas


 

 

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags