select ds_midia_link from midia where cd_midia = limit 1
Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Vendas no varejo da Alemanha avançam 4,2% em junho ante maio

Autor - Agência Estado
Foto do autor
- Agência Estado Autor
Tipo Notícia

As vendas no varejo da Alemanha cresceram 4,2% em junho, na comparação com maio e após ajustes sazonais, informou nesta segunda-feira (2) a agência oficial de estatísticas do país, Destatis. O resultado superou a previsão de alta de 1,8% dos especialistas ouvidos pelo Wall Street Journal, em um quadro de relaxamento nas restrições relacionadas à pandemia da covid-19.
Na comparação anual, o avanço das vendas no varejo do país foi de 6,2%. Ante fevereiro de 2020, mês anterior ao início das restrições pela pandemia na Alemanha, as vendas cresceram 9,1% em junho, segundo o Destatis. Vendas de alimentos, bebidas e tabaco recuaram 3,9% na comparação mensal, após ajustes sazonais. Já as vendas de produtos não alimentícios avançaram 8,7% no mês. Fonte: Dow Jones Newswires.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Dona da MMartan mira IPO de R$ 700 milhões

ECONOMIA
2021-07-31 08:13:09
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Ammo Varejo, que tem sob o seu guarda-chuva marcas como MMartan e Artex, caminha para estrear na Bolsa de Valores. A empresa faz parte do Grupo Coteminas, empresa fundada pelo ex-vice-presidente José Alencar, que faleceu em 2011. O plano é captar com investidores, por meio de uma oferta inicial de ações (IPO, pela sigla em inglês), cerca de R$ 700 milhões, conforme apurou o Estadão.
A oferta do braço de varejo do grupo industrial é planejada ainda para este semestre. A emissão será primária, com os recursos sendo direcionados ao caixa da empresa para financiar planos de expansão, e também secundária, com a controladora vendendo ações.
A Coteminas controla, com cerca de 53%, a holding Springs Global, fruto de uma joint venture com a americana Springs Industries em 2005, que já possui capital aberto na Bolsa brasileira.
A empresa da família Alencar é comandada por Josué Gomes, que no início do ano que vem assume a presidência da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). A área digital da empresa está atualmente nas mãos de seu filho Josué Alencar. E o prospecto do IPO mostra que parte dos recursos que serão captados terá esse destino: tecnologia, além de expansão de portfólio, logística e crescimento de canais de distribuição.
No mesmo documento, a companhia diz que possui 23% de participação no e-commerce em cama, mesa e banho. A empresa afirma que tem testado novos modelos de negócios e de distribuição, tal como franquia digital, as chamadas "dark stores" (que são pontos de vendas que atendem apenas a vendas online) e as "live shoppings", que são as vendas online interativas com os clientes.
Com o filho já cuidando de uma área que tem ganhado cada vez mais relevância, a expectativa é de que suas funções cresçam à medida que José Gomes terá novas atribuições na sua agenda estando à frente da Fiesp, ao substituir Paulo Skaf, que ficou por 17 anos no cargo. Na primeira metade do ano, a empresa registrou uma receita líquida de R$ 238,6 milhões, aumento de 37% ante o visto um ano antes.
A XP coordena a oferta da companhia, ao lado do UBS, BB e Banco ABC. Procurado, o Grupo Coteminas não respondeu aos contatos até a publicação desta reportagem.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Dia dos Pais injetará R$ 6,03 bilhões na economia do país, estima CNC

Economia
2021-07-30 17:25:34
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima para o Dia dos Pais deste ano volume de vendas de R$ 6,03 bilhões, maior faturamento desde 2018, com alta de 13,9% em comparação à mesma data no ano passado. Segundo o economista sênior da CNC, Fabio Bentes, o Dia dos Pais de 2020 foi o pior em 13 anos. O Dia dos Pais é a quarta data comemorativa mais importante para o comércio varejista brasileiro.

Na mesma época do ano passado, quando o varejo ainda experimentava o início do processo de flexibilização das medidas restritivas voltadas ao combate à primeira onda da pandemia do novo coronavírus, as vendas caíram 11,3% e geraram o menor volume financeiro (R$ 5,30 bilhões) desde 2007, que foi de R$ 4,98 bilhões. Agora, já há várias regiões brasileiras autorizando o funcionamento do comércio a toda capacidade.

“Nesse quesito, os pais deram mais sorte que as mães neste momento, pegando a economia um pouco mais favorável, embora a questão do preço e do crédito mais caro sejam uma certa âncora para um crescimento um pouco menor do que poderia ser se a inflação não estivesse alta. A recuperação seria bem mais rápida”, disse Bentes, em entrevista à Agência Brasil.

Obstáculo

Bentes reforçou que, apesar da fraca base comparativa de 2020 favorecer o registro de taxas de incremento mais significativas neste ano, a inflação constitui obstáculo para o varejo não só para o Dia dos Pais, como também para as demais datas comemorativas. “O que se tem é isso: uma reativação da economia, mas com certos problemas que impedem um avanço mais forte das vendas”. De acordo com o economista, a inflação está alta porque está sendo puxada por itens específicos na média da cesta de preços.

A cesta de bens e serviços para o Dia dos Pais sinaliza crescimento de 7,8% em relação à do ano passado, maior variação desde 2016, quando subiu 8,6%. Dos 13 itens analisados, apenas dois estão, em média, mais baratos do que há um ano: livros (1,7%) e aparelhos de som (1,3%). Os maiores aumentos são observados em televisores (22,3%), bebidas alcoólicas (11,8%) e perfumes (10,5%).

Ele salientou que no setor de vestuário, que ainda passa por dificuldades, a tendência é de aquecimento nas vendas. “O setor não está tendo espaço para reajustar preços”, explicou. A projeção é que as lojas que vendem roupas faturem em torno de R$ 2,43 bilhões, ou o equivalente a 40,2% do total estimado para este ano, seguindo-se os ramos de utilidades domésticas e eletroeletrônicos (R$ 1,24 bilhão) e produtos de perfumaria e cosméticos (R$ 0,86 bilhão).

Comércio eletrônico

Para o economista, no caso das vendas online, a tendência é desacelerar um pouco, depois da alta de 47% de janeiro a maio deste ano, de acordo com a Receita Federal. Bentes disse, porém, acreditar que, como a economia está reabrindo, pelo menos aquelas pessoas que estavam indo para o comércio online, principalmente no início da segunda onda, vão voltar ao comércio presencial. “O online vai continuar crescendo a dois dígitos ainda por um bom tempo, mas não em um ritmo tão forte como o observado nos primeiros cinco meses do ano”, afirmou.

Bentes destacou que os shopping centers torcem pelo incremento das vendas presenciais, porque, com as restrições à circulação de pessoas, este é um setor que vai demorar a se recuperar. Segundo ele, a tendência, daqui para a frente, é ter uma situação mais equilibrada entre o consumo presencial e o consumo online nesta e nas demais datas comemorativas neste ano.

O economista lembrou que, de acordo com a Pesquisa Mensal de Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o faturamento real do varejo já estava 3,9% acima do volume observado às vésperas da pandemia (fevereiro de 2020) e 1,1% maior do que em agosto do ano passado. “O comércio já tinha recuperado o nível de vendas pré-pandemia em maio, e a tendência é que em junho, julho, com o recuo da pandemia, o comércio já tenha subido para outro patamar”. Por isso, ele ressaltou que o movimento do comércio não pode ser atribuído a datas comemorativas, mas o que já era observado desde o retrocesso da segunda onda de contaminação, em março último. A partir de abril, a circulação de pessoas no comércio cresceu 39%, o que ajudou o setor a manter a tendência de recuperação, que deve continuar até o fim do ano, caso não haja nenhum recuo na crise sanitária, disse.

Em ternos regionais, a pesquisa da CNC revela que São Paulo, com R$ 2,15 bilhões, Rio de Janeiro, com R$ 632,1 milhões; e Minas Gerais, com R$ 629,3 milhões, devem responder pela maior parte (56,6%) da movimentação financeira com o Dia dos Pais neste ano. De acordo com a CNC, todas as unidades federativas deverão ter avanço real ante os montantes do ano passado, com destaque para as taxas esperadas no Paraná (+15,0%), Rio Grande do Sul (+14,4%), Distrito Federal (+14,3%) e em Santa Catarina (+12,5%).

Fecomércio

Levantamento feito pelo Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (IFec RJ) de 19 e 22 de julho, com a participação de 405 consumidores, mostra que este Dia dos Pais, o primeiro após o início da vacinação, será melhor para o varejo. A previsão é que 40% dos fluminenses, ou o correspondente a 5,6 milhões de pessoas, comprem presentes na data, o que representará injeção financeira de R$ 901 milhões na economia do estado, contra R$ 873 milhões em igual período do ano passado. O tíquete médio será de R$ 161,70, valor bem superior ao registrado no ano anterior, que foi de R$ 148,59.

Entre os presentes mais procurados, destacam-se roupas (52,5%); seguidas por calçados e acessórios (24,7%); perfumes ou cosméticos (18,5%); livros e e-books (8%), smartphones (8%); joias e relógios (7,4%) e computadores e tablets (2,5%). O IFec RJ destaca que itens de maior valor, como smartphones e relógios, tiveram a intenção de compra dobrada em relação ao ano passado. Conforme a sondagem, os fluminenses estão divididos sobre o local onde vão comprar os presentes: 48,1% preferem lojas físicas, 24,1% lojas online e 27,8% ambas.

Segundo o Ifec Rio, até o momento, o Dia dos Pais só ficou atrás do Dia dos Namorados (R$ 1,4 bilhão) e do Dia das Mães (R$ 1,2 bilhão) em termos de movimentação econômica.

Na capital, o Clube dos Diretores Lojistas e o Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município (SindilojasRio), que representam, juntos, mais de 30 mil estabelecimentos comerciais, trabalham com expectativa de 1,5% de aumento das vendas no Dia dos Pais, que, junto com o Dia da Criança e o Natal, está entre as datas comemorativas mais importantes para o comércio estadual no segundo semestre do ano.

O presidente do CDLRio e do SindilojasRio, Aldo Gonçalves, disse esperar que o Dia dos Pais seja a primeira data comemorativa do comércio a registrar resultado positivo. Todas as anteriores (Páscoa, Dia das Mães e Dia dos Namorados) tiveram desempenho negativo. “No rastro dos estragos causados à vida das pessoas, a pandemia também vem provocando uma devastação na economia, fechando empresas e aumentando o desemprego. Nesse cenário, em que a retração do consumo segue como principal tendência, é auspicioso estimar crescimento das vendas no Dia dos Pais.”

Gonçalves estimou que o preço médio dos presentes deve ficar entre R$ 120 e R$150 por pessoa e que a maioria dos consumidores, a exemplo de datas anteriores, deverá utilizar o cartão de crédito parcelado como forma principal de pagamento.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

13º de aposentados e precatórios influenciaram déficit primário em junho, diz BC

ECONOMIA
2021-07-30 12:49:50
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central (BC), Fernando Rocha, destacou nesta sexta-feira que a antecipação do 13º de aposentados e pensionistas e a alta nos pagamentos de precatórios pela União em junho explicam o aumento do déficit primário do setor público em relação a maio.
Apenas o rombo da Previdência aumentou R$ 27,7 bilhões de um mês para outro. O setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 65,508 bilhões em junho. Em maio deste ano, havia sido registrado déficit de R$ 15,541 bilhões e, em junho de 2020, déficit de R$ 188,682 bilhões.
"Já na comparação com o ano passado, o resultado melhorou bastante porque tivemos em junho 2020 o maior déficit fiscal da história para o mês, em função dos gastos para enfrentar a pandemia de covid-19.
Além dessas despesas, em junho do ano passado estávamos no momento mais agudo da crise, com queda na arrecadação e diferimento de tributos", completou.
Rocha apontou ainda que a melhora no superávit dos governos regionais se deve ao crescimento da arrecadação de tributos e aos repasses da União para Estados e municípios.O resultado fiscal de junho foi composto por um déficit de R$ 75,083 bilhões do Governo Central (Tesouro Nacional, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 8,391 bilhões no mês.
Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 7,541 bilhões, os municípios tiveram resultado positivo de R$ 850 milhões. As empresas estatais registraram superávit primário de R$ 1,183 bilhão.
Pagamento de juros
Fernando Rocha também disse que o ganho de R$ 21,7 bilhões do BC com swaps cambiais ajudou a reduzir a conta de juros do setor público em junho. O setor público consolidado teve despesas de R$ 10,086 bilhões com os juros da dívida pública em junho, após ter encerrado maio com gastos de R$ 21,897 bilhões. Segundo Rocha, sem esse efeito dos swaps, o pagamento de juros teria sido de R$ 32 bilhões no mês passado.
"Sem esse efeito dos swaps cambiais, teria havido um aumento da conta de juros tanto em relação a maio quanto em relação a junho do ano passado, devido ao aumento da Selic e da inflação", completou Rocha.
Dívida
O chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central afirmou que o aumento de 1,1 ponto porcentual da dívida líquida em proporção Produto Interno Bruto (PIB) do de maio para junho se deve principalmente ao déficit nominal R$ 75,6 bilhões no mês passado.
A Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) passou de 59,8% (dado revisado) para 60,9% do PIB em junho. A DLSP atingiu R$ 4,878 trilhões. A dívida líquida apresenta valores menores que os da dívida bruta porque leva em consideração as reservas internacionais do Brasil.
"Outro efeito que explica o aumento da dívida líquida em junho foi a apreciação cambial de 4,4% no mês", afirmou. "Já o aumento do PIB nominal no mês puxou a dívida para baixo, contrabalançando esses efeitos e equilibrando um pouco a alta da DLSP", completou.
Já a Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) fechou junho aos R$ 6,729 trilhões, o que representa 84,0% do PIB. Apesar de o endividamento ter crescido nominalmente, o porcentual, divulgado nesta sexta pelo Banco Central, é menor que os 84,6% de maio (dado revisado).
"O principal fator para a redução da dívida bruta em porcentual em junho foi o aumento do PIB nominal, que cresceu mais aceleradamente que a dívida no mês. E, diferentemente da dívida líquida, no caso da dívida bruta a apreciação cambial contribui para reduzir o estoque", explicou.
No melhor momento da série, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,5% do PIB. A Dívida Bruta do Governo Geral - que abrange o governo federal, os governos estaduais e municipais, excluindo o Banco Central e as empresas estatais - é uma das referências para avaliação, por parte das agências globais de classificação de risco, da capacidade de solvência do País. Na prática, quanto maior a dívida, maior o risco de calote por parte do Brasil.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Dívida Bruta do governo geral fecha junho a R$ 6,729 trilhões, 84% do PIB, diz BC

ECONOMIA
2021-07-30 11:24:48
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Em meio ao aumento dos gastos dos governos para fazer frente à pandemia de coronavírus, a dívida pública brasileira desacelerou em junho em proporção do Produto Interno Bruto (PIB). Dados divulgados nesta sexta-feira pelo Banco Central (BC) mostram que a Dívida Bruta do Governo Geral fechou junho aos R$ 6,729 trilhões, o que representa 84,0% do PIB. Apesar de o endividamento ter crescido nominalmente, o porcentual é menor que os 84,6% de maio (dado revisado). No melhor momento da série, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,5% do PIB.
A Dívida Bruta do Governo Geral - que abrange o governo federal, os governos estaduais e municipais, excluindo o Banco Central e as empresas estatais - é uma das referências para avaliação, por parte das agências globais de classificação de risco, da capacidade de solvência do País. Na prática, quanto maior a dívida, maior o risco de calote por parte do Brasil.
O BC informou ainda que a Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) passou de 59,8% (dado revisado) para 60,9% do Produto Interno Bruto (PIB) em junho. A DLSP atingiu R$ 4,878 trilhões. A dívida líquida apresenta valores menores que os da dívida bruta porque leva em consideração as reservas internacionais do Brasil.
Déficit nominal
O setor público consolidado registrou um déficit nominal de R$ 75,595 bilhões em junho. Em maio, o resultado nominal havia sido deficitário em R$ 37,439 bilhões e, em junho de 2020, deficitário em R$ 210,161 bilhões.
No mês passado, o governo central registrou déficit nominal de R$ 81,274 bilhões. Os governos regionais tiveram saldo positivo de R$ 4,815 bilhões, enquanto as empresas estatais registraram superávit nominal de R$ 864 milhões.
O resultado nominal representa a diferença entre receitas e despesas do setor público, já após o pagamento dos juros da dívida pública. Em função da pandemia do novo coronavírus, que reduziu a arrecadação dos governos e elevou as despesas, o déficit nominal tem sido mais elevado nos últimos meses.
No primeiro semestre, o déficit nominal somou R$ 150,634 bilhões, o que equivale a 3,66% do PIB. Em 12 meses até junho, há déficit nominal de R$ 589,695 bilhões, ou 7,36% do PIB.
Gasto com juros
O setor público consolidado teve despesas de R$ 10,086 bilhões com os juros da dívida pública em junho, após ter encerrado maio com gastos de R$ 21,897 bilhões, informou o Banco Central.
Além de registrar os gastos propriamente ditos do setor público com os juros da dívida pública, esta rubrica contabiliza os resultados do Banco Central com seu estoque de swaps a cada mês. Em função disso, é possível que haja, em alguns meses, resultado positivo na rubrica de juros, como ocorreu em abril.
Conforme o BC, o governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 6,191 bilhões. Os governos regionais registraram gastos de R$ 3,576 bilhões e as empresas estatais, despesas de R$ 319 milhões.
No primeiro semestre, o gasto com juros somou US$ 145,426 bilhões, o que representa 3,53% do PIB. Em 12 meses até junho, as despesas com juros atingiram R$ 284,239 bilhões (3,55% do PIB).
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

PIB da Alemanha (1ª estimativa) sobe 1,5% no 2º trimestre ante período anterior

ECONOMIA
2021-07-30 07:34:48
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha cresceu 1,5% no segundo trimestre de 2021 ante o primeiro trimestre, segundo a primeira leitura da dado divulgada nesta sexta-feira, 30, pela agência de estatísticas alemã Destatis. O resultado veio abaixo da expectativa de analistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam alta de 1,9% no período. Na comparação anual, o PIB da Alemanha subiu 9,2% entre abril e junho, ante previsão de avanço de 9,6%. A Destatis também revisou o recuo da economia alemã no primeiro trimestre deste ano de 1,8% para 2,1%, na comparação trimestral. (Com informações da Dow Jones Newswires).
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags