PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Ceará mira investimento espanhol em processo de reestruturação econômica

Com a interligação dos polos de investimento estrangeiro no Estado, o foco é consolidar e expandir os hubs aéreos, tecnológico e portuário, construindo no Ceará um conglomerado logístico diversificado

Alan Magno
17:03 | 06/07/2021
Câmara do Comércio Brasil-Espanha realiza intermediação entre investidores e governo do Ceará para captação de capital espanhol no plano de reestruturação econômica do Estado (Foto: FCO FONTENELE)
Câmara do Comércio Brasil-Espanha realiza intermediação entre investidores e governo do Ceará para captação de capital espanhol no plano de reestruturação econômica do Estado (Foto: FCO FONTENELE)

Em busca da construção de articulações comercias com a Espanha, a Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Ceará (Sedet), realizou nesta terça-feira, 6, reunião com a Câmara de Comércio Brasil-Espanha. Encontro teve como objetivo apresentação de setores aptos a receber investimentos de empresas espanholas. Segmento de tecnologia da informação, energia renováveis e logística comercial foram os destaques da apresentação. O evento faz parte das ações governamentais para implementar uma reformulação na matriz econômica existente no Estado. 

A iniciativa é um aprofundamento das metas de desenvolvimento estipuladas pelo plano Ceará 2050. "Nós vimos que precisávamos mudar a forma de gerar riqueza no Ceará, melhorar a distribuição da riqueza em todo o Estado", acrescenta o secretário Executivo do Comércio, Serviço e Inovação da Sedet, Júlio Cavalcante.

LEIA TAMBÉM | O futuro da produção energética está no mar 

Ao detalhar os setores em que o Estado busca investimentos de empresas da Espanha, ele pontua ainda que os segmentos foram escolhidos com base no poder de transformação econômica e de acordo com o potencial de cada região do Ceará.

"Exatamente para agilizar nossa transformação econômica e logicamente também social, apoiada por esse desenvolvimento", complementa ao explicar que a Sedet divide o Estado em 14 regiões e que um dos focos é adaptar os investimentos em cada região de acordo com o potencial de desenvolvimento já existente. As áreas de desenvolvimento que serão priorizadas nas iniciativas de captação de investimento são:

>> Energias renováveis
>> Agropecuária
>> Tecnologia da Informação
>> Turismo
>> Economia criativa
>> Segurança hídrica
>> Cadeia de saúde
>> Logística

O principal argumento utilizado na apresentação das propostas de investimento foi a localização estratégica do Ceará tanto em relação à Europa quanto com as rotas de exportação no Brasil, especialmente no Norte e Nordeste. "Investir no Ceará não representa para o empreendedor apenas a influência no estado em si, mas o alcance de todas as regiões urbanas e em todos os estados do Norte e Nordeste. É uma nova fronteira econômica do Brasil", diz Júlio Cavalcante. 

VEJA MAIS | Ceará será a Arábia Saudita da produção de hidrogênio, projeta secretário 

Com a interligação dos polos de investimento estrangeiro no Estado, o foco da Sedet é não apenas consolidar e expandir os hubs aéreos, tecnológico e portuário, mas também construir no Ceará um conglomerado logístico diversificado para as principais atividades econômicas. A secretária executiva da Indústria da Sedet, Roseane oliveira, frisa ainda que o foco é a estruturação de investimentos que estejam alinhados com demandas de um futuro mais sustentável. 

Ao pontuar o Estado como "vanguardista", Roseane detalha um "enorme potencial de crescimento" das atividades econômicas, especialmente do desenvolvimento de energias renováveis. "Além dos atrativos naturais e do mapeamento das possibilidades de investimentos já feitos, o Ceará tem uma ótima relação com o setor industrial, o que intensifica a exploração desse potencial de desenvolvimento", complementa. 

O foco da captação de investimento proposta aos espanhóis é tirar proveito dos benefícios ofertados pelo Governo do Estado, recursos e características naturais de cada região do Ceará e construir na articulação entre os empreendimentos já existentes um ecossistema de produção e comercialização autossustentável com ótima relação custo-benefício. 

Também na reunião, Rebeca Oliveira, diretora de Relações Institucionais do Complexo Industrial e Portuário do Pecém, destaca o grande ganho logístico para empresas estrangeiras que optem por se instalar no Estado.

"Temos hoje o parque industrial, o complexo portuário com linhas rápidas para diversas rotas de exportação marítima, além de estarmos sempre abertos a novos negócios. O que for para facilitar a operação do nosso cliente e que ele consiga investir mais e crescer como empresa", complementa ao destacar que entidade sonda portos ao redor do mundo para intensificar a exportação no Ceará. 

Dentre os segmentos de atuação que podem se beneficiar da estrutura já existente no Pecém estão: minerais não metálicos; metalúrgica; máquinas e aparelhos elétricos; alimento e equipamentos de informática e demais eletrônicos.

Os argumentos apresentados pelo Ceará frisam o ganho para investidores da Espanha e, como reforço nas negociações, a Câmara de Comércio Brasil-Espanha prevê segundo encontro deverá ocorre em setembro. A próxima reunião terá como foco outros segmentos aptos a receber investimento estrangeiro no Ceará. Objetivo da Câmara é intermediar a relação das empresas da Espanha com o Estado para que as tratativas de investimento ocorram de forma rápida e assertiva para ambas as partes. 

Um resultado imediato da reunião desta terça-feira, 6 de julho, que foi transmitida aberta para empresários espanhóis, foi o interesse da Ariza Capital, fundo espanhol de investimento em tecnologias sustentáveis, em aplicações no Estado sobre o setor de energia renováveis relacionadas a projetos de inovação tecnológica para o segmento. Uma reunião especifica sobre o tema será marcado com a Sedet, para tratar de possibilidades de investimento no Ceará.