PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Venda de álcool gel cai 55,9% em um ano no Ceará, mostra levantamento

Recuo no Estado ficou acima do registrado no Nordeste, de -33,7% na comercialização do produto entre os meses de março e abril ante igual período do ano passado

Beatriz Cavalcante
16:11 | 17/06/2021
Venda de álcool gel cai no País (Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil)
Venda de álcool gel cai no País (Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil)

A venda de álcool gel caiu 55,9% entre os meses de março e abril deste ano ante igual período de 2020. A taxa foi acima da redução de 33,7% registrada no Nordeste e a maior dentre todos os estados da Região. O Estado lidera frente as retrações observadas no Rio Grande do Norte, com -45,5%, Bahia, com -36,4%, Pernambuco, com -26,8%, Sergipe, com -24,4% e Paraíba, com -15,5%.

LEIA TAMBÉM | Ceará tem novo decreto em vigor: veja o que pode e o que não pode a partir de segunda

+Beach Park volta a funcionar com agendamento na sexta-feira, 18 

Os estados do Maranhão, Piauí e Alagoas permaneceram com saldo positivo de 283,1%, 71,5% e 8,6%, respectivamente. Levantamento é do Farmácias APP, aplicativo de venda online de saúde e beleza, com dados de todo varejo farmacêutico, físico e digital. 

Já em abril, a diminuição nas vendas do item foi de -62% em Pernambuco, -57,6% em Alagoas, -55,9% na Bahia, -47,8% no Maranhão, -44,5% no Ceará, -25,9% no Piauí, -19,9% no Rio Grande do Norte, - 18,4% na Paraíba e -18% em Sergipe.

“Os números deste levantamento mostram uma mudança no comportamento dos consumidores brasileiros, em relação ao início da pandemia em 2020. A tendência analisada expressa, que, mesmo seguindo com uma alta taxa de transmissão, a compra de álcool em gel vem regredindo cada vez mais, com decréscimos significativos para o mercado farmacêutico”, afirma Renata Morais, coordenadora de Marketing do Farmácias APP, em nota.

Brasil

Em relação ao Brasil, em março de 2021, o índice de vendas do produto representou -49,4% comparado com ano anterior. Porém, em abril, o nível de aquisição do item diminuiu ainda mais, chegando a atingir -59,5%, em todo o País.