PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Caged: Ceará tem saldo positivo de 3,2 mil vagas de emprego em abril

De acordo com os dados do Ministério da Economia, foram 3.297 vagas de emprego geradas no mercado formal após admissões e demissões

Samuel Pimentel
12:49 | 26/05/2021
Segmento da construção civil é o mais forte no Estado e representa 26,7% da atividade industrial cearense. Segmento tem grande potencial gerador de emprego. (Foto: José Paulo Lacerda/CNI/Direitos reservados)
Segmento da construção civil é o mais forte no Estado e representa 26,7% da atividade industrial cearense. Segmento tem grande potencial gerador de emprego. (Foto: José Paulo Lacerda/CNI/Direitos reservados)

O Ceará gerou 3.297 vagas de emprego geradas no mercado formal após admissões e demissões em abril. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia, demonstra recuperação frente o saldo negativo de 2.124 vagas de emprego encerradas no mês anterior.

LEIA MAIS | Saldo líquido de emprego formal é positivo em 120.935 vagas em abril no Brasil

De acordo com os dados, foram 30.404 admissões em abril e 27.107 demissões. Já no acumulado do ano, passados quatro meses de análise, temos saldo de 20.026 vagas de emprego formal abertas no Ceará. Entre janeiro e abril foram 150.989 admissões e 130.963 demissões.

Setores

Em abril, o setor de Serviços foi o que puxou o resultado do Ceará no mercado formal de emprego. Foram 3.661 vagas abertas, com 15.085 admissões e 11.424 desligamentos. A construção civil vem na sequência, com saldo positivo de 409 vagas abertas após 4.118 admissões e 3.709 desligamentos. Comércio (+178 vagas) e Agropecuária (+121) também apresentaram resultado positivo de vagas.

A Indústria realizou 4.705 admissões e 5.777 desligamentos no período de um mês e teve saldo negativo de 1.072 vagas de emprego a menos.

Nacional

Em abril, 23 das 27 unidades da federal apresentaram saldos positivos no mercado formal. O principal destaque positivo foi São Paulo, com mais de 30,1 mil empregos gerados. O pior resultado ficou por conta de Alagoas, com saldo negativo de 3,2 mil postos de trabalho.