PUBLICIDADE
Economia
Noticia

Mais de 30 mil contratos de trabalho são suspensos ou têm jornada e salário reduzidos no Ceará

Estado é o 5º do País em adesão nesta segunda fase do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm), segundo informou o Ministério da Economia

17:47 | 06/05/2021
Acordos são fechados entre empregadores e empregados sob mediação do Governo Federal (Foto: ABR)
Acordos são fechados entre empregadores e empregados sob mediação do Governo Federal (Foto: ABR)

A volta do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm), que permite o empregador reduzir ou suspender a jornada de trabalho dos empregados, teve no Ceará o 5º estado de maior adesão do País e o 2º do Nordeste. Dados do Ministério da Economia indicam que 30.775 contratos foram impactados no Estado desde a última quarta-feira, 28 de abril. O BEm teve o retorno oficializado no dia 27 do mês passado.

O total de acordos, no Brasil, chega a 506.834, e o número referente ao Ceará representa 6,07% disso. A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, responsável pelo BEm, informou ainda que 154.183 empregadores aderiram ao programa no Brasil, gerando efeitos sobre 499.379 trabalhadores.

Para aderir ao programa, os empregadores precisam do consentimento do empregado. Após o acordo, a depender do percentual de redução ou mesmo suspensão, o Governo Federal define a ajuda que deve depositar para os empregados.

LEIA MAIS:

Entenda como vai funcionar o novo programa de manutenção do emprego

Em dados gerais sobre os tipos de acordos, a suspensão de contratos lidera, com 46,88% da adesão. Em seguida, estão as reduções de 70% da jornada (29,51% das adesões), reduções de 50% da jornada (17,25% das adesões) e as reduções de 25% da jornada (6,36%). Dados por tipo de acordo para os estados não foram divulgados.

Setores

O retorno do programa era uma demanda do setor produtivo desde dezembro do ano passado, quando foi suspenso pelo Governo Federal, após prorrogação em 2020. As informações por grupo econômico revelam ainda que os negócios mais impactados pela crise deflagrada na pandemia foram os de maior adesão ao programa.

A liderança em número de acordos é do setor de serviços (52,56% do total), seguida por comércio (25,84%), indústria (14,78%), construção (1,86%) e agropecuária (0,30%). Demais setores não especificados representaram 4,65%.

Ranking

Confira o ranking com os estados que mais tiveram adesão ao BEm:

  1. SP: 112.402
  2. MG: 53.791
  3. RJ: 53.600
  4. BA: 41.305
  5. CE: 30.775
  6. PE: 27.844
  7. RS: 23.493
  8. PR: 22.698
  9. GO: 15.939
  10. SC: 12.316
  11. ES: 10.777
  12. RN: 10.315
  13. AL: 9.078
  14. PB: 8.636
  15. DF: 7.914
  16. SE: 7.502
  17. PI: 7.300
  18. PA: 6.974
  19. MA: 6.501
  20. MS: 3.000
  21. MT: 2.823
  22. AM: 2.184
  23. RO: 2.035
  24. TO: 1.769
  25. AC: 1.156
  26. AP: 782
  27. RR: 293