PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Conheça a empresa cearense que criou aplicativo para concorrer com o iFood

O app "Pensou Chegou" foi desenvolvido pela Solução Sistemas e fechou parceria com o Sindrest-CE para adesão de estabelecimentos cearenses

Samuel Pimentel
13:18 | 07/04/2021
O aplicativo cearense apresentou alta na procura (Foto: Reprodução da internet)
O aplicativo cearense apresentou alta na procura (Foto: Reprodução da internet)

Em meio ao período de lockdown em que os restaurantes não podem atender de forma presencial, a única alternativa tem sido o delivery. E as empresas cearenses de alimentação têm fugido dos altos percentuais cobrados sobre cada venda pelos grandes marketplaces do mercado. É neste cenário que foi lançado o aplicativo PensouChegou.

Desenvolvido pela cearense Solução Sistemas, o app de entregas tem a proposta de ser multiplataforma (com opções Web e sistemas Android e iOS) e nenhuma taxa sobre vendas. Os parceiros também terão link próprio, que pode ser compartilhado nas diversas redes sociais, inteligência artificial para interagir e fazer o autoatendimento via Whatsapp, além de controlar as vendas recebidas por telefone, através do call center.

Taxas nos outros apps

O atual momento é de insatisfação no mercado por conta das altas taxas cobradas pelas grandes empresas de tecnologia que gerem os grandes apps de entrega. De acordo com o presidente do Sindicato de Restaurantes, Bares, Barracas de Praia, Buffets e Similares do Estado (Sindrest-CE), Dorivam Rocha, as taxas sobre cada venda alcançam aproximadamente 1/5 do valor faturado.

Nos últimos meses, Dorivam diz que os empresários enfrentam erros no sistema e cancelamentos de pedidos pelos grandes marketplaces. "Os restaurantes estão se unindo para sair das amarras dos apps", frisa. Foi aí que surgiu a parceria entre Solução Sistemas e Sindrest.

O POVO informou a novidade na última segunda-feira, 5. Conforme o Sindrest, após a grande repercussão da matéria, o app chegou a congestionar.

A plataforma já conta com pelo menos 150 estabelecimentos filiados ao Sindrest cadastrados no app e a expectativa é que esse número chegue a 500. Também há projeção de que a adesão de restaurantes do Interior seja maior nos próximos meses.

"Atualmente, aplicativos como iFood, Uber Eats, Rappi, James, entre outros, chegam a cobrar até 40% dos restaurantes em cada venda realizada, além da mensalidade e taxa de divulgação. Para conseguir lucros, os restaurantes muitas vezes acabam aumentando o valor do produto, que chega mais caro ao consumidor final. No PensouChegou, essas taxas abusivas são zeradas, garantido mais lucros e melhores preços ao consumidor final", informa, em nota, a empresa de tecnologia cearense.

A Solução Sistemas exemplifica destacando que o mesmo prato que custa R$ 13 no iFood, chega a R$ 8 no PensouChegou. Além de não exigir taxa por venda, também promete suporte local com horário estendido e humanizado. Os interessados em cadastrar seus negócios, podem se credenciar pelo site solucaosistemas.net/pensou-chegou

iFood prorroga medidas de apoio a restaurantes

Em meio à pandemia, o iFood anunciou redução de taxas, antecipação de recebíveis e linhas de crédito facilitada até o dia 15 de abril. Também divulgou programa piloto de parcerias em apoio aos estabelecimentos parceiros.

Conforme a empresa, a redução das taxas fica mantida, de forma automática, para estabelecimentos parceiros. Cairão de 23% para 18% para os que operam via entrega iFood (logística da plataforma), e de 12% para 11% para os restaurantes que atuam no marketplace (entrega própria).

Além disso, o repasse dos recebíveis vai continuar em até 7 dias após a venda, sem taxa adicional, até 30 de junho, para todos os restaurantes ativos há mais de 30 dias na plataforma. A empresa ainda continuará a oferecer linhas de crédito facilitadas, por meio do Banco do Restaurante iFood, com taxas e condições especiais, via Conta Digital iFood. O prazo de pagamento varia entre 6 e 12 meses, com até 2 meses de carência, e taxa de juros a partir de 1,99% ao mês. O objetivo é oferecer mais de R$ 500 milhões aos restaurantes ao longo do ano.