PUBLICIDADE
Economia
Noticia

Consumo residencial de energia no CE cresce 15,7% em fevereiro; maior avanço do Nordeste

Comércio foi o único entre as classes que registrou uma baixa, segundo a EPE

22:13 | 30/03/2021
Avanço no consumo residencial no Estado foi destaque entre as unidades da federação (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Avanço no consumo residencial no Estado foi destaque entre as unidades da federação (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Fevereiro representou um avanço de 15,7% no consumo residencial de energia no Ceará, segundo informou a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). O percentual foi o maior da região Nordeste (3,1%), que puxou a alta no consumo no País. Em todo Brasil, foram consumidos 41.214 gigawatt/hora (GWh) - um avanço de 1,1% sobre janeiro.

"No Nordeste, o Estado do Ceará (+15,7%) foi o que registrou a maior alta no consumo. Somente, o Estado do Sergipe (-0,7%) anotou uma ligeira queda", diz o comunicado da EPE, sem detalhar os megawatts/hora consumidos por unidade da federação.

Já no Sudeste, Rio de Janeiro (+7,0%) e São Paulo (+5,4%) lideraram o consumo residencial na região, onde todos os estados tiveram aumento na demanda de eletricidade em fevereiro. Por sua vez, a região Norte (+0,7%) se manteve perto do consumo do mês anterior. As regiões Sul (-2,0%) e Centro-Oeste (-0,6%), tiveram baixa.

Comércio

No país todo, a classe comercial apresentou um recuo de 7,3% no consumo de energia em fevereiro, de acordo com a EPE. "O setor de comércio e serviços continua sendo o mais afetado pelas medidas de distanciamento social decorrente da pandemia da COVID-19. Todas as regiões do país tiveram recuo no consumo de energia da classe", afirma a nota.

Indústria

Para a classe industrial foi observada uma alta de +4,4%, "a maior taxa de crescimento do consumo para o mês de fevereiro desde 2011". "A classe apresenta taxas positivas desde agosto de 2020. O aumento do consumo na indústria continua puxado pelas regiões Sul (+6,0%) e Sudeste (+5,2%), o que vem ocorrendo desde dezembro com estas duas regiões se alternando na liderança dos índices de crescimento", informa a EPE.