PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Inflação em Fortaleza fechou 2020 em 5,74%

Em dezembro, o indicador ficou em 1,46%. O grupo de alimentos e bebidas foi o grande vilão da inflação. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 12, pelo IBGE

Irna Cavalcante
10:10 | 12/01/2021
O grupo alimentos e bebidas foi o grande vilão da inflação. Em Fortaleza, o IPCA fechou 2020 com alta de 5,14%. (Foto: Divulgação)
O grupo alimentos e bebidas foi o grande vilão da inflação. Em Fortaleza, o IPCA fechou 2020 com alta de 5,14%. (Foto: Divulgação)

A inflação em Fortaleza fechou o ano de 2020 com uma alta acumulada de 5,74%. Acima da média brasileira (4,52%) e a terceira maior alta do País. Atrás apenas de Campo Grande (6,85%) e Rio Branco (6,12%). Os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foram divulgados nesta terça-feira, 12, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No mês de dezembro o indicador ficou em 1,46%, 0,66 pontos percentuais (p. p.) acima dos 0,80% de novembro.

O grupo alimentação e bebidas, o de maior peso na composição do índice, foi o que mais subiu no mês (1,46%) e também no acumulado do ano (16,14%). Com destaque para o óleo de soja (121,39%); arroz (82,74%), o feijão fradinho (81,74%) e tomate (62,13%).

Em seguida aparece habitação, com altas de 3,31% em dezembro e de 6,45% no ano; artigos de residência (0,90% no mês e 4,37% no acumulado); e vestuário, com altas respectivas de 1,28% e 1,72%.

 


De todos os grupos pesquisados, o único que não teve alta em dezembro foram os gastos com saúde e cuidados pessoais (-0,09%), mas no acumulado do ano ficou em 1,56%.

Já as despesas com transportes subiram 1,58% no mês, mas ao longo de 2020 tiveram variação de 1,04%. Despesas pessoais foram em sentido contrário, com alta maior no acumulado do ano (2,45%), do que no mês (0,72%).

Na educação, a variação do IPCA ficou em 3,75%, em dezembro, e em 1,05%, em 2020. E na comunicação de 0,46% no mês e de 3,5% no ano.

No Brasil,  o IPCA de dezembro subiu 1,35%. Essa é a maior variação mensal desde fevereiro de 2003 (1,57%) e o maior índice para um mês de dezembro desde 2002 (2,10%). Em dezembro de 2019, a variação havia sido de 1,15%.