PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Para evitar golpes, cadastro de chaves do Pix deve ser feito somente em canais de financeiras

Federação Brasileira de Bancos (Febraban) afirma que criminosos têm tentado realizar fraudes quanto a esse processo

Gabriela Almeida
22:51 | 21/10/2020
Pix - sistema promete desburocratizar a vida financeira (Foto: Reprodução)
Pix - sistema promete desburocratizar a vida financeira (Foto: Reprodução)

 

O cadastramento de chaves feito por usuários do Pix, novo sistema de pagamentos e transferências instantâneas, deve ser feito somente por canais oficiais de instituições financeiras. A orientação foi dada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), nesta quarta-feira, 21, que alertou quanto a existência de golpistas que se apropriam dessa movimentação para roubarem dados dos clientes.

Com a operação programada para ter início em novembro deste ano, o sistema permite agendamentos e transferências feitas de forma ágil e gratuita. Para ter facilidade de acesso na nova função, é necessário que o usuário cadastre até cinco chaves no sistema, utilizando dados como o número de celular ou o e-mail.

Esse cadastramento permite que os clientes sejam identificados durante as transações e que seus dados fiquem em segurança. No entanto, conforme a Febraban, o processo precisa ser feito apenas em canais institucionais como “aplicativo bancário, internet banking, agências” ou ainda por meio de contato direto à central de atendimento.

| LEIA MAIS |

Saiba como funciona o Pix

Pix: Procon pede explicações a Mercado Pago e NuBank sobre cadastros

Tudo sobre Pix: tire dúvidas sobre novo sistema de pagamentos digitais

Instituições aptas para o Pix saltam de 11 a quase 700

Começa hoje registro de chaves digitais do Pix

Isso porque golpistas têm se aproveitado dessas movimentações para roubarem dados de usuários. De acordo com a instituição, os criminosos enviam falsos links por meio do WhatsApp, e-mail, redes sociais e mensagens de SMS, prometendo direcionar a um suposto cadastro no sistema.

No entanto, ao clicarem no link os clientes são levados para uma página falsa de banco, que permite a instalação de um “arquivo malicioso”. Esse sistema rouba não apenas os dados pessoais do usuário, como também os bancários.

Quando a tentativa de fraude não ocorre por meio de envio de links, ela acontece por ligação. Conforme a federação, golpistas se passam por funcionários da instituição vinculada ao cliente e ligam para ele, solicitando dados pessoas e financeiros sob alegação de cadastramento das chaves do novo serviço.

Em relação a isso, a Febraban ainda destacou que os dados “jamais são solicitados ativamente pelas agências financeiras”. Como orientação, a instituição sugeriu que o cliente procure “sempre o gerente de seu banco, uma agência ou a central de atendimento oficial” para esclarecer dúvidas.

Como funciona o cadastramento de chaves

O cadastro de informações no sistema está disponível desde o dia cinco deste mês e pode ser realizado a qualquer momento. De acordo com a instituição, esse processo vai permitir que o usuário faça transações sem precisar passar todos os seus dados para quem for efetuar a transferência.

A “Chave Pix”, como é intitulada, ganhará um apelido do cliente- que o permitirá identificar sua conta no sistema. Os quatro tipos de chaves que podem ser cadastradas são: número de CPF/CNPJ, endereço de e-mail, número do telefone celular ou uma sequência de códigos.

O cadastramento de chaves não é obrigatório. No entanto, se o usuário optar não realizar esse processo ele precisará passar pelo procedimento de digitar todos os “dados bancários do destinatário” para que a transação seja efetuada.

Golpes não devem impactar sistema

De acordo com Ricardo Coimbra, Mestre em Economia pela Universidade Federal do Ceará (UFC), a criação de algo novo na área financeira sempre possibilita o aparecimento de golpistas. Por esse motivo, é “comum” que os clientes fiquem assustados e tenham medo em realizar operações no Pix.

“As pessoas sentem medo no início, da mesma forma que ocorreu quando surgiu as compras online”, aponta o especialista. Ricardo afirma, no entanto, que esse receio tende a desaparecer e aponta que um número cada vez maior de clientes deve aderir ao novo sistema.

Esse cenário deve acontecer mesmo com as fraudes cometidas por criminosos. De acordo com Coimbra, a implantação do sistema não será prejudicada por essas tentativas de golpes, uma vez que ela já vem ganhando força.

“Não vai gerar impacto sobre a implementação. Até porque, pelos índices que se tem, todos os dias aumenta o número de pessoas que já aderiram e que já realizaram o cadastro”, destaca, orientando ainda: “A primeira coisa que as pessoas têm que fazer é evitar passar dados pessoais para qualquer um e buscar suas operadoras financeiras”.