PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Ceará registra alta em pedidos para pesquisa mineral; novo mapa geológico do Estado é lançado

Ao todo, foram requeridas 585 áreas para pesquisa durante 11 anos

Mirla Nobre
16:21 | 10/09/2020
Mina de urânio e 
fosfato de Itataia (Foto: Fabio Lima/O POVO)
Mina de urânio e fosfato de Itataia (Foto: Fabio Lima/O POVO)

O estado do Ceará registrou alta de 3.450% em números de requerimentos de empresas para realizar pesquisas minerais no Estado, que subiu de quatro em 2008 para 142 em 2019. Ao total, foram requeridas 585 áreas para pesquisa durante os 11 anos. Os dados são da Agência Nacional de Mineração (ANM), destacados pelo Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM), que lançou nesta quinta-feira, 10, uma nova edição do mapa geológico do Ceará.

Para realizar pesquisas mais detalhadas, as empresas do setor privado precisam fazer esses requerimentos junto à ANM. A partir dos mapas geográficos divulgados pelo SGB-CPRM, o investidor requer um levantamento mais detalhado a fim de verificar a possibilidade de exploração dos recursos da região, explica o pesquisador do SGB, Tercyo Rinaldo Pinéo.

Outro benefício que o mapa traz, é orientar as decisões sobre a construção de grandes obras públicas. “Os mapas e bases de dados podem ser utilizadas por gestores públicos na elaboração e execução de obras importantes como rodovias e canais de integração hídrica”, informa o pesquisador.

O mapeamento geológico é um dos pilares do desenvolvimento sustentável, destaca o diretor de Geologia e Recursos Minerais do Serviço Geológico do Brasil, Márcio Remédio. “Todos dependem fortemente de suprimentos adequados de energia e recursos minerais, o que torna uma questão de soberania nacional saber os recursos que cada país dispõe no subsolo”, pontua.

Novo mapa geológico do Ceará

Lançado nesta quinta-feira, 10, a nova edição do mapa geológico do Ceará apresenta a atualização do conhecimento geológico do Estado. A publicação reúne dados e informações gerados em dezenas de projetos de cartografia geológica realizados pelo SGB-CPRM, em pesquisas acadêmicas executadas em universidades brasileiras.

Para o setor mineral, os mapas permitem a avaliação integrada das áreas de maior interesse para pesquisa e investimentos. De acordo com pesquisador do SGB-CPRM Tercyo Pinéo, os mapas apresentam informações importantes sobre ocorrências minerais. Os mapas também têm grande relevância para gestores públicos nas decisões sobre a construção de grandes obras públicas.

Os mapas podem ser utilizados no planejamento do uso e ocupação do solo, em áreas urbanas e rurais. “Os mapas e bases de dados podem ser utilizadas por gestores públicos na elaboração e execução de obras importantes como rodovias e canais de integração hídrica, ou seja, disponibilizam informação pública de qualidade, visando o desenvolvimento regional”, informa.

Destaques

As rochas ornamentais são um dos destaques no novo mapeamento geológico do Ceará e é o terceiro maior exportador do país. Com o mapeamento e a divulgação dos dados, é possível estimular empresas de mineração a investir no Estado, com exemplo no setor de rochas ornamentais, o que movimenta toda uma cadeia econômica.

Outros destaques, segundo o Tercyo Pinéo, são para as mineralizações auríferas e elementos do grupo da platina na região do município de Pedra Branca. Além dos minerais estratégicos como fosfato-urânio da jazida de Itataia, localizada no município de Santa Quitéria, sendo o fosfato matéria-prima para a produção de fertilizantes, insumo de extrema importância para a agricultura nacional.