PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Ceará é segundo destino mais visitado do Nordeste, aponta IBGE

Com pandemia, situação dos guias de turismo tem sido uma das mais críticas devido às restrições de circulação. Proposta foi enviada à Prefeitura de Fortaleza para criação de um auxílio financeiro

Leonardo Maia
10:21 | 12/08/2020
 Estátua da praia de Iracema.  (Foto: (Beatriz Boblitz/ O POVO))
Estátua da praia de Iracema. (Foto: (Beatriz Boblitz/ O POVO))

O Ceará foi o segundo destino do Nordeste mais procurado em viagens nacionais, de acordo com dados coletados entre maio e julho de 2019 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na Região, apenas os baianos receberam mais viajantes que os cearenses. O número de viagens que chegaram ao Estado corresponde a pouco mais 4% do total de deslocamentos realizados em todo o País.

O Nordeste se destaca ainda no cenário nacional, como a segunda região que mais recebeu viagens no Brasil. O IBGE verificou que a dinâmica de viagens acontece em parte significativa dos casos de forma intra-regional e até mesmo dentro de cada Estado — nesse caso com número de viagens superior a 50% em todas as federações. Em número de viajantes totais, o Ceará foi o oitavo estado do País com maior número de viajantes, com 4,3% do total.

Nacionalmente, os motivos para não viajar variaram entre dois principais: falta de dinheiro e falta de tempo, que mudam de acordo com o nível financeiro dos domicílios pesquisados. Dentre aqueles com rendimentos abaixo de 2 salários mínimos, a principal causa de não viagem foi a falta de dinheiro. Já entre os domicílios cujo rendimento foi de 2 ou mais salários mínimos, o motivo que predominou foi a falta de tempo.

Aproximadamente oito a cada 10 domicílios brasileiros não realizaram nenhuma viagem no período avaliado pela pesquisa. Entre eles, apenas 20% deixaram de visitar outro lugar porque não tinham interesse ou necessidade. Para os viajantes, momentos de lazer ficaram mais restritos para grupos com maior faixa de renda. As famílias com renda per capita menor que meio salário mínimo tiveram 10% das viagens com essa finalidade, enquanto no grupo com quatro salários mínimos ou mais essa porcentagem sobe para 55%.

Câmara propõe projeto de lei para auxílio aos guias de turismo de Fortaleza; matéria foi enviada à Prefeitura

Durante a pandemia, o grupo de guias de turismo tem sido uma das categorias profissionais mais afetadas. No período de isolamento social, a classe foi contemplada por projetos de indicação de três vereadores da Capital — Paulo Martins (PDT), Larissa Gaspar (PT) e Julierme Sena (PROS). Enviada ao Executivo municipal, a proposta de Paulo Martins é a mais avançada e propõe a criação de um auxílio financeiro, sem valor determinado, para os guias.

Em vídeo divulgado em redes sociais do Sindicato dos Guias de Turismo do Ceará (Sindegtur-CE) no início de julho, Martins lamentou a situação dos trabalhadores. "Desde março não há mais trabalho na área de turismo e provavelmente será uma das últimas categorias a voltar a exercer regularmente a profissão. Mandei o projeto aprovado para o prefeito e também enviei uma mensagem buscando o diálogo para ver o que é possível fazer", disse. O POVO entrou em contato com a Prefeitura e aguarda resposta.

Em busca de recursos durante a crise na saúde, os profissionais criaram uma campanha virtual para arrecadar doações. De acordo com os autores da iniciativa, cerca de 365 famílias de guias de turismo estão precisando de apoio financeiro para garantir sua sobrevivência. "Seja solidário com esse profissional, afinal a construção da imagem do nosso estado do Ceará passa pelo guia de turismo", enfatiza a campanha.

Serviço

Campanha de Apoio aos Guias de Turismo

As doações podem ser feitas por meio da plataforma Vakinha, neste link