Participamos do

Taxa de desemprego do Ceará cresce 20% no primeiro trimestre de 2020

Taxa de desocupação do Estado no primeiro trimestre deste ano foi de 12,1%, ficando superior aos 10,1% do último trimestre de 2019
13:56 | Mai. 15, 2020
Autor Victor Hugo Pinheiro
Foto do autor
Victor Hugo Pinheiro Repórter do Esportes O POVO
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A taxa de desocupação do Ceará no primeiro trimestre de 2020 foi de 12,1%, registrando crescimento de 2 pontos percentuais, ou seja de 20%, em relação aos dados divulgados no quarto trimestre de 2019, quando a taxa ficou em 10,1%. Os números foram disponibilizados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Contínua (Pnad Contínua), divulgada nesta sexta-feira, 15, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É o maior resultado desde o 1º trimestre de 2018 (12,8%) para o Estado. O contingente passou de 423 mil pessoas desocupadas, nos últimos três meses do ano passado, para 496 mil pessoas nos primeiros três meses deste ano.

Essa taxa é maior na faixa dos jovens de 14 a 17 anos (37,5%). Também é maior a desocupação entre mulheres (13,2%), comparando-se aos homens (11,2%), no 1º trimestre de 2020. Já com relação a cor ou raça, a maior taxa de desocupação foi das pessoas autodeclaradas pretas (13%), seguido de pardos (12,6%) e brancos (10,4%).

Por nível de instrução, o desemprego ficou mais alto para quem tinha nível superior incompleto (17,6%) e menor para quem possuía ensino superior completo (5,9%). Das 496 mil pessoas desocupadas, 48,2% estavam a busca de trabalho em um período de 1 mês a menos de 1 ano. O contingente de pessoas procurando trabalho num período menor que um mês subiu de 15,5% no 1º trimestre do ano passado, para 23% no mesmo período desse ano. 

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Apesar do crescimento da taxa, o Ceará registra o menor dado deste primeiro trimestre no Nordeste. Enquanto a Bahia (18,7%) possui a maior taxa do País e, consequentemente, da região nordestina. Em relação aos dados nacionais, além da Bahia, Amapá (17,2%), Alagoas e Roraima (16,5%) registram as maiores taxas de desemprego.

Já as menores taxas do País foram observadas nos seguintes estados: Santa Catarina (5,7%), Mato Grosso do Sul (7,6%) e Paraná (7,9%). A pesquisa deste primeiro semestre mostrou que o desemprego cresceu em 12 estados e se manteve estável nos demais.

No primeiro trimestre de 2020, a taxa de desemprego do Brasil foi de 12,2%, subindo 1,3 pontos percentuais em relação ao quarto trimestre do ano passado, quando o registro fechou em 11%. Comparado com o primeiro trimestre do último ano (12,7%), observou-se uma queda 0,5 pontos percentuais. Também chamou a atenção o índice de jovens entre 18 e 24 anos em situação de desemprego (27%), acima da média geral.

No primeiro trimestre de 2020, a taxa de desemprego teve estimativa de 10,4% para os homens e 14,5% para as mulheres. A taxa das pessoas que se declararam brancas (9,8%) ficou inferior a média nacional, entretanto, a das pretas (15,2%) e a das pardas (14,0%) ficou acima da média geral (12,2%).

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags