PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Vendas para os Dia dos Namorados devem movimentar R$ 145 milhões no Ceará

A data comemorativa é considerada a quarta mais importante para o comércio de Fortaleza. O gasto médio foi avaliado em R$ 227

11:36 | 07/06/2019
A data comemorativa é considerada a quarta mais importante para o comércio local de Fortaleza. O gasto médio foi avaliado em R$ 227 reais.
A data comemorativa é considerada a quarta mais importante para o comércio local de Fortaleza. O gasto médio foi avaliado em R$ 227 reais.(Foto: Alex Gomes/O POVO)

O Dia dos Namorados deve movimentar cerca de R$ 145 milhões na economia cearense com a compra de presentes, conforme levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Ceará (IPDC), do Sistema Fecomércio-CE. A data é considerada a quarta mais importante para o comércio da Capital.

Quase metade das pessoas ouvidas pela pesquisa (39,5%) afirmaram que vão às compras, segundo resultados do estudo. Em média, o gasto foi avaliado em R$ 227. O valor é abaixo (2%) do estimado no ano passado. Uma pequena parcela (6,6%) ainda não decidiu qual presente vai comprar.

Entre os produtos mais pensados como escolha de presente estão artigos de vestuário (29,9%), itens de perfumaria (21,6%), sapatos e bolsas (13,6%), relógios e joias (10,4%) e bombons, chocolates e trufas (8,9%). 

LEIA MAIS: Shoppings de Fortaleza realizam promoções para o Dia dos Namorados; confira lista

As compras devem ser feitas, de maneira preferencial, à vista (63,2%) e com cartão de crédito (36,3%). 

Comemorações

O Dia dos Namorados é data inspirada no Dia de São Valentim (14 de fevereiro), quando os apaixonados são celebrados nos Estados Unidos e na Europa. No Brasil, a celebração é na véspera do Dia de Santo Antônio, conhecido popularmente como casamenteiro.

Cerca de 150 mil casais, principalmente aqueles com renda familiar acima de seis salários mínimos (67,5%), devem procurar locais para celebrar a data, em busca de mesas em bares e restaurantes. Quase metade (44,2%) devem comemorar em restaurantes (40,8%) e outros devem optar pelas próprias casas ou de parentes (35,1%).

Larissa Carvalho/Especial para O POVO