PUBLICIDADE
Notícias

Sedã Classic deixa de ser comercializado no Brasil, após 20 anos

A Chevrolet/GM já retirou o produto dos catálogos, tanto no site oficial da montadora como nas concessionárias

22:37 | 08/09/2016
Chevrolet Classic em estrada (Foto: GM/Divulgação)
Chevrolet Classic em estrada (Foto: GM/Divulgação)

[FOTO1]

Em novembro de 1995, o antigo Corsa Sedan era lançado.  Quase 21 anos depois, o Chevrolet Classic deixa de ser vendido no Brasil. O sedã compacto deixou o catálogo da marca nas concessionárias e no site oficial, desde o início deste mês.

[SAIBAMAIS]

A General Motors confirmou a informação em comunicado:

"A GM do Brasil informa que, a partir de setembro, deixará de importar o modelo Chevrolet Classic, que continua sendo produzido e comercializado na Argentina", resumiu a fabricante. Atualmente, o pequeno três-volumes é fabricado em Rosário, de onde vinha como importado.

Histórico

O nome Classic só veio em abril de 2002, mas o Corsa Sedan chegou mesmo em 11 de novembro de 1995. O modelo chegou nas versões GL e GLS, equipado com motor 1.6 4-cilindros MPFI, de 92 cv e 13 kgfm. Em 1998 foi apresentada a configuração "mil", mais acessível, que rendia 68 cv e 9,2 kgfm.

A linha era formada por versões com motor 1.0 (recalibrado para 70 cv) e 1.6. A partir de 2005, o Classic passou a ser oferecido somente com motor 1-litro (72 cv), enquanto o Corsa Sedan recebia motorização 1.4.

Em 2010, veio o estilo mais recente do Classic. Depois disso, apenas mudanças pontuais no pacote de equipamentos para tentar deixá-lo atualizado com o mercado.

Desde o lançamento do Corsa Sedan até agosto deste ano, foram emplacados mais de 1,5 milhão de unidades do Classic, conforme estimativa da montadora. O número faz do modelo o  sedã mais vendido da história da GM no Brasil, batendo até o clássico Chevette.

Apesar dos números, o modelo já demonstrava fracas vendas nos últimos anos: foram 122 mil comercializados em 2010, 48.382 em 2014 e, de janeiro a agosto de 2016, apenas 10.889 (média inferior a 1.400 por mês).

Redação O POVO Online
TAGS