PUBLICIDADE
Notícias

Itaú não vê solução a curto prazo para Argentina

15:50 | 06/11/2014
O Itaú Unibanco não vê uma solução em curto prazo para a crise econômica na Argentina, afirmou nesta quinta-feira, 6, o economista do banco Caio Megale. Durante fórum que discute o futuro da indústria automobilística, ele avaliou que a crise no país vizinho tende a se aprofundar antes de a situação melhorar. O economista ainda defendeu que, para aumentar as exportações brasileiras, é preciso se tornar mais competitivo, por meio do câmbio e de ganhos de produtividade.

"A Argentina está em recessão profunda e não vai sair muito rápido", afirmou. Lembrando que o país é o maior mercado exportador de veículos do Brasil, Megale criticou indiretamente a política externa brasileira de focar em mercados do Mercosul. "Enquanto Colômbia e Chile, por exemplo, fizeram acordo com Europa, China e Estados Unidos, o Brasil se casou com a Argentina. Bela noiva para se casar. A traição parece que veio depois", disse, defendendo que é preciso diversificar mais o mercado.

Megale afirmou que um câmbio estabilizado em torno de R$ 2,7 (projeção do Itaú para 2015) deverá garantir um ganho melhor de competitividade para a indústria brasileira. Ele acrescentou que, para aumentar as exportações, as empresas também precisam ter a percepção de que, de fato, precisam ajustar a produtividade e ganhar eficiência. "Quando o Brasil crescia a 6%, o foco era expansão. Passada essa fase, o foco deve ser ajuste de custo", defendeu.

TAGS